Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Análise: Europa está tensa com potencial vitória de Trump; China vê oportunidade

    Em visita a líderes, principal diplomata chinês poderá utilizar o “fator Trump” para salientar que ficar do lado dos EUA não é a melhor opção dos países europeus

    Ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, discursa durante seminário em Pequim
    Ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, discursa durante seminário em Pequim REUTERS/Florence Lo

    Simone McCarthyda CNN

    Hong Kong

    O principal diplomata da China, Wang Yi, deixou uma mensagem aos seus homólogos europeus no fim de semana: não importa o quanto o mundo mude, a China será “consistente e estável” – uma “força para a estabilidade”.

    A afirmação, feita por Wang durante declarações na Conferência de Segurança de Munique, no sábado (17), surge em um momento em que os líderes europeus observam com cautela as próximas eleições nos Estados Unidos – preocupados com o fato do potencial retorno do ex-presidente Donald Trump poder prejudicar a sua parceria com Washington.

    Essas preocupações surgiram na semana passada, depois de Trump ter dito que não defenderia os aliados da Otan que não gastassem o suficiente em defesa – uma ameaça impressionante para muitos na Europa, à medida que a invasão da Rússia avança na Ucrânia.

    O momento dos comentários de Trump não poderia ter sido melhor para Wang, que está de visita à Europa enquanto Pequim luta para reparar as relações deterioradas com o bloco – um esforço que se torna mais urgente devido às suas dificuldades econômicas internas e às fricções contínuas com os EUA.

    “Não importa como o mundo mude, a China, como um grande país responsável, manterá os seus principais princípios e políticas consistentes e estáveis e servirá como uma força firme para a estabilidade em um mundo turbulento”, disse Wang durante comentários em Munique, ao mesmo tempo que apelou à China e à Europa para que “fiquem longe de distrações geopolíticas e ideológicas” e trabalhem em conjunto.

    Mas embora a proposta de Wang possa chegar a ouvidos receptivos em algumas capitais europeias onde os líderes esperam estabilizar aspectos das suas relações com a China, Pequim também tem um grande problema quando se trata de fazer progressos reais para reparar os laços, dizem os analistas: a sua relação consistente com Moscou.

    Esses desafios foram sublinhados no fim de semana em Munique, onde a conferência de segurança foi ofuscada pelo choque e pela raiva quando surgiram relatos sobre a morte, aos 47 anos, do líder da oposição russa preso, Alexey Navalny.

    Os líderes consideraram a morte dele como obra do regime do presidente russo, Vladimir Putin – com a indignação amplificando a crescente preocupação sobre o destino da Ucrânia, que perdeu terreno fundamental para a Rússia na sexta-feira (16).

    Yulia Navalnaya, esposa de Alexey Navalny, discursa durante a conferência em Munique / 16/2/2024 REUTERS/Kai Pfaffenbach

    “A mensagem de Wang aos seus anfitriões europeus é que não se deve permitir que diferenças geopolíticas atrapalhem uma cooperação estreita”, disse Noah Barkin, membro visitante do think tank German Marshall Fund (GMF) dos Estados Unidos.

    “O que não foi dito é que a China não está preparada para mudar as posições e políticas que mais preocupam os europeus, nomeadamente o aprofundamento da sua relação com a Rússia e as suas práticas comerciais distorcidas”.

    Relações com a Rússia

    Desde que a invasão da Ucrânia pela Rússia começou, há dois anos, Putin e o líder chinês, Xi Jinping, reforçaram as relações dos seus países, à medida que ambos enfrentam tensões crescentes com o Ocidente. A China – que não condenou a invasão da Rússia e reivindica imparcialidade no conflito – também emergiu como uma tábua de salvação fundamental para a economia russa atingida por sanções.

    Na Europa, isso galvanizou preocupações sobre as próprias ambições globais da China e desempenhou um papel no esforço contínuo da União Europeia para recalibrar a sua política em relação à China.

    Em um painel de discussão em Munique no sábado, o chefe da Otan, Jens Stoltenberg, traçou um paralelo entre a agressão russa e a China, dizendo que o apoio contínuo dos EUA à Ucrânia “enviaria uma mensagem” a Xi desencorajando o potencial uso da força em Taiwan, uma ilha autogovernada reivindicada pelo Partido Comunista da China.

    O chefe de política externa da UE, Josep Borrell, reiterou a “expectativa do bloco de que a China se abstenha de apoiar a Rússia”, em uma reunião com Wang na sexta-feira (16). Os governos ocidentais não acusaram Pequim de enviar ajuda extensiva às forças armadas russas.

    Apartamentos no norte de Saltovka, um distrito de Kharkiv que foi fortemente danificado pelos bombardeios russos / CNN

    A UE está considerando impor restrições comerciais a três empresas da China continental como parte de uma série proposta de medidas destinadas a dificultar o esforço de guerra russo, informou a Bloomberg na semana passada.

    Em resposta a uma pergunta sobre a reportagem da CNN, o Ministério das Relações Exteriores da China disse que “se opõe firmemente a sanções ilegais ou à ‘jurisdição de braço longo’ contra a China sob o pretexto da cooperação China-Rússia” e que “trocas normais” entre empresas chinesas e russas “não são direcionados a terceiros”.

    Wang fez uma aparente tentativa de abordar as preocupações sobre os laços da China com a Rússia no fim de semana, enquadrando a relação para a sua audiência em Munique como parte dos esforços de Pequim para cooperar com “países importantes” para enfrentar os desafios globais.

    “A Rússia é o maior país vizinho da China”, disse Wang, repetindo as declarações habituais de que a sua relação não é uma aliança e não “visa terceiros”. Como tal, “uma relação China-Rússia que cresce de forma constante vai ao encontro dos interesses compartilhados dos dois países” e “serve a estabilidade estratégica da Ásia-Pacífico e do mundo”, disse ele.

    Quando questionado pelo presidente da conferência, Christoph Heusgen, em uma discussão pública, se a China deveria fazer mais para controlar a Rússia, Wang também respondeu ao que alegou serem tentativas de “culpar a China ou de transferir a responsabilidade de resolver a crise da Ucrânia para a China”. Pequim tem trabalhado “incansavelmente” para promover negociações de paz, disse ele.

    O diplomata reiterou isso em reunião com o homólogo ucraniano, Dmytro Kuleba, no sábado, sublinhando que a China não “vende armas letais a áreas de conflito ou partes em conflito” e que “não desistiria dos seus esforços” para restabelecer a paz.

    Mas esses esforços ficaram muito aquém das esperanças europeias de que a China utilizasse a sua considerável influência econômica e a comunicação regular de alto nível com a Rússia, incluindo entre Xi e Putin, para pôr fim ao conflito de uma forma que respeitasse a integridade territorial da Ucrânia.

    Vladimir Putin e Xi Jinping em Pequim / 18/10/2023 Sputnik/Sergei Guneev/Pool via REUTERS

    Em vez disso, um esforço de Pequim para se enquadrar como um potencial pacificador no conflito, liderado por Wang na Conferência de Segurança de Munique do ano passado, não produziu resultados tangíveis.

    Um plano para uma “solução política” do conflito apresentado por Pequim naquela época foi amplamente criticado como suscetível de ajudar Moscou a consolidar os seus ganhos territoriais, uma vez que apelava a um cessar-fogo sem a retirada prévia das tropas russas.

    Também não está claro se Pequim participará na próxima Cúpula Global da Paz, apoiada pela Ucrânia, na Suíça. Kuleba levantou o assunto em seu encontro com Wang, de acordo com um post na conta X do diplomata ucraniano. Pequim não mencionou o evento.

    O “fator Trump”

    Os observadores dizem que, nesse contexto, as aparentes tentativas de Wang de diminuir as preocupações europeias sobre a posição da China em relação à guerra podem ter pouco impacto dentro da UE.

    “Enquanto a guerra na Ucrânia continuar, as políticas da UE em relação à China avançarão para um alinhamento mais estreito com os EUA. Muito provavelmente, os europeus se juntarão aos EUA para duplicar as restrições à exportação de tecnologias críticas, tendo em conta que consideram a segurança econômica da União fundamental”, segundo Yu Jie, pesquisador sênior sobre a China no think tank Chatham House, em Londres.

    O bloco está considerando uma série de medidas que ajudariam a “eliminar o risco” das cadeias de abastecimento europeias provenientes da China, assegurar tecnologias críticas e proteger o seu mercado daquilo que considera serem certos produtos chineses artificialmente baratos. Pequim vê a política europeia como excessivamente influenciada pelos Estados Unidos.

    Wang também tentou reagir contra tais medidas em Munique, alertando que “aqueles que tentarem excluir a China em nome da ‘redução de riscos’ cometerão um erro histórico”.

    Donald Trump em Clinton, Iowa / 6/1/2024 REUTERS/Cheney Orr

    O diplomata chinês encontrou-se com vários homólogos europeus à parte da conferência de segurança, antes de seguir para Espanha. Ele também deve visitar a França essa semana.

    Wang poderá ter mais sucesso na estabilização das relações com estados-membros individuais da UE interessados em reforçar os laços econômicos – e aqueles que olham com incerteza para as eleições iminentes nos EUA, segundo os observadores.

    Nas suas reuniões europeias, Wang poderá “utilizar o ‘fator Trump’ para salientar que ficar completamente do lado dos Estados Unidos não é do melhor interesse dos países europeus”, segundo Liu Dongshu, professor assistente no departamento de assuntos públicos e internacionais da Universidade da Cidade de Hong Kong.

    Como presidente, Trump não só expressou ceticismo em relação ao sistema de alianças dos EUA na Europa, mas também alavancou tarifas sobre o aço e o alumínio europeus, desencadeando medidas retaliatórias sobre produtos norte-americanos provenientes da Europa.

    “Wang Yi pode salientar que se Trump se tornar presidente, será um problema se (a Europa) não tiver um bom relacionamento com a China. Ele quer persuadir os países europeus a serem mais neutros”, disse Liu.

    Pequim fez alguns progressos no abrandamento das relações com os países europeus no ano passado, incluindo durante uma visita à China do presidente francês Emmanuel Macron – um desenvolvimento sobre o qual Wang espera fortalecer.

    “Nas capitais nacionais, haverá um foco maior em manter estável o relacionamento com Pequim, em parte para evitar o risco de um conflito comercial em duas frentes com Pequim e Washington, caso Trump retorne à Casa Branca”, disse Barkin do GMF, que também é consultor sênior do Rhodium Group, com sede em Nova York.

    “O pior pesadelo (da China) é uma frente transatlântica unida em questões de comércio, tecnologia e segurança. A China usará as palavras de Trump para reforçar a mensagem nas capitais europeias de que Washington não é um parceiro confiável”, disse ele.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original