Família real de Dubai diz que princesa Latifa está ‘em casa e recebe cuidados’

Emirados Árabes Unidos negou que ‘princesa desaparecida’ esteja sendo mantida como refém

Caroline Faraj, Mostafa Salem e Sarah Dean, da CNN
20 de fevereiro de 2021 às 11:36
Princesa Latifa
Latifa bint Mohammed Al Maktoum, filha do primeiro-ministro dos Emirados Árabes Unidos
Foto: Acervo/Reprodução

A família real de Dubai diz que a princesa Latifa está "sendo cuidada em casa", rejeitando vídeos em que ela os acusa de mantê-la refém desde que ela tentou fugir para o exterior em 2018.

“Em resposta a reportagens da mídia sobre Sheikha Latifa, queremos agradecer àqueles que expressaram preocupação com seu bem-estar, apesar da cobertura que certamente não reflete a posição real”, disse a declaração de sua família, de acordo com os Emirados Árabes Unidos em Londres.

Em gravações secretas obtidas pela BBC e compartilhadas com a CNN, a filha do governante bilionário de Dubai afirmou que estava sendo mantida refém em uma "vila convertida em prisão", sem acesso a ajuda médica.

A CNN não verificou independentemente os vídeos, lançados como parte do documentário 'The Missing Princess' da BBC Panorama no início desta semana, ou o paradeiro atual de Latifa.

Insuficiente

A declaração da família real fica aquém das exigências das Nações Unidas e do Reino Unido de que os Emirados Árabes Unidos forneçam prova de vida. No comunicado, sua família disse que "Sua Alteza está sendo cuidada em casa, apoiada por sua família e por profissionais médicos".

"Ela continua a melhorar e temos esperança de que ela retorne à vida pública no momento apropriado", acrescentou. A família e amigos próximos de Latifa montaram uma campanha com apoiadores e conselheiros chamada Latifa Livre. Algumas organizações de direitos humanos, como a Amnistia Internacional e a Human Rights Watch, apoiam a campanha.

"Qualquer confirmação verdadeira de que a princesa Latifa está bem e bem é bem-vinda. No entanto, a declaração de hoje é uma reminiscência das de 2018, 2019 e 2020", disseram os líderes da campanha em um comunicado na sexta-feira.

"Declarações que provaram uma coisa, que os Emirados Árabes Unidos, sua embaixada em Londres e mais especificamente o pai de Latifa, o governante de Dubai, o xeque Mohammed Bin Rashid Al Maktoum, simplesmente não são confiáveis."

Na declaração constavam pedidos à ONU e aos líderes mundiais, como o presidente dos EUA Joe Biden e o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, a intervir e instar os Emirados Árabes Unidos a libertar Latifa.

Sheikha Latifa bint Mohammed Al Maktoum - filha do primeiro-ministro dos Emirados Árabes Unidos Sheikh Mohammed bin Rashid Al Maktoum - foi vista publicamente pela última vez em março de 2018 a bordo de um iate na costa da Índia, antes que um ataque das forças indianas e dos Emirados a levasse de volta para Dubai, de acordo com duas pessoas que ajudaram a planejar sua fuga.

Foi sua segunda tentativa fracassada de fugir para o exterior, depois que ela tentou deixar os Emirados Árabes Unidos em 2002, quando era adolescente.

Em um dos vídeos, Latifa diz: "Sou uma refém. Esta vila foi convertida em prisão. Todas as janelas estão trancadas, não consigo abrir nenhuma janela ... Estou sozinha, solitária, confinada. Sem acesso a ajuda médica, sem julgamento, sem acusação, nada."

Latifa gravou secretamente os vídeos em um telefone celular enquanto se escondia em um banheiro trancado, de acordo com a BBC. O documentário diz que cerca de um ano depois que Latifa foi levada de volta para Dubai, sua amiga Tiina Jauhiainen foi contatada por alguém que ajudou a dupla secretamente a se reconectar.

Jauhiainen conseguiu um telefone para Latifa e, desde então, a princesa gravou muitas mensagens de vídeo "descrevendo seu cativeiro em uma vila convertida em prisão com as janelas fechadas com grades", segundo um comunicado à imprensa da BBC.

"O Panorama da BBC verificou de forma independente os detalhes de onde Latifa estava sendo mantida refém. Ela era vigiada por cerca de 30 policiais, trabalhando em rodízio, dentro e fora da vila. O local fica a poucos metros da praia. Não se sabe se ela ainda está lá ", diz o comunicado.

Em outro vídeo exibido no documentário, Latifa diz: “Estou aqui desde então, há mais de um ano em confinamento solitário. Sem acesso a assistência médica, sem julgamento, sem cobrança, nada ... Todos os dias me preocupo com minha segurança e a polícia me ameaçam dizendo que nunca mais verei o sol. Não estou segura aqui."

Caroline Faraj da CNN em Dubai, Mostafa Salem em Abu Dhabi e Sarah Dean em Londres contribuíram para esta reportagem.

Texto traduzido do inglês. Leia o original da CNN