Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    A estratégia de Biden com Putin está sendo elaborada há décadas

    Presidente americano busca manter união internacional contra o líder russo e evitar a escalada de tensão entre Washington e Moscou

    da CNN

    Joe Biden sempre diz que as relações externas são sobre relacionamentos, e ele está desenvolvendo a sua com Vladimir Putin há duas décadas.

    Biden alertou que Putin sonhava em reconstruir um império autoritário desde seus dias como senador de Delaware. Durante a campanha, disse repetidamente que sabia que Putin não queria que ele ganhasse.

    Desde o início de seu mandato como presidente, Biden confiou no senso do líder russo para orientar sua própria resposta. Até orientou a maneira como Biden lida com Putin em suas conversas, interrompendo repetidamente o que ele e seus assessores veem como a estratégia do presidente russo de sair pela tangente destinada a atrapalhar.

    De acordo com uma dúzia de entrevistas com funcionários da Casa Branca, membros do Congresso e outros envolvidos no esforço, Biden trabalhou deliberadamente com aliados no exterior para negar ao líder russo um confronto pessoal entre Washington e Moscou que o presidente e seus assessores acham que Putin deseja.

    Falando publicamente e privadamente sobre a guerra como uma luta pela liberdade e democracia, Biden deixou outros líderes para conversar com Putin.

    Ele se moveu para despolitizar a oposição à invasão da Ucrânia, de modo que, mesmo entre os republicanos, o apoio a Putin foi forçado à margem, de modo que difamar o líder russo se tornou a principal área de acordo bipartidário desde que Biden assumiu o poder.

    Esta semana, Biden ampliou sua retórica chamando o presidente russo de “criminoso de guerra”, ” ditador assassino” e “bandido puro”.

    “O que Putin está tentando fazer é cercar Kiev”, disse o deputado Greg Meeks, democrata presidente do Comitê de Relações Exteriores da Câmara. “O que Biden está tentando fazer é ter o mundo inteiro cercando Putin”.

    Parte da lição que Biden tirou ao se envolver como vice-presidente durante a invasão da Crimeia por Putin em 2014 foi que as nações da Otan precisariam de uma resposta muito mais rápida, humilhante e coesa do que os meses de luta interna produziram sanções tão fracas que Putin as enfrentou.

    No entanto, funcionários do governo admitem em particular que, se Putin tivesse invadido a Ucrânia há um ano, os eventos poderiam ter se desenrolado de maneira muito diferente após quatro anos de relacionamentos prejudiciais do ex-presidente Donald Trump, que chamou a Otan de obsoleta.

    Em campanha em 2020, Biden falou sobre o confronto. “Putin tem um objetivo primordial: quebrar a Otan, enfraquecer a aliança ocidental e diminuir ainda mais nossa capacidade de competir no Pacífico, trabalhando com a China”, disse Biden à Gloria Borger, da CNN. “E isso não vai acontecer no meu mandato”.

    A última conversa de Biden com Putin foi em 12 de fevereiro, mais de uma semana antes do início da invasão. E as sanções e a resposta internacional são resultado da orientação e pressão de Washington.

    Joe Biden em chamada telefônica com Vladimir Putin. / Casa Branca / Reprodução

    O resultado é Putin sendo isolado em mais do que Biden esperava, juntamente com um nível sustentado de atenção à guerra no exterior e nos Estados Unidos que surpreendeu os assessores da Casa Branca – sem reiniciar uma Guerra Fria no estilo dos anos 80.

    “Joe Biden conhece Vladimir Putin há décadas e sabe exatamente com quem está lidando”, disse um alto funcionário do governo.

    Isolamento de Putin

    Sempre que eles conversavam, Biden interrompia Putin enquanto o presidente russo lançava reclamações que as autoridades americanas veem como uma tática projetada para distrair.

    Não, diria Biden, não é disso que estamos falando, de acordo com um alto funcionário do governo que testemunhou essas conversas. Ou, não, não foi assim que as coisas aconteceram 20 ou 25 anos atrás, em qualquer queixa passada que Putin estava trazendo para justificar seu comportamento.

    “O presidente Putin não pode usar muitos de seus truques comuns com o presidente Biden, como tentar confundir as pessoas indo por longas tangentes históricas ou entrando nas minúcias das políticas porque Biden vê essas táticas chegando a um quilômetro de distância e não aceita. Ele tentará tirar o presidente Biden do assunto citando uma seção obscura dos acordos de Minsk ou um discurso que alguém fez no final dos anos 1990”, disse um alto funcionário do governo, acrescentando que Biden “sempre conduzirá a conversa diretamente de volta para o que ele veio falar.”

    Biden sempre contou a história de um encontro com Putin no Kremlin em 2011, quando era vice-presidente, e disse ao líder russo: “Estou olhando nos seus olhos e acho que você não tem alma” – um resposta aos comentários infames de 2001 do presidente George Bush, que disse considerar Putin “muito direto e confiável” ao olhá-lo nos olhos.

    Vladimir Putin, presidente da Rússia
    Vladimir Putin, presidente da Rússia / Reprodução/ CNN Brasil

    Um funcionário do governo Biden, por outro lado, enviou à CNN destaques da história de Biden sobre o assunto ao longo dos anos, desde chamar Putin de “valentão” em 2006 a chamá-lo de “cleptomaníaco” em 2019.

    Um assessor da Casa Branca que estava em uma reunião apressada do Conselho de Segurança Nacional em 10 de fevereiro disse que o senso de Putin de Biden estava em exibição ao longo de como ele conduziu a conversa em que a avaliação da Casa Branca de uma invasão passou de uma possibilidade para uma quase certeza.

    “Ele foi claro e claro naquela reunião que acreditava que Putin faria isso”, disse o assessor. “Ele falou com a experiência de alguém que conhece Putin e lidou com Putin.”

    A importância da unidade

    Biden acha que não seria capaz de manter os níveis atuais de unidade – nos EUA e em todo o mundo – se Putin provocasse o tipo de colapso partidário que fez em 2014, quando muitos dos principais republicanos falaram com admiração de sua força e liderança porque ele estava enfrentando Barack Obama.

    O atual presidente americano não – como alguns de seu partido querem – foi atrás de Trump, levantou o ataque às eleições de 2016 ou atacou os republicanos por votarem contra o primeiro impeachment do ex-presidente quando Trump optou por reter de ajuda militar à Ucrânia.

    “A crise na Ucrânia está esclarecendo o que estava em jogo naquela época, e deve haver responsabilidade por isso”, disse o deputado Sean Maloney, democrata na Câmara. “Não acho que faça sentido fazer política com uma guerra. Acho que faz sentido ser uma voz moral para o que é certo e o que é errado – e tenho orgulho de pertencer a um partido, e temos um presidente, que conhece os mocinhos e os bandidos na Ucrânia”.

    Essa mensagem não virá do próprio presidente. “Putin queria nos dividir. Estamos unidos. É importante enviar esse sinal ao mundo”, disse o assessor da Casa Branca.

    A maioria dos republicanos – com algumas exceções notáveis, incluindo a clara luta de Trump para tentar apagar a memória de que sua primeira resposta à invasão foi chamar Putin de “inteligente” e “esperto” – não atacaram Biden, apesar de muitas diferenças sobre os detalhes da resposta do presidente.

    Os republicanos, no entanto, não estão convencidos da outra parte da estratégia de Biden: chamar a inflação de “aumento de preço de Putin” e “imposto de gás de Putin” como uma tentativa de apaziguar os eleitores.

    “Estes não são os preços do gás de Putin. São os preços do gás do presidente Biden”, disse o líder da minoria na Câmara, Kevin McCarthy, na semana passada. O líder da minoria no Senado, Mitch McConnell, acrescentou: “Está bem claro que Vladimir Putin não é a causa dessa inflação desenfreada”.

    Assessores da Casa Branca estão rastreando todos os republicanos na Câmara e no Senado que pedem sanções energéticas mais duras contra a Rússia – preparando-se para tentar prejudicá-los como hipócritas se reclamarem dos preços mais altos do gás na campanha eleitoral neste outono. Mas, ao mesmo tempo, o próprio Biden mantém o contato com os legisladores republicanos.

    Putin acompanha o que Biden vem fazendo e dizendo sobre ele há anos. Isso inclui comentaristas russos amigáveis ​​reclamando em 2009 que Biden era um “cardeal cinza” secretamente orquestrando uma resposta dura do governo Obama à liderança de Putin depois que o então vice-presidente disse que a Rússia estava mancando, ou um porta-voz do Kremlin dizendo que a observação criminosa de guerra de Biden era “inaceitável e imperdoável”.

    Mesmo que Biden tenha intensificado o que vem dizendo sobre Putin, há apenas até onde ele pode ir antes de causar a escalada que está tentando evitar.

    “Dói para ele ver a devastação na Ucrânia, e seria fácil dizer: ‘Esse cara é malvado e vamos atrás dele e vamos pegá-lo'”, disse Meeks. “A questão é: isso é a coisa certa? Porque então você está falando sobre a Terceira Guerra Mundial”.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original