Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Análise: calor extremo no Reino Unido revela despreparo diante da crise climática

    Temperaturas no Reino Unido ultrapassaram 40°C pela primeira vez na terça-feira (19)

    Reino Unido registra recordes de temperatura
    Reino Unido registra recordes de temperatura Foto: Vuk Valcic/SOPA Images/LightRocket via Getty Images

    Angela Dewanda CNN*

    Ondas de calor em vários continentes bateram recordes, ameaçaram a saúde pública e prejudicaram a infraestrutura, no que os cientistas dizem ser sinais do impacto da crise climática do dia a dia.

    Os norte-americanos estão acostumados a ligar seus aparelhos de ar condicionado a qualquer momento em temperaturas próximas a 27°C. Mas no Reino Unido, o calor recorde desta semana trouxe a vida a uma paralisação pandêmica.

    As temperaturas no Reino Unido ultrapassaram 40°C pela primeira vez na terça-feira (19), tornando-se o dia mais quente já registrado no país.

    Nos Estados Unidos, um terço da população estava sob alertas climáticos relacionados ao calor na terça e quarta-feira (20), com temperaturas previstas para subir a cerca de 43°C nos estados das planícies.

    Olhando para a causa desses extremos de calor nos Estados Unidos e na Europa, existem diferentes sistemas em jogo.

    Na Europa, uma forte crista de alta pressão permitiu que as temperaturas aumentassem no continente nos últimos dias. Na terça-feira, uma área de baixa pressão estava se movendo ao largo da costa, agindo para ajudar a canalizar o calor extremo para o Norte para o Reino Unido.

    Nos EUA, uma forte cúpula de alta pressão se instalou sobre as Planícies do Sul e o Vale do Mississippi. Em vez de o calor ser canalizado do Sul, ele está crescendo ininterruptamente à medida que o sol se aquece através do céu sem nuvens.

    O tecido de conexão entre essas ondas de calor é a influência das emissões de gases de efeito estufa e a temperatura de base cada vez mais quente do planeta.

    O cientista-chefe do Met Office do Reino Unido, Stephen Belcher, estava em estado de descrença ao fazer uma declaração em vídeo sobre as temperaturas chocantes que o país registrou na terça-feira, observando que seria “praticamente impossível” o Reino Unido em um “clima ininterrupto”.

    “Mas as mudanças climáticas causadas pelos gases de efeito estufa tornaram essas temperaturas possíveis, e estamos realmente vendo essa possibilidade agora”, disse ele, acrescentando que se o mundo continuar emitindo gases de efeito estufa no nível em que está agora, essas ondas de calor provavelmente ocorrerão lá a cada três anos.

    Quarenta graus Celsius não são tão quentes para alguém sentado no centro dos EUA, na Austrália, no Oriente Médio ou no Norte da Índia. No Reino Unido, o calor forçou o trabalho em casa e o ensino remoto. As autoridades disseram às pessoas para não pegarem trens, que se tornam perigosos em trilhos quentes que se expandem e dobram com o calor.

    Em outras palavras, não saia de casa.

    Mas no Reino Unido, que é mais propenso a lutar com o frio do que com o calor, as casas também são projetadas para manter o calor. Ventiladores de mesa estão se esgotando em todo o país, mas eles têm eficácia limitada.

    O clima deixou os britânicos tão incomodados que a má gestão do calor tornou-se a última crítica lançada ao primeiro-ministro Boris Johnson – considerada mais um exemplo dos fracassos do líder desonrado.

    “O recorde de temperatura de todos os tempos para o Reino Unido não foi apenas quebrado, foi absolutamente obliterado”, disse Hannah Cloke, pesquisadora de riscos naturais da Universidade de Reading. “A marca de 39 graus Celsius nunca existirá como um recorde de temperatura no Reino Unido, porque acabamos de passar dos 40 graus em um único salto suado”.

    O Reino Unido está lamentavelmente despreparado para os impactos da crise climática. Ele se esforça para gerenciar as inundações quando elas ocorrem. No calor, a nação cede.

    Tantos incêndios começaram em Londres na terça-feira que os bombeiros da cidade declararam um “incidente grave” e foram sobrecarregados além de sua capacidade. Quatro pessoas se afogaram enquanto as pessoas se aglomeravam em praias, rios e lagos apenas para tentar se refrescar. Até mesmo uma pista em um aeroporto nos arredores de Londres teve que ser fechada porque derreteu com o calor.

    No Sul da Europa, uma região mais acostumada ao calor extremo, pelo menos 1.100 pessoas morreram na última onda de calor, e os bombeiros franceses estão sobrecarregados com as chamas que devastam as florestas. Ao menos 21 nações europeias estão sob alertas relacionados ao calor.

    Os norte-americanos podem estar mais acostumados ao calor, mas as ondas de calor estão ficando mais longas e frequentes também, o que significa mais tempo dentro de casa, ou onde quer que o ar condicionado esteja. Nada menos que 100 milhões de norte-americanos – quase um terço da nação – estavam sob alertas de calor na terça-feira.

    Os alertas vão das planícies do Sul até os vales dos rios Mississippi e Tennessee, e há alertas espalhados pelo Sudoeste. O Nordeste já emitiu avisos de calor para a “sensação” de 37,8°C para quarta-feira.

    O calor mais perigoso está previsto em partes do Texas, Oklahoma e Arkansas, onde os avisos de calor excessivo estão em vigor para Dallas, Oklahoma City, Tulsa e Little Rock. Espera-se que as temperaturas subam para até 43°C nos próximos dias.

    Cientistas que trabalham sobre o papel que a crise climática está desempenhando no clima extremo agora dizem que quase todas as ondas de calor do mundo são influenciadas por seres humanos que queimam combustíveis fósseis.

    Friederike Otto, do Instituto Grantham para Mudanças Climáticas do Imperial College de Londres, disse que cabe ao mundo atingir o zero líquido – onde os humanos emitem o mínimo possível de gases de efeito estufa e “compensam” o resto – para impedir que as ondas de calor se tornem ainda piores, “mortais e perturbadoras”.

    “Temos a ação para nos tornar menos vulneráveis ​​e redesenhar nossas cidades, casas, escolas e hospitais e nos educar sobre como nos manter seguros”, disse Otto à CNN. “40 graus Celsius no Reino Unido não é um ato de Deus, mas em grande parte devido à nossa queima de combustíveis fósseis no passado e no presente”.

    Na China, o “sanfu” anual – que geralmente é de três lotes de 10 dias em julho e agosto, quando as temperaturas e a umidade atingem o pico – agora está previsto para durar um “período estendido” de 40 dias, disse o meteorologista estadual, segundo a Reuters.

    Ele alertou para ondas de calor escaldante nesta semana, apesar das chuvas sazonais, com as temperaturas provavelmente subindo até 42°C no Sul a partir de quarta-feira.

    No centro de Londres, na terça-feira, um estudante chamado Asser, que enfrentou o calor, disse à CNN que o mundo não estava fazendo o suficiente para combater as ondas de calor.

    “Na verdade, o mundo não está fazendo nada. O mundo está queimando e não estamos fazendo nada a respeito. Estamos apenas consumindo, a indústria está funcionando e ninguém está fazendo nada pelo clima”, disse.

    “Você tem ondas de calor na Europa, Londres e Estados Unidos, em todos os lugares – você pode ver, é óbvio. Você tem inundações e incêndios florestais e tudo mais”.

    *Angela Dewan é editora internacional de Clima da CNN, em Londres.

    Sana Noor Haq, Angela Fritz, Brandon Miller e Nada Bashir, da CNN, contribuíram para esta reportagem.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original