Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Alegações de crimes de guerra são “fabricação”, diz embaixador russo no Reino Unido

    Andrei Kelin negou que as forças russas estivessem bombardeando civis em entrevista à BBC neste domingo (29)

    Embaixador da Rússia no Reino Unido Andrei Kelin durante entrevista
    Embaixador da Rússia no Reino Unido Andrei Kelin durante entrevista Aaron Chown/PA Images/Getty Images

    Manveena Surida CNN

    em Nova Délhi

    Alegações de crimes de guerra na cidade ucraniana de Bucha são uma “fabricação”, afirmou o embaixador da Rússia no Reino Unido neste domingo (29).

    Andrei Kelin fez os comentários durante uma entrevista no programa “Sunday Morning”, da BBC, e negou que as forças russas estivessem bombardeando civis.

    “O prefeito de Bucha em sua declaração inicial confirmou que as tropas russas foram embora, tudo está limpo e calmo, a cidade em estado normal. Nada está acontecendo, não há corpos nas ruas”, disse Kelin.

    A ocupação russa de um mês de Bucha e outros distritos ao redor de Kiev resultou em centenas de mortes, com suas tropas recuando no final de março depois de não conseguir cercar a capital.

    Moscou se recusou a aceitar a responsabilidade pelas atrocidades, alegando repetidamente que os relatos de assassinatos indiscriminados, valas comuns, desaparecimentos e saques são falsos.

    Quando questionado se as provas foram inventadas, Kelin respondeu: “A nosso ver, é uma invenção. É usado apenas para interromper as negociações”.

    Mantendo que a invasão da Rússia foi uma “operação limitada” e não uma guerra, Kelin disse: “Posso garantir que não é nossa ideia matar civis”.

    Ele acrescentou que os militares russos estavam apenas visando a infraestrutura militar para “diminuir as capacidades ucranianas”.

    Kelin continuou dizendo que não acredita que a Rússia usará armas nucleares táticas na guerra contra a Ucrânia.

    A Rússia tem disposições muito rígidas para seu uso, segundo Kelin, acrescentando que são usadas “principalmente quando a existência do Estado está em perigo”.

    “Não tem nada a ver com a operação atual”, disse ele.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original