Agência reguladora da Colômbia aprova vacina da Pfizer para uso emergencial

Governo colombiano anunciou que pretende vacinar 35,7 milhões de seus cerca de 50 milhões de habitantes

Por Luis Jaime Acosta,

da Reuters

Ouvir notícia

 

A agência reguladora de alimentos e medicamentos da Colômbia autorizou, nesta terça-feira (5), o uso emergencial da vacina contra a Covid-19 da Pfizer e da BioNTech. A informação foi divulgada pelo presidente Iván Duque.

A vacina Pfizer-BioNTech, que apresentou uma taxa de eficácia de 95%, foi formalmente aprovada pelo Instituto Nacional de Vigilância de Alimentos e Medicamentos (Invima).

Leia também:
Aprovação da OMS à vacina da Pfizer deve baratear o imunizante
Atraso na vacinação aumenta riscos para retomada econômica no Brasil

Profissional de saúde aplica vacina Pfizer/BioNTech contra Covid-19 na França
Profissional de saúde aplica vacina Pfizer/BioNTech contra Covid-19 em paciente em hospital em Nanterre, na França
Foto: Benoit Tessier/Reuters (5.jan.2020)

“Esse é um passo muito importante”, disse Duque em uma transmissão ao vivo, acrescentando que a aprovação para a vacina foi dada em tempo recorde.

O país agora aguarda a aprovação das vacinas produzidas pela AstraZeneca/ Universidade de Oxford e pela unidade farmacêutica Janssen da Johnson & Johnson, acrescentou Duque.

Pacientes com 60 anos ou mais, ou com comorbidades como asma e diabetes, estarão entre os primeiros na fila de vacinas, assim como profissionais de saúde.

A Colômbia concordou em comprar 10 milhões de doses de cada uma das vacinas Pfizer-BioNTech e AstraZeneca, bem como 9 milhões da Janssen. O país também garantiu 20 milhões de doses de vacina por meio do mecanismo COVAX apoiado pela Organização Mundial da Saúde.

O país receberá a primeira entrega de 1,7 milhão de doses da vacina Pfizer-BioNTech em fevereiro, com a vacinação começando imediatamente, segundo o ministro da Saúde.

A Colômbia, que relatou 1,7 milhão de infecções por coronavírus e 44.426 mortes pela Covid-19, pretende vacinar 35,7 milhões de seus cerca de 50 milhões de habitantes. 

Mais Recentes da CNN