Biden receberá família de George Floyd na Casa Branca nesta terça-feira (25)

Data marca o aniversário da morte de Floyd; ele morreu aos 46 anos após o policial Derek Chauvin, já condenado em decisão unânime, se ajoelhar sobre seu pescoço

Arlette Saenz, Devan Cole, CNN
24 de maio de 2021 às 08:09
Philonise Floyd fala em audiência da Comissão Judiciária da Câmara dos Deputados
Philonise Floyd, irmão de George Floyd, fala em audiência da Comissão Judiciária da Câmara dos Deputados
Foto: Greg Nash -10.jun.2020/ Pool/ AFP/ Getty Images

O presidente dos EUA, Joe Biden, receberá a família de George Floyd na Casa Branca nesta terça-feira (25) para marcar o primeiro aniversário de sua morte nas mãos da polícia, confirmou um funcionário da Casa Branca à CNN.

A visita à Casa Branca ocorre quando os legisladores provavelmente perderão o prazo inicial de 25 de maio estabelecido pelo presidente para aprovar um projeto de reforma policial bipartidário. 

A secretária de imprensa Jen Psaki disse na última sexta-feira (21) que a Casa Branca tem "confiança nas negociações", mas não ofereceu um prazo concreto para quando Biden quer um projeto de lei em sua mesa, dizendo apenas que gostaria que fosse "o mais rápido possível".

Biden conheceu a família Floyd em junho de 2020, quando viajou para Houston para oferecer suas condolências antes do funeral de George Floyd. O presidente falou com parentes em algumas ocasiões no ano passado, incluindo uma conversa no mês passado com o irmão de George Floyd, Philonise Floyd, depois que um júri condenou o ex-policial de Minneapolis Derek Chauvin pelo assassinato.

Psaki havia dito que a Casa Branca marcará o aniversário da morte de Floyd, dizendo aos repórteres que "foi um momento que impactou milhões de americanos e certamente o presidente em um nível pessoal".

Biden falou com o senador democrata Cory Booker, de Nova Jersey, na tarde da última sexta-feira, conforme o prazo auto-imposto de 25 de maio para a aprovação da legislação de revisão da polícia se aproxima, de acordo com um alto funcionário da Casa Branca.

O funcionário disse que Booker relatou ao presidente que embora os negociadores não estejam no caminho certo para cumprir o prazo, o progresso está sendo feito.

Biden definiu 25 de maio, o aniversário da morte de Floyd, como sua meta durante o discurso conjunto no Congresso em abril, Psaki disse, "porque ele sente que é importante ser ousado, ambicioso e isso é exatamente o que ele é. Sinta que isso é onde nos estamos indo."

Mas com a Câmara dos Representantes entrando em um período de trabalho na quinta-feira e não retornando a Washington até junho, a aprovação da Lei George Floyd de Justiça Policial é quase impossível antes desse prazo. A câmara liderada pelos democratas aprovou a medida em março, mas ela nunca foi aprovada pelo Senado.

Homenagens no local onde Floyd foi morto
Foto: Matthew Hatcher/SOPA Images/LightRocket via Getty Images

A legislação inclui disposições para estabelecer um registro nacional de má conduta policial, a proibição de discriminação racial e religiosa pelas agências de aplicação da lei e a revisão da imunidade qualificada.

No início desta semana, um dos pontos-chave que restou foi a Seção 242, a lei federal que estabelece o padrão para processar criminalmente a polícia. Alguns democratas progressistas resistiram à ideia de qualquer compromisso em questões-chave como a Seção 242 e imunidade qualificada.

Betsy Klein, Maegan Vazquez e Jasmine Wright, da CNN, contribuíram para essa reportagem.

(Esse texto é uma tradução. Para ler o original, em inglês, clique aqui)