EUA estudam implantar sistema de comprovação de vacinação

Ideia do governo norte-americano é que o país volte ao normal até o Natal; setores da Casa Branca e grupos de tecnologia trabalham no desenvolvimento do sistema

Kristen Holmes e Devan Cole, CNN
29 de março de 2021 às 09:21
EUA tem mais de 400 mil mortes devido ao Covid-19
Protocolo de vacinação contra a Covid-19 facilitaria entrada em outros países e eventos
Foto: Reprodução / CNN

O governo Biden está trabalhando no desenvolvimento de um sistema em que pessoas consigam comprovar que foram vacinadas contra o novo coronavírus, de acordo com um funcionário de alto escalão do governo. 

Várias secretarias governamentais e agências da Casa Branca estão envolvidas em conversas e reuniões de planejamento, já que esse tipo de sistema impactará não apenas vários setores do governo, como também a vida de muitas pessoas, disse o funcionário. 

Na semana passada, durante sua primeira coletiva de imprensa, Biden disse que os Estados Unidos devem atingir 200 milhões de doses aplicadas das vacinas contra a Covid-19 até o 100º dia do seu mandato. 

A previsão do presidente Joe Biden é que os Estados Unidos consigam voltar ao normal no Natal.

À medida que mais americanos são vacinados, os comprovantes de vacina vão se tornando essenciais. Os "passaportes de vacina", como estão sendo chamados, podem ser a resposta necessária para o retorno à normalidade. 

Alguns setores, como o de viagens, têm pedido pelo desenvolvimento de um sistema uniforme mundial, já que o consenso entre governos de todo o mundo facilita a migração entre fronteiras. 

Os planos do governo foram relatados pela primeira vez pelo jornal The Washington Post. A administração de Biden defende que o governo federal não deveria se envolver em esforços para criar um sistema de passaporte de vacina para verificar se as pessoas foram vacinadas. 

No entanto, o jornal relatou que o esforço "foi conduzido em grande parte pelos braços do Departamento de Saúde e Serviços Humanos, incluindo um escritório dedicado à tecnologia da informação em saúde", disseram os cinco funcionários que falaram sob condição de anonimato. 

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, durante coletiva de imprensa
Foto: CNN (25.mar.2021)

Segundo um funcionário, quem coordenou esta articulação na Casa Branca foi Jeff Zients, funcionário do governo responsável pelas ações de combate ao vírus. 

"Nosso papel é basicamente ajudar a garantir que quaisquer soluções nesta área sejam simples, gratuitas, acessíveis – no digital ou no papel – e projetadas desde o início para proteger a privacidade das pessoas", disse Zients no início deste mês, de acordo com o jornal. 

A CNN informou anteriormente que várias empresas e grupos de tecnologia começaram a desenvolver aplicativos e sistemas para smartphones para que os indivíduos carreguem detalhes de seus testes e vacinação contra a Covid-19, criando assim credenciais digitais que podem ser mostradas ao entrar em shows, estádios, cinemas, escritórios e até em outros países. 

No entanto, o uso desse tipo de “passaporte” é restritivo, já que há ainda uma grande parcela da população que ainda não usa ou tem acesso a smartphones. 

Algumas empresas também estão desenvolvendo um cartão inteligente que atinge um meio-termo entre os certificados de vacina em papel tradicionais e uma versão online. 

(Esse texto é uma tradução. Para ler a versão original, em inglês, clique aqui.)