Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    “Ação maligna”: Coreia do Norte pede ajuda internacional contra plano do Japão de jogar água radioativa de Fukushima no mar

    Declaração de Pyongyang é a mais recente de uma série de preocupações expressas por países vizinhos, incluindo Coreia do Sul, China e ilhas do Pacífico

    Vista aérea dos tanques de armazenamento de água da usina nuclear de Fukushima, no Japão.
    Vista aérea dos tanques de armazenamento de água da usina nuclear de Fukushima, no Japão. Kyodo/Reuters (13.fev.2021)

    Jake Kwonda CNN

    A Coreia do Norte pediu no domingo (9) à comunidade internacional que interrompa o despejo planejado pelo Japão de águas residuais tratadas da usina nuclear de Fukushima no oceano.

    “A justa comunidade internacional não deve sentar e assistir à ação maligna, anti-humanitária e beligerante da força corrupta que tenta perturbar o lar da humanidade no planeta azul, e deve se unir para detê-los e destruí-los completamente”, disse o Departamento de Proteção da Terra e do Meio Ambiente do país.

    A declaração surge na sequência do relatório da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA), que considerou que o plano do Japão de despejar águas residuais tratadas de Fukushima estava em conformidade com as normas internacionais de segurança ambiental.

    O Japão planeja despejar os resíduos ainda durante o verão no Hemisfério Norte.

    A declaração de Pyongyang é a mais recente de uma série de preocupações expressas por países vizinhos, incluindo Coreia do Sul, China e ilhas do Pacífico, todos os quais expressaram temores de possíveis danos ao meio ambiente e à saúde pública.

    As autoridades alfandegárias chinesas anunciaram na sexta-feira (7) que a proibição de importação de alimentos de 10 províncias japonesas, incluindo Fukushima, será mantida e que fortalecerá as inspeções para controlar a presença de “substâncias radioativas, a fim de garantir a segurança das importações de alimentos japoneses para a China”.

    A aprovação da ONU fez pouco para tranquilizar os pescadores e moradores ainda afetados pelo desastre de 2011.

    Em uma entrevista recente à CNN em Tóquio, o diretor-geral da AIEA, Rafael Grossi, disse que se reuniu com grupos de pescadores japoneses e prefeitos locais e reconheceu seus temores.

    “Minha disposição é ouvir e explicar de uma forma que aborde todas essas preocupações que eles têm”, disse ele.

    “Quando você visita Fukushima, é impressionante, eu diria até sinistro, ver todos aqueles tanques, mais de um milhão de toneladas de água contendo radionuclídeos, e imaginar que tudo isso vai ser jogado no oceano. Muitas coisas surgem, medos, e você tem que levá-los a sério, abordá-los e explicá-los.”

    A AIEA disse que não havia melhor opção para lidar com o acúmulo maciço de resíduos coletado desde o desastre.

    “Estamos estudando essa política básica há mais de dois anos. Nós a avaliamos de acordo com os padrões mais rígidos que existem”, disse Grossi. “E estamos bastante confiantes no que dizemos e no esquema que propusemos.”

    O desastre de 2011 fez com que os núcleos do reator da usina superaquecessem e contaminassem a água da instalação com material altamente radioativo.

    Desde então, nova água foi bombeada para resfriar o combustível remanescente dos reatores. Águas subterrâneas e pluviais também vazaram, criando mais águas residuais radioativas que agora totalizam 1,32 milhão de toneladas métricas, o suficiente para encher mais de 500 piscinas olímpicas.

    “Medida necessária”

    As autoridades japonesas sustentam que o escoamento é necessário, já que o espaço para conter o material contaminado está acabando, e a medida permitiria o desmantelamento total da usina nuclear de Fukushima.

    Cientistas internacionais expressaram preocupação à CNN, dizendo que não há evidências suficientes para a segurança a longo prazo e argumentando que a liberação poderia fazer com que o trítio – um isótopo de hidrogênio radioativo que não pode ser removido das águas residuais – se acumule gradualmente nos ecossistemas marinhos e nas cadeias alimentares, um processo chamado bioacumulação.

    Este conteúdo foi criado originalmente em espanhol.

    versão original