Insetos no menu: União Europeia dá sinal verde para consumo de larvas-da-farinha

A Agência Europeia de Segurança Alimentar (EFSA) em janeiro considerou a larva-da-farinha própria para consumo humano e em maio aprovou sua venda no mercado

Yiming Woo e Christian Levaux, da Reuters
31 de maio de 2021 às 15:04
Prato do chef Laurent Veyet utilizando larvas-da-farinha
Prato do chef Laurent Veyet utilizando larvas-da-farinha
Foto: SARAH MEYSSONNIER /REUTERS

O menu de degustação de Laurent Veyet não é para os fracos, mas pode apontar para o futuro da alimentação de uma população mundial em expansão: saladas de camarão com larvas-da-farinha amarela e insetos crocantes em camas de vegetais.

Veyet cultiva suas larvas-da-farinha no local, alimentando-as com mingau de aveia e vegetais. Elas morrem naturalmente dentro de quatro meses a um ano, momento em que são coletados para serem cozidas.

Enquanto o sol banha os terraços do restaurante ao ar livre reabertos em Paris, os pratos ornamentados de Veyet ganham acenos de aprovação e murmúrios de satisfação de sua clientela aventureira.

“É o prato ideal para quem vem pela primeira vez”, disse o chef parisiense, preparando uma porção de massa feita com farinha de larva-da-farinha, batata-doce e larvas de inseto salteadas. "Existem alguns sabores realmente interessantes. Muitas pessoas não poderiam dizer que não gostam disso".

A Agência Europeia de Segurança Alimentar (EFSA) em janeiro considerou a larva-da-farinha própria para consumo humano e em maio aprovou sua venda no mercado. A agência já apresentou mais de uma dúzia de solicitações de produtos alimentícios à base de insetos, incluindo grilos e gafanhotos.

Larvas-da-farinha, e insetos em geral, podem oferecer uma fonte de alimento sustentável e de baixa emissão de carbono para o futuro.

Jantando com as suas duas filhas, Soheil Ayari deu o seu aval: "Sinto-me como se estivesse num restaurante tradicional, mas a aparência do que como é diferente. E, honestamente, os sabores são muito semelhantes (à comida normal). A filha mais nova de Ayari foi igualmente positiva: "É amigo do ambiente e, além disso, é bom."

Embora a larva-da-farinha possa parecer um verme pouco apetitoso, na verdade é a larva do besouro escuro, rica em proteínas, gordura e fibras.

Um ingrediente surpreendentemente versátil, a larva-da-farinha pode ser usada inteira em curries ou saladas, ou moída para fazer massa de farinha, biscoitos ou pão.

"Os insetos são nutritivos", disse Stefan De Keersmaecker, porta-voz de saúde e segurança alimentar da Comissão Europeia,"eles podem realmente nos ajudar a mudar para uma dieta e um sistema alimentar mais saudáveis e sustentáveis".

Para a Veynet, o desafio é duplo: conquistar a opinião pública e aprender como combinar o gosto dos insetos com outros alimentos.

"É preciso encontrar os sabores certos, os acompanhamentos certos. Tudo isso é fascinante, qualquer chef dirá a mesma coisa", disse ele.