Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    34 pessoas são resgatadas após ficarem presas em bloco de gelo flutuante

    Um grande pedaço de gelo se quebrou e se afastou da costa no Wisconsin, nos EUA; todos foram retirados sem ferimentos

    Equipes trabalham no resgate de pessoas que ficaram presas em bloco de gelo
    Equipes trabalham no resgate de pessoas que ficaram presas em bloco de gelo Gabinete do Xerife do Condado de Brown (08.01.2022)

    Raja Razekda CNN

    Ouvir notícia

    Pelo menos 34 pessoas foram resgatadas no sábado (8) depois de ficarem presas em um grande pedaço de gelo flutuante na cidade Green Bay, Wisconsin, de acordo com o Gabinete do Xerife do Condado de Brown.

    Por volta das 10h15, o condado de Brown recebeu um relatório de que um grande pedaço de gelo havia se quebrado na costa de Point Comfort e que havia várias pessoas presas nele, de acordo com um comunicado à imprensa do escritório do xerife.

    Em menos de duas horas, todas as pessoas que estavam presas no bloco de gelo foram resgatadas sem ferimentos, de acordo com a nota.

    “Acredita-se que uma embarcação que atravessou a baía pouco antes da quebra do gelo pode ter contribuído para a desestabilização do gelo”, disse o gabinete.

    O pedaço de gelo flutuante estava a cerca de 1,6 quilômetro da costa ao final dos trabalhos, e flutuou pouco mais de 1 quilômetro durante o resgate.

    “Embora o pedaço de gelo tenha permanecido razoavelmente estável, sua condição estava se deteriorando rapidamente e quebrando à medida que a água do mar aberto ia batendo em sua borda”, acrescentou o gabinete.

    Shane Nelson disse a uma afiliada da CNN que ele e Robert Verhagen estavam pescando no gelo pela primeira vez quando ouviram um barulho alto.

    “Parecia que alguém disparou uma arma ali”, disse Nelson. “Achamos curioso, saímos da nossa barraca, olhamos e algumas pessoas gritavam que o gelo estava se separando.”

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Mais Recentes da CNN