Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Aliança da Otan está em risco por causa da guerra na Ucrânia, dizem autoridades

    Guerra criou uma “nova realidade” para os aliados da Otan, disse um funcionário das operações militares da aliança

    Tropas da Otan fazem exercícios na Noruega desde início da segunda semana de março (Photo by NATO / POOL/Anadolu Agency via Getty Images)
    Tropas da Otan fazem exercícios na Noruega desde início da segunda semana de março (Photo by NATO / POOL/Anadolu Agency via Getty Images) Anadolu Agency via Getty Images

    Ellie Kaufmanda CNNBarbara Starrda CNN*

    A guerra do presidente russo, Vladimir Putin, na Ucrânia, colocou a aliança da Otan e seus países membros “em risco absoluto”, disse um funcionário do Quartel-General Supremo das Potências Aliadas na Europa (Shape) a repórteres nesta quarta-feira (23), um mês após a invasão da Ucrânia por Putin.

    O funcionário chamou Putin de “imprudente” e disse que ele e seu círculo íntimo “não se importam com a vida humana”.

    “Da Rússia, percebemos que Putin e seu círculo próximo são pessoas absolutamente imprudentes. Eles não se importam com a vida humana. Eles mentem publicamente para esconder suas operações militares. Putin mudou totalmente seu discurso em relação ao Ocidente e tem um profundo ódio por nossas sociedades, por nossos valores, então realmente avaliamos que ele é perigoso e que a aliança está absolutamente em risco”, disse o funcionário nesta quarta-feira (23).

    Shape é a sede das operações militares da aliança da Otan na Europa. Está localizada em Bruxelas, Bélgica. Dois funcionários do Shape informaram os repórteres sobre a postura militar da Otan e como eles estão respondendo à invasão da Ucrânia por Putin.

    O briefing ocorre antes da viagem do presidente dos EUA, Joe Biden, à sede da Otan em Bruxelas para se reunir com os líderes dos países aliados da Otan enquanto a crise na Ucrânia continua.

    A guerra criou uma “nova realidade” para os aliados da Otan, disse outro funcionário do Shape, ecoando as palavras do secretário-geral Jens Stoltenberg em uma entrevista coletiva hoje.

    “Você acabou de ouvir SecGen, e ele disse que é uma nova realidade e devemos redefinir nossa defesa e nossa postura de dissuasão”, disse o outro funcionário do Shape.

    “Esta é uma mudança permanente e profunda no ambiente de segurança europeu, e a SecGen disse a mesma coisa.”

    As autoridades disseram que é muito cedo para prever como a Otan mudará permanentemente sua postura de força militar em toda a Europa por causa das ações de Putin, mas falaram sobre como a postura mudou até agora para reforçar o flanco leste, onde os países aliados da Otan fazem fronteira com a Ucrânia, e para garantir que estejam preparados para qualquer cenário que a guerra na Ucrânia possa causar aos países da Otan.

    Como a Força de Resposta da Otan foi ativada pela primeira vez na história, “40 mil soldados” nos países aliados da Otan ao longo do flanco leste estão agora trabalhando para a “segurança coletiva, defesa coletiva” de todos os países da Otan, não apenas para suas próprias nações.

    Existem oito grupos de batalha, um em cada país do Leste Europeu, que fazem parte desta ativação da Força de Resposta da Otan, disse o segundo funcionário do Shape.

    Este é um “aumento de dez vezes” do que havia antes da invasão da Ucrânia, acrescentou o funcionário.

    “No domínio terrestre, nas forças terrestres, existem agora 40 mil soldados nesses oito grupos de batalha, que estão em cada país ao longo do flanco leste, o que é um aumento de dez vezes em relação ao que havia antes da invasão da Rússia”, disse um dos funcionários.

    No ar, há “mais de 100 aviões adicionais”, continuou.

    “Sempre fazemos o que chamamos de policiamento aéreo”, disse o oficial, mas agora, após o início da invasão, eles têm oito aeronaves voando para dar à aliança “presença aérea 24 horas por dia, 7 dias por semana no flanco leste”.

    Nas águas ao redor dos países aliados da Otan, a aliança tem “25 navios em determinado momento que estão patrulhando as águas fornecendo dissuasão de 360 ​​graus”, disse o funcionário.

    “Além disso, normalmente há cerca de 150 navios de nações da Otan que também estão cruzando as águas e podem se movimentar para frente e para trás sob o comando e controle da Otan”, acrescentou o funcionário.

    Embora seja muito cedo para dizer quais serão as mudanças permanentes na postura da força militar da Otan por causa da invasão de Putin, o funcionário disse que a atual postura da força “no mínimo” é um bom “ponto de partida” de como as coisas podem parecer a longo prazo.

    “Estamos nos preparando para o pior, mas fazendo tudo o que podemos para que o pior não aconteça”, disse o primeiro funcionário.

     

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original