Laboratórios de França e Suécia confirmaram envenenamento de opositor de Putin

Porta-voz do governo alemão afirma que amostras foram enviadas à Organização para a Prevenção de Armas Químicas e cobra, mais uma vez, explicações da Rússia

Líder opositor Alexei Navalny discursa em Moscou; Alemanha diz que Suécia e França confirmaram envenenamento com agente químico da era soviética
Líder opositor Alexei Navalny discursa em Moscou; Alemanha diz que Suécia e França confirmaram envenenamento com agente químico da era soviética Foto: Shamil Zhumatov - 29.set.2019 / Reuters

Reuters

Ouvir notícia

Laboratórios na Suécia e na França confirmaram independentemente que o opositor russo Alexei Navalny foi envenenado com o agente químico soviético Novichok, disse o governo alemão nesta segunda-feira (14).

Steffen Seibert, porta-voz do governo, disse que amostras retiradas do político, que atualmente está sendo tratado em Berlim, também foram enviadas à Organização para a Prevenção de Armas Químicas (Opaq) em Haia para testes em seus laboratórios.

Os médicos do Exército no hospital Charite de Berlim, para onde Navalny foi levado após passar mal em um voo na Sibéria, no mês passado, foram os primeiros a dizer que ele havia sido envenenado com Novichok. Navalny acordou do coma na semana passada.

Assista e leia também:

Opositor de Putin sai de coma induzido, diz hospital de Berlim

Trump diz que se dá bem com Putin e que não viu prova de envenenamento de rival

Envenenamento de opositor de Putin gera questões que podem ficar sem respostas

“Independentemente das investigações da Opaq, três laboratórios já identificaram um agente nervoso militar como a causa do envenenamento de Navalny”, disse Seibert.

A Rússia afirma não ter visto nenhuma evidência de que Navalny foi envenenado.

O envenenamento elevou as tensões entre a Rússia e a Alemanha a novos níveis, alimentando os apelos para que o gasoduto Nord Stream 2, um projeto-chave do Kremlin para levar gás russo direto para a Alemanha sob o Mar Báltico, seja descartado.

“Renovamos nosso apelo para que a Rússia explique esses eventos”, disse Seibert nesta segunda-feira.

Mais Recentes da CNN