Âmbar conserva o comportamento raro de uma planta em espécie extinta de pinha

A germinação precoce em pinhas é tão rara que apenas um exemplo natural dessa condição, em 1965, foi descrito na literatura científica

Pinha demonstrou comportamento raro em plantas
Pinha demonstrou comportamento raro em plantas George Poinar Jr.

Katie Huntda CNN

Ouvir notícia

A primeira evidência fóssil de uma pinha germinando sementes foi preservada em âmbar por 40 milhões de anos.

A germinação da semente normalmente ocorre no solo após a queda da semente, mas vários caules embrionários foram capturados emergindo da antiga pinha em um raro feito botânico conhecido como germinação precoce, ou viviparidade, em que as sementes brotam antes de deixar o fruto.

“Isso é parte do que torna esta descoberta tão intrigante, além de ser o primeiro registro fóssil de viviparidade de planta envolvendo a germinação de sementes”, disse George Poinar Jr., paleobiólogo do Oregon State College of Science e autor de um estudo sobre a descoberta, em um comunicado à imprensa.

“Acho fascinante que as sementes desta pequena pinha possam começar a germinar dentro da pinha e os rebentos possam crescer tão longe antes de perecerem na resina.”

A germinação precoce em pinhas é tão rara que apenas um exemplo natural dessa condição, em 1965, foi descrito na literatura científica, disse Poinar no comunicado.

Quando a germinação das sementes ocorre dentro das plantas, tende a ser em coisas como frutas – pense no pimentão que às vezes você vê quando abre um pimentão – mas é raro em gimnospermas como coníferas que produzem “nuas” ou não sementes fechadas.

A pinha fossilizada é de uma espécie extinta de pinheiro chamada Pinus cembrifolia. Preservada em âmbar do Báltico, aglomerados de agulhas são visíveis, alguns em feixes de cinco.

Algumas das descobertas mais extraordinárias da paleontologia nos últimos anos vieram do âmbar: uma cauda de dinossauro, partes de pássaros primitivos, insetos, lagartos e flores foram encontrados enterrados em globos de resina de árvore que datam de milhões de anos.

As vívidas criaturas e plantas parecem que morreram ontem, e muitas vezes são primorosamente preservadas com detalhes que de outra forma seriam perdidos no esmagamento de fósseis formados na rocha.

Com base em sua posição, parte do crescimento dos caules, se não a maioria, ocorreu depois que a pinha entrou em contato com a resina pegajosa da árvore, disse Poinar. A pesquisa foi publicada na revista Historical Biology na semana passada.

Poinar trabalhou em fósseis de âmbar por décadas, descobrindo pela primeira vez em um estudo de 1982 que o âmbar poderia preservar estruturas intracelulares em um organismo preso em seu interior.

Seu trabalho inspirou a ciência ficcional na franquia de livros e filmes “Jurassic Park”, onde o DNA é extraído do sangue de dinossauro dentro de um mosquito preso em âmbar para recriar as criaturas pré-históricas.

Texto traduzido. Leia o original em inglês.

Mais Recentes da CNN