Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Análise: o próximo alvo de Xi Jinping são os militares?

    Por trás dos altos muros do governo e dos complexos militares da capital chinesa, generais poderosos sumiram da vista do público; Especialistas apontam a corrupção como a causa provável

    Militares chineses desfilam com a bandeira do país em Guangshui, na província de Hubei
    Militares chineses desfilam com a bandeira do país em Guangshui, na província de Hubei 30/07/2017China Daily via REUTERS

    Nectar Ganda CNN*

    Durante grande parte de 2023, uma tempestade envolveu silenciosamente as maiores forças armadas do mundo – o Exército de Libertação Popular (ELP) da China.

    Por trás dos muros do governo e dos complexos militares da capital chinesa, generais poderosos, um após o outro, não foram mais vistos em público. Alguns foram afastados dos seus cargos sem explicação, mesmo no caso de cargos importantes como o de ministro da Defesa.

    Depois de meses de intensa especulação pública e de respostas evasivas por parte dos porta-vozes do governo, o sinal mais claro de uma “limpeza generalizada” nas forças armadas da China surgiu no final de dezembro, quando nove oficiais de alta patente do ELP foram destituídos da mais alta legislatura do país.

    Embora o próprio Congresso Nacional Popular (CNP) seja apenas um parlamento protocolar, os seus membros têm um certo grau de imunidade contra prisões e processos criminais concedido pela Constituição. Anteriormente, essas expulsões repentinas serviam muitas vezes como uma introdução para novas ações disciplinares ou legais.

    Mantendo a falta de transparência que envolve a política da elite chinesa, não foi dada qualquer razão para a súbita expulsão dos generais da legislatura.

    Mas especialistas que há muito tempo estudam as forças armadas da China apontam para uma limpeza de corrupção como a causa provável – possivelmente devido à aquisição e desenvolvimento de equipamento avançado que tem sido um elemento-chave nos esforços do líder Xi Jinping para “modernizar” o ELP e transformá-lo em uma força de combate “de classe mundial”.

    Para alguns, a escala e a profundidade das últimas limpezas fazem lembrar as investigações de corrupção nos primeiros anos do mandato de Xi, que levaram à queda de vários generais do alto escalão e dos seus subordinados.

    Xi fez da erradicação da corrupção e da deslealdade uma marca do seu governo desde que chegou ao poder em 2012, e as últimas mudanças sugerem que a campanha está longe de terminar dentro das forças armadas.

    No centro da última limpeza está a Força de Foguetes do ELP, um ramo de elite que Xi construiu para supervisionar o arsenal de mísseis nucleares e balísticos da China, em rápida expansão. O líder chinês descreveu a força como um “núcleo de dissuasão estratégica, um reforço para a posição do país como uma grande potência e uma pedra angular sobre a qual constrói a segurança nacional”.

    Presidente da China, Xi Jinping / 1/7/2022 Selim Chtayti/Pool via REUTERS/File Photo

    “Nesse momento, é óbvio para Xi Jinping e para o alto comando chinês que a liderança da Força de Foguetes foi comprometida”, disse James Char, observador de longa data do ELP e pesquisador na Escola de Estudos Internacionais S. Rajaratnam, em Singapura.

    “Se isso se agravasse no longo prazo, certamente teria repercussões nas capacidades gerais de combate do ELP”, disse Char.

    Centro de corrupção

    Entre os nove funcionários do ELP expulsos da legislatura, cinco estão ligados à Força de Foguetes. O mais notável foi o general Li Yuchao, que foi substituído repentinamente como comandante em julho, juntamente com seu comissário político. O antecessor de Li e dois ex-subcomandantes também estavam na lista, bem como um oficial encarregado da aquisição de equipamento da força.

    Mais três dos destituídos também estavam envolvidos na aquisição de armas – dois vindos do departamento de Desenvolvimento de Equipamentos do ELP, enquanto o outro supervisionava equipamentos para a Frota do Mar do Sul da Marinha do ELP antes de se tornar seu comandante. O outro general demitido da legislatura era um ex-comandante da Força Aérea do ELP.

    “Pela afiliação destes nove funcionários… podemos mais ou menos presumir que a corrupção é a principal causa por trás das investigações sobre os seus delitos”, disse Char.

    A destituição dos nove militares ocorreu apenas dois dias depois de três executivos aeroespaciais do complexo militar-industrial da China terem sido demovidos dos seus cargos no principal órgão consultivo político do país.

    A ação contra estes três executivos, vindos de empresas estatais de defesa que fabricam armas e mísseis, é vista por alguns analistas como mais uma indicação de uma investigação de corrupção nas compras militares para a Força de Foguetes – um campo altamente secreto e lucrativo, repleto de bilhões de dólares de financiamento que constituem um terreno fértil para a corrupção.

    “A Força de Foguetes do ELP recebeu muitos equipamentos caros desde 2016”, disse Char, referindo-se à época das amplas reformas militares de Xi.

    Como parte dessa ambiciosa revisão, a Força de Foguetes foi atualizada para um serviço armado completo do ex-Segundo Corpo de Artilharia. Desde então, lançou uma expansão sem precedentes, acrescentando novos e poderosos mísseis balísticos intercontinentais e de alcance intermediário ao seu arsenal e aumentando o número de brigadas de mísseis de 29 para 40.

    “Claramente, com esse aumento no tamanho da Força de Foguetes do ELP, a quantidade de equipamento e dinheiro que o ELP investiu no serviço é imensa”, disse Char.

    Nos últimos anos, fotos de satélite mostraram a construção do que parecem ser centenas de silos para mísseis balísticos intercontinentais nos desertos chineses, e o Departamento de Defesa dos EUA prevê que a China poderá ter cerca de 1.500 ogivas nucleares até 2035 se continuar a expandir o arsenal no atual ritmo exponencial.

    Em setembro, a CNN também revelou como a China, juntamente com a Rússia e os Estados Unidos, construíram novas instalações e cavaram novos túneis nos seus locais de testes nucleares nos últimos anos.

    “Xi deu grande importância a esses desenvolvimentos e essa atenção pode ter exposto o nível de corrupção que gerou um esforço de limpeza que teve o benefício adicional de minar redes de clientelismo que podem infringir os planos e o poder de Xi”, disse Carl Schuster, um ex-diretor de operações do Centro Conjunto de Inteligência do Comando do Pacífico dos EUA.

    “Xi quer pessoas qualificadas em cuja lealdade e julgamento ele confie”.

    Implicações no combate

    A Força de Foguetes desempenhará um papel fundamental em qualquer conflito sobre Taiwan ou o Mar do Sul da China – dois potenciais pontos de conflito entre os EUA e a China – liderando os primeiros ataques às forças inimigas e dissuadindo a intervenção dos EUA, de acordo com Schuster.

    Dada a importância estratégica da força, uma questão fundamental é se a limpeza de grande alcance destruiria as suas operações ou a prontidão para o combate. Até agora, Xi deixou intocados os comandantes e o estado-maior de nível operacional, observou Schuster.

    “Os líderes seniores estiveram envolvidos na construção da força, mas, neste momento, provavelmente não estiveram envolvidos nas operações e no planejamento”, disse ele.

    Embora a limpeza em larga escala certamente abale o moral da Força de Foguetes e a coloque sob um escrutínio mais rigoroso, Char disse que, no geral, “as capacidades de combate do ELP provavelmente não foram comprometidas de forma substancial”.

    Como parte da revisão militar de Xi, “os meios da Força de Foguetes tornaram-se, de fato, cada vez mais integrados no sistema de comando de teatro conjunto do ELP. Portanto, isso significa que a capacidade do ELP de conduzir ataques com mísseis, como parte de uma campanha conjunta mais ampla, dificilmente será comprometida”, acrescentou.

    Em meio a crescentes tensões geopolíticas, dizem os especialistas, a longo prazo, é crucial que Xi faça uma limpeza dentro do ELP, especialmente em torno dos seus sistemas de armas. Se as limpezas resultarem em uma força de combate mais disciplinada, eficaz e leal – poderá ser uma vitória para Xi.

    O fraco desempenho das forças armadas da Rússia na sua guerra contra a Ucrânia – desde equipamento de baixa qualidade até pacotes de racionamento vencidos e fraquezas mortais nos tanques – serviu como uma dura lição para Xi e os seus principais generais sobre os perigos da corrupção.

    O ex-ministro da Defesa, Li Shangfu, foi destituído do cargo em outubro de 2023, depois de desaparecer da vista do público durante meses. / 02/06/2023 REUTERS/Caroline Chia

    “A limpeza é importante porque, daqui para frente, ele gostaria de garantir que a Força de Foguetes do ELP tenha equipamento letal funcional no campo de batalha”, disse Char.

    “Ponta do iceberg”

    Os sinais de problemas em torno da aquisição de armas já eram evidentes em julho. Dias antes da surpreendente mudança de liderança da Força de Foguetes, o Departamento de Desenvolvimento de Equipamentos ordenou uma nova repressão às práticas corruptas de aquisição, apelando ao público para relatar dicas sobre atividades questionáveis que remontam a outubro de 2017.

    A investigação coincidiu com o período em que o departamento era chefiado por Li Shangfu, o ex-ministro da Defesa que foi destituído do cargo em outubro, depois de desaparecer da vista do público durante meses sem explicação.

    Um dos deputados de Li no Departamento de Equipamentos, Zhang Yulin, estava entre os nove demitidos da legislatura na semana passada.

    “(Agora) que foram destituídos da sua adesão ao CNP, os seus casos podem passar para a fase seguinte, que é o processo de acusação militar”, disse Char, acrescentando que a limpeza está longe de terminar. “Tenho certeza de que há mais generais cujas ações foram investigadas. Parece ser apenas a ponta do iceberg”, disse.

    Alguns agentes colocados sob investigação podem não ser suficientemente graduados para ocuparem assentos na legislatura, enquanto outros podem já estar aposentados.

    No topo da lista de observação dos analistas está o ex-ministro da Defesa, Wei Fenghe, de quem não se tem notícias desde março do ano passado, quando se aposentou e entregou o bastão a Li Shangfu. Wei foi o comandante inaugural da Força de Foguetes quando esta foi renovada no final de 2015.

    Quando questionado sobre o paradeiro de Wei em agosto, um porta-voz do Ministério da Defesa da China disse que os militares têm “tolerância zero à corrupção” e prometeu “investigar todos os casos e reprimir todos os funcionários corruptos”.

    Militares chineses desfilam com a bandeira do país em Guangshui, na província de Hubei / 30/07/2017 China Daily via REUTERS

    O general Ju Qiansheng, comandante da Força de Apoio Estratégico do ELP responsável pela guerra espacial e cibernética, também não é visto desde o verão.

    Ju chamou a atenção depois de perder uma recepção no final de julho para comemorar o 96º aniversário da fundação do ELP e uma cerimônia de recompensa para astronautas chineses em setembro.

    Mais de uma década desde que Xi assumiu o cargo, o líder mais poderoso e autoritário da China em décadas ainda luta contra generais e oficiais corruptos e desleais – alguns deles escolhidos a dedo e promovidos por ele.

    “Acho que ele pode remover quem quiser. Mas o próprio fato de ele ainda estar demitindo pessoas diz muito sobre seu mau julgamento anterior em relação a essas nomeações de pessoal”, disse Char. “Tudo o que estamos vendo agora, todos as limpezas, na verdade se devem ao sistema centralizado de partido único da China e ao fato de que não há escrutínio público ao qual o ELP está sujeito”.

    Yun Sun, diretora do programa para a China no think tank Stimson Center, em Washington, disse que os expurgos mostram que a corrupção não pode ser completamente erradicada do sistema, apesar dos esforços incansáveis de Xi.

    “O poder tende a corromper. O poder absoluto corrompe absolutamente”, disse ela. “Xi está determinado a combater a corrupção, mas a corrupção é um produto do sistema que ele defende. É um beco sem saída”.

    *Com informações de Simone McCarthy, da CNN.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original