Ilha do Caribe é atingida por maior explosão vulcânica de sua história

Rios de lava quente, fragmentos de rocha e gás escorreram pelos flancos do vulcão La Soufriere, em São Vicente; cerca de um terço da área da ilha está isolada

Reuters
13 de abril de 2021 às 10:19 | Atualizado 13 de abril de 2021 às 10:48
Cinzas e fumaça do vulcão La Soufriere na ilha de São Vicente, no Caribe
Cinzas e fumaça do vulcão La Soufriere em Kingstown, na ilha de São Vicente, no Caribe
Foto: Robertson S. Henry - 9.abr.2021/Reuters

Rios de lava quente, fragmentos de rocha e gás escorreram pelos flancos do vulcão La Soufriere, na pequena ilha caribenha de São Vicente, na segunda-feira (12), após a maior explosão do vulcão desde o início da erupção quatro dias antes.

O La Soufriere entrou em erupção na sexta-feira (9) após décadas de inatividade, bombeando nuvens escuras de cinzas a 10 quilômetros e forçando a saída de moradores da região por terra e por mar. 

Nenhuma morte foi reportada até agora, mas cerca de um terço da área da ilha está isolada e o espaço aéreo continua fechado enquanto o fornecimento de água e energia elétrica está intermitente em algumas comunidades. 

Vários habitantes da ilha disseram que estavam evitando sair de casa já que as cinzas estão dominando o ar e se transformando em algo parecido com cimento em contato com a chuva, dificultando a locomoção a pé ou por carro. 

"Estamos sofrendo com as cinzas, e fica difícil respirar às vezes", disse Aria Scott, de 19 anos, uma estudante moradora da capital Kingstown. "Eu não vou lá fora pois não quero correr o risco." 

A explosão de segunda-feira, que aconteceu às 4 da manhã no horário local, foi a mais poderosa até então, afirmou Erouscila Joseph, diretora do Centro de Estudos Sísmicos da Universidade das Índias Ocidentais, que alertou que a erupção pode causar torrentes de lama conforme as cinzas chegarem aos rios. 

"Acreditamos que mais explosões são possíveis nos próximos dias ou semanas", disse.

São Vicente e Granadinas, que tem população de pouco mais de 100 mil pessoas, não passava por atividade vulcânica desde 1979, quando uma erupção causou cerca de US$ 100 milhões em prejuízos.

Outra erupção do La Soufriere – que significa "saída de enxofre" em francês – em 1902 matou mais de mil pessoas.