Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    A crescente indústria de armas de Kiev permite projetar poder muito além das linhas de frente

    Ataque mais recente às instalações russas a cerca de 600 quilômetros de distância da linha de frente mostra capacidade ucraniana de projetar poder e é incentivo à moral das forças

    Trabalhadores em uma fábrica de drones para as Forças Armadas Ucranianas em 30 de agosto de 2023 em Kiev, na Ucrânia
    Trabalhadores em uma fábrica de drones para as Forças Armadas Ucranianas em 30 de agosto de 2023 em Kiev, na Ucrânia CNNi

    Tim Listerda CNN

    Nas primeiras horas de 29 de agosto, enxames de drones ucranianos voavam por sete regiões russas. Muitos foram interceptados; alguns não. Vários chegaram a uma base aérea russa em Pskov, a cerca de 600 quilômetros da fronteira com a Ucrânia, destruindo dois aviões de transporte militar russos e danificando outros dois.

    Foi a prova mais dramática até agora de uma nova dimensão para o conflito que dura 18 meses: o apetite crescente da Ucrânia em levar a guerra para território russo. Drones aéreos e marítimos, novos mísseis misteriosos e grupos de sabotagem fazem parte do kit de ferramentas; Aeródromos russos, defesas aéreas e transporte marítimo estão entre os alvos.

    A Ucrânia tem muitas razões para ampliar o conflito. Uma vitória é uma vitória onde e quando ocorrer – seja danificando aviões numa base aérea russa distante, perturbando a aviação comercial e o transporte marítimo, colocando os residentes das regiões fronteiriças russas em estado de alerta ou atingindo as defesas aéreas russas na Crimeia.

    Para os ucranianos que sofreram intermináveis ataques de drones e mísseis, a evidência de vingança (embora numa escala muito menor) é um bem-vindo incentivo à moral, especialmente quando a contraofensiva no sul ainda luta para ganhar força.

    O presidente Volodymr Zelensky não se desculpou por levar o conflito para solo russo, dizendo recentemente: “A guerra está retornando ao território da Rússia – aos seus centros simbólicos e bases militares, e este é um processo inevitável, natural e absolutamente justo”.

    Os ataques longe das atuais linhas de frente são também prova da evolução da capacidade ucraniana de projetar poder.

    Essa projeção, muito deliberadamente, não se baseia em hardware ocidental, mas em adaptações locais, tanto em termos de tecnologia como de táticas. O presidente Volodymyr Zelensky e o ministro da Defesa, Oleksiy Reznikov, garantiram repetidamente aos doadores ocidentais que as suas armas não serão usadas contra alvos dentro da Rússia; isso seria visto por Moscou como um ato de agressão que os tornaria parte no conflito.

    Esse ponto foi reiterado pelo conselheiro presidencial ucraniano e conselheiro do Chefe do Gabinete do Presidente, Mykhailo Podolyak, esta semana. “A Ucrânia cumpre estritamente a obrigação de não usar as armas dos seus parceiros para atacar o território russo”, disse ele.

    Em vez disso, a Ucrânia está avançando com a criação de uma indústria de armas que fornecerá tudo, desde munições de artilharia de 155 mm a drones de longo alcance e agora – ao que parece – um novo míssil de longo alcance.

    Um homem trabalha em uma fábrica de drones em Kiev, na Ucrânia / CNNi

    Funcionários do alto escalão ucraniano têm dado dicas sobre o desenvolvimento de um novo míssil de cruzeiro. Oleksii Danilov, secretário do Conselho Nacional de Segurança e Defesa da Ucrânia, postou um vídeo na semana passada do suposto míssil com a legenda: “O programa de mísseis do presidente da Ucrânia em ação. Os testes são bem sucedidos, o uso é eficaz”.

    Mais tarde falou de um programa de desenvolvimento de três anos, “para proporcionar uma distância de milhares de quilômetros, este é o trabalho de grandes equipes, um trabalho poderoso. Agora podemos dizer que temos um resultado”.

    O próprio Zelensky deixou uma nota enigmática, felicitando o Ministério das Indústrias Estratégicas com a mensagem: “Uso bem sucedido das nossas armas de longo alcance: o alvo foi atingido a 700 quilômetros de distância!”.

    E o Centro de Comunicação Estratégica da Ucrânia reforçou este ponto na sexta-feira (1º), dizendo no Telegram: “Tendo lançado uma agressão em grande escala, os russos contavam com a sua impunidade: que os combates seriam localizados na Ucrânia e que se sentiriam seguros na sua retaguarda”.

    “O aumento do alcance destrói a ilusão russa de segurança e aumenta o custo da agressão para o inimigo”, acrescentou.

    Esta é claramente uma parte em desenvolvimento da estratégia da Ucrânia. Podolyak disse: “A guerra está se deslocando cada vez mais para o território da Rússia e não pode ser interrompida. Isto é uma consequência da perda de componente da linha de frente (a Rússia há muito luta apenas em números e apenas na defesa, apesar de todos os mitos de propaganda) e da falta de sistemas realistas nas regiões (incluindo defesa aérea)”.

    No centro desta projeção de força está uma série de drones ucranianos – no ar e no mar. As últimas iterações têm maior alcance e maiores cargas úteis do que os modelos anteriores, graças ao que os ucranianos descrevem como uma busca global pela tecnologia de drones e contratos para vários fabricantes nacionais.

    Soldado ucraniano pilota um drone durante um treinamento militar enquanto a guerra Rússia-Ucrânia continua em Donetsk / Diego Herrera Carcedo/Agência Anadolu via Getty Images

    O ataque à base aérea de Pskov é fruto deste trabalho, embora a forma como foi executado seja um mistério. O chefe da Inteligência de Defesa Ucraniana, Kyrylo Budanov, disse que o ataque foi lançado de dentro da Rússia, mas se recusou a dizer que tipo de drones foram usados ou quantos.

    Esse pode ser o talento de Budanov para o jogo – destinado a semear confusão e desconfiança dentro da Rússia. É possível que os drones tenham sido lançados a partir de território ucraniano, mas um direcionamento preciso a uma distância de mais de 700 quilômetros exigiria uma mudança radical nas capacidades de navegação.

    Um blogger russo reclamou de que o ataque a Pskov indicava que as defesas aéreas russas não tinham se adaptado para se defenderem contra os repetidos ataques de drones ucranianos.

    O dano que está sendo causado não vai quebrar a espinha da força aérea russa, mas irritou bastante. Em 22 de agosto, pelo menos um bombardeiro estratégico Tu-22M foi incendiado na base aérea Soltsy-2, no norte da Rússia; então veio o ataque de Pskov.

    Tudo no mar

    A Ucrânia também investiu pesadamente no desenvolvimento de drones marítimos. Os últimos implantados carregam uma carga explosiva de até 400 kg, capaz de perfurar uma embarcação substancial e podem viajar centenas de quilômetros.

    No início de agosto, um deles atingiu o navio-tanque russo de gás e produtos químicos SIG perto do estreito de Kerch, imobilizando-o mas não afundando. Outro atingiu um navio da marinha russa no porto de Novosibirsk.

    Navio armado navega próximo à ponte da Crimeia que conecta o continente russo com a península através do Estreito de Kerch, na Crimeia, em 17 de julho. / Stringer/Reuters

    Os drones marítimos utilizados contra a navegação naval e mercante russa no Mar Negro proporcionam um impulso moral e complicam os cálculos russos. Alguns navios de guerra russos no Mar Negro montaram metralhadoras nos seus conveses para repelir armas difíceis de defender.

    Estes ataques obrigam a Rússia a dedicar algum tempo ao desenvolvimento de reação: Um exemplo recente são barcaças perto da ponte de Kerch para a Crimeia, num esforço para evitar que o país seja novamente atingido por drones marítimos após os ataques de julho e agosto.

    Como escreve Mick Ryan, autor do blog Futura Doctrina e ex-general das forças armadas australianas: “Com quase nenhuma probabilidade de desenvolver a sua própria frota naval convencional para combater os russos, os ucranianos desenvolveram capacidades não tripuladas. Embora ostensivamente concebidos para afundar ou danificar navios de guerra de superfície russos, também se destinam a ter o efeito psicológico de dissuadir os navios russos de irem ao mar”.

    Da mesma forma, as autoridades russas têm de dedicar as defesas aéreas que possam ser implantadas na Ucrânia à região de Moscou e a infraestruturas, como bases aéreas, que se tornaram um alvo frequente de ataques ucranianos. Relatórios de código aberto sugerem que existem pelo menos várias baterias de defesa aérea Pantsir-2 em torno de Moscou.

    O Instituto para o Estudo da Guerra observa que “as forças russas podem ter concentrado as suas defesas aéreas na cobertura de Moscou e, de alguma forma, não perceberam o número grande de drones ucranianos que alegadamente atingiram o campo de aviação de Pskov”.

    Os ucranianos também estão mais concentrados na degradação das ligações de transporte, das defesas aéreas e das bases russas na Crimeia anexada. No mês passado, realizaram um ataque com mísseis contra um dos modernos sistemas de defesa aérea S-400 da Rússia, na costa da Crimeia, seguido de um ataque de comando.

    A Ucrânia também investiu pesadamente no desenvolvimento de drones marítimos / CNNi

    Budanov disse posteriormente: “Temos a capacidade de atingir qualquer parte da [Crimeia] temporariamente ocupada agora. Podemos alcançar o inimigo em qualquer lugar”.

    Os ataques de maior alcance são uma extensão da estratégia utilizada com sucesso desde o ano passado para atingir centros logísticos, centros de comando e depósitos de munições/ou combustível russos muito atrás das linhas da frente.

    Sistemas ocidentais de maior alcance, como o HIMARS e, mais recentemente, o Storm Shadows, que com um alcance de 250 km têm sido críticos para esse esforço, em Kherson, Luhansk e Zaporizhzhia.

    Essas armas alertam as forças russas de que são vulneráveis longe das linhas de frente. Um ataque a um centro de comando russo na área ocupada de Berdiansk, em julho, matou um importante general russo; outro, em janeiro, destruiu um quartel em Donetsk, com perdas consideráveis de vidas.

    As operações com drones e mesmo o desenvolvimento de novos mísseis não determinarão o curso da guerra. O sucesso ou o fracasso dos ucranianos será determinado pela quantidade de território recuperado da ocupação russa e pela capacidade de dissuadir novas agressões. Essa contraofensiva faz, na melhor das hipóteses, progressos marginais.

    Mas as operações de ataque de longo alcance têm o seu valor. Mick Ryan afirma que tais operações “só crescerão em importância e visibilidade. É uma forma de continuar lutando quando as manobras no solo se tornam difíceis na estação chuvosa e fria. E é uma forma de projetar o progresso na guerra aos apoiadores da Ucrânia durante um período de ritmo lento em outras operações”.

    O porta-voz da Força Aérea Ucraniana, Yuriy Inhat, diz que a Rússia deve esperar por mais.

    “Você pode ver a histeria no público russo, nos canais de propaganda russos. Eles realmente não gostam do que está acontecendo. Mas o que eles queriam?”, ele disse sexta-feira.

    Mykhailo Podolyak diz que o objetivo a longo prazo é infligir uma guerra mais ampla à Rússia. “Enquanto Putin permanecer presidente, a guerra continuará. Puxando a Rússia cada vez mais para o abismo do caos”.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original