10 republicanos votaram pelo impeachment de Trump; veja destaques da sessão

Trump se tornou o primeiro presidente dos Estados Unidos a ter um processo de impeachment aberto contra si duas vezes. Saiba como foi a votação na Câmara

Por Jeremy Herb, Manu Raju, Lauren Fox e Phil Mattingly, da CNN
14 de janeiro de 2021 às 03:30 | Atualizado 14 de janeiro de 2021 às 10:10

 


A Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, aprovou, nesta quarta-feira (13), o impeachment do presidente Donald Trump pela segunda vez durante o mandato, em uma condenação rápida e bipartidária por conta do papel do presidente em incitar a invasão da semana passada no Capitólio.

Confira os principais pontos da votação:

Primeiro presidente com dois impeachments

A Câmara aprovou o impeachment por 232 a 197 votos, exatamente uma semana depois que os manifestantes forçaram os legisladores a fugir da mesma Casa.

Esse foi o quarto impeachment presidencial na história dos Estados Unidos. Essa é a primeira vez que um presidente tem o processo aberto duas vezes. 


Donald Trump, presidente dos Estados Unidos
Donald Trump, presidente dos Estados Unidos
Foto: REUTERS

 


 

Republicanos também votaram pelo impeachment de Trump

Dez republicanos, incluindo a republicana nº 3 da Câmara, Liz Cheney, de Wyoming, se juntaram a todos os democratas para aprovar impeachment de Trump por "incitação à insurreição".

A declaração de Cheney foi citada por defensores e detratores do impeachment na quarta-feira, depois que ela acusou Trump de "convocar essa turba, montá-la e acender a chama desse ataque".

Esses foram os republicanos que votaram pelo impeachment:

- Adam Kinzinger, de Illinois
- Liz Cheney, de Wyoming
- John Katko, de New York
- Fred Upton, do Michigan
- Jaime Herrera Beutler, de Washington
- Dan Newhouse, de Washington
- Peter Meijer, do Michigan
- Anthony Gonzalez, de Ohio
- Tom Rice, de South Carolina
- David Valadao, da Califórnia

Trump pede calma

Após a votação na Câmara, Trump divulgou uma declaração em vídeo pedindo calma enquanto a ameaça de novos distúrbios - sobre os quais o presidente disse ter sido informado pelo Serviço Secreto - lança uma mortalha sobre Washington. O presidente não mencionou o impeachment histórico ocorrido algumas horas antes.

Mensagem de Biden ao Congresso

Em uma declaração ao Congresso, o presidente eleito observou que "foi um voto bipartidário lançado por membros que seguiram a Constituição e sua consciência", antes de se voltar para a pandemia. "Essa nação também permanece nas garras de um vírus mortal e uma economia cambaleante", disse Biden.

"Espero que a liderança do Senado encontre uma maneira de lidar com suas responsabilidades constitucionais no impeachment enquanto também trabalha em outros assuntos urgentes desta nação."

O que vem a seguir

O impeachment não deve tirar Trump do cargo - o líder da maioria no Senado, Mitch McConnell, não planeja trazer o Senado de volta para um julgamento antes de 19 de janeiro, o que significa que o julgamento não começará até que Trump saia do cargo e Biden tenha foi empossado.

O líder da maioria disse em um comunicado após a votação que um julgamento não poderia ser concluído antes da posse de Biden, mesmo se tivesse começado antes, e ele queria que o Congresso e o Executivo passassem a próxima semana focados em "facilitar um seguro inauguração e uma transferência ordenada de poder. "