Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Análise: Por que aliados temem que Israel possa cair em armadilha na Faixa de Gaza?

    Há um temor de que o conflito com o Hamas desencadeie um novo embate Ocidente x Islã, como no 11 de Setembro

    Israel se prepara para uma incursão terrestre na Faixa de Gaza
    Israel se prepara para uma incursão terrestre na Faixa de Gaza Saeed Qaq/Anadolu via Getty Images

    Sam Kileyda CNN

    Londres

    Enquanto observam ataques aéreos e projéteis atingindo alvos na Faixa de Gaza, checam e checam novamente suas armas pessoais, comunicações e teias, pode haver muito poucos entre os milhares de soldados israelenses preparados para o combate que não se perguntem silenciosamente: “Seria isto uma armadilha?”

    O grupo radical islâmico Hamas e os seus apoiadores em Teerã teriam certamente planejado enfrentar uma feroz ofensiva terrestre israelense após a infiltração aterrorizante de Israel.

    É possível — e até provável — que os horrores singulares infligidos a tantos civis tenham sido concebidos pelo Hamas para garantir uma resposta massiva de Israel, independentemente do custo para os civis na Faixa de Gaza.

    Os próximos passos de Israel determinarão o rumo das coisas que estão por vir — talvez durante décadas. Tudo se resume a Gaza.

    O Hamas encheu a Faixa de Gaza com redes de túneis, enfeitou a paisagem acima do solo com armadilhas e teria planos para enfrentar as forças israelenses com qualquer coisa, desde enxames de homens-bomba até equipes de captura para fazer soldados como reféns.

    Os generais e outros responsáveis ​​dos EUA partilham com Israel as suas experiências de guerra urbana em grande escala.

    Os militares do Iraque — apoiados por forças especiais americanas, britânicas e outras, juntamente com ataques aéreos implacáveis ​​— levaram nove meses para expulsar o Estado Islâmico de Mosul em 2017.

    A cidade do norte do Iraque foi praticamente esvaziada de civis, mas os combates foram de casa em casa. O Estado Islâmico utilizou sistemas de túneis que construiu para emboscar as tropas do governo que dolorosamente tomaram Mosul, tijolo por tijolo.

    As capacidades de fabricação de bombas do Hezbollah, o grupo libanês aliado do Hamas, espalharam-se por todo o Oriente Médio.

    Veja imagens da guerra entre Israel e Hamas

    Em Gaza, as tropas israelenses saberão que enfrentam dispositivos explosivos improvisados ​​construídos com cargas que podem paralisar um tanque.

    Eles saberão que as capacidades do Hezbollah para destruir blindados terão sido ainda mais refinadas desde que Israel travou a última batalha séria no Líbano em 2006 e ficou chocado com a sofisticação da milícia.

    O Hamas tem agora capacidades antiaéreas. Os helicópteros Apache de Israel, que fornecem apoio próximo à infantaria, serão vulneráveis ​​a um homem com um SAM (míssil superfície-ar).

    Não há dúvida de que o Hamas também tem equipes prontas para fazer “vídeos de morte” dos seus ataques às tropas israelenses. Nada tem maior probabilidade de inflamar ou radicalizar jovens furiosos do que filmes sangrentos e ousados ​​— o Estado Islâmico ensinou-nos isso.

    Fase dois

    É seguro assumir que o Hamas teria planejado uma carnificina generalizada na Faixa de Gaza. Na verdade, esse pode ser o objetivo da segunda fase após os ataques de 7 de outubro.

    “Qualquer erro de cálculo na continuação do genocídio e do deslocamento forçado pode ter consequências graves e amargas, tanto na região como para os fomentadores da guerra”, disse no domingo (22) o ministro dos Negócios Estrangeiros do Irã, Hossein Amir-Abdollahian.

    Suas palavras não pretendem ser uma análise, elas são uma ameaça.

    A Casa Branca sabe disso. Uma armadilha lançada contra Israel poderia ter consequências amplas e perigosas, levando ao tipo de “Choque de Civilizações” que se seguiu ao 11 de Setembro.

    Uma grande preocupação para o presidente Joe Biden será o bem-estar dos reféns dos EUA na Faixa de Gaza e das outras mais de 200 almas detidas pelo Hamas e outros grupos no enclave.

    Vídeo: EUA pressionam Israel para adiar invasão a Gaza

    Mas desde o fim de semana, as próprias fontes da CNN em Washington refletiram preocupações de que uma operação terrestre israelense em grande escala pudesse desencadear uma conflagração que poderia sair do controle, do tipo que tomou conta do Iraque após a invasão liderada pelos EUA para derrubar Saddam Hussein.

    Benjamin Netanyahu, o primeiro-ministro israelense, traçou, durante muitos anos, uma linha reta entre o Hamas e o chamado Estado Islâmico. Ele já vê o conflito Israel-Hamas como um choque de civilizações.

    “O Hamas são os novos nazistas. Eles são o novo Estado Islâmico e temos que combatê-los juntos, assim como o mundo, o mundo civilizado, unido para combater os nazistas e unido para combater o Estado Islâmico”, disse ele em entrevista coletiva durante a visita do primeiro-ministro britânico Rishi Sunak esta semana.

    As últimas atrocidades do Hamas foram um teatro de horror, mas o grupo não é o Estado Islâmico. De fato, o Hamas trabalhou árdua e violentamente para exterminar na Faixa de Gaza os elementos do Estado Islâmico que representavam uma forma de Islã político à qual o grupo que domina Gaza se opunha profundamente.

    O Hamas espera estabelecer um Estado palestino baseado nos ensinamentos do Islã, mas não tem pretensões de torná-lo um califado. Crucialmente, também não tem histórico de ataques fora de Israel e dos territórios palestinos, nem utilizou a internet para tentativas mundiais de radicalização.

    Mas o Hamas está empenhado na destruição do Estado judeu. Os líderes mundiais recuaram face às suas mais recentes atrocidades e têm manifestado o seu apoio a Israel.

    “A luta [contra grupos terroristas] deve ser impiedosa”, disse o presidente francês Emmanuel Macron na terça-feira (24) em Israel.

    Mas acrescentou uma advertência que, sem dúvida, está tão enraizada na realpolitik como na ética: um esforço para evitar que o Ocidente seja sugado para um conflito que poderia, ou seria, ser visto como uma guerra contra o Islã (novamente).

    Essa “luta”, disse ele, “deve ser sem piedade, mas não sem regras”.

    Vídeo: Macron se reúne com rei da Jordânia após ida a Israel

    Cerca de 1.400 pessoas foram mortas nos ataques liderados pelo Hamas em Israel. O número de mortos na Faixa de Gaza ultrapassa os 5.700, segundo autoridades de saúde palestinas controladas pelo Hamas. As Forças de Defesa de Israel dizem que estão tentando minimizar as baixas civis.

    Um estado de sítio quase total foi imposto aos 2,3 milhões de habitantes. A ONU diz que 1,4 milhão de pessoas foram deslocadas dentro da estreita faixa de terra.

    Uma operação terrestre por parte de Israel, porém, significaria inevitavelmente que estes números disparariam. Em ambos os lados.

    Tem havido marchas pró-Palestina em todo o mundo protestando contra o nível de destruição já causado por Israel na Faixa de Gaza. Se ocorrer uma incursão terrestre, será muito pior e os protestos serão mais ruidosos.

    Entretanto, os inimigos de Israel, todos dedicados à destruição do próprio Estado, têm-se reunido no Líbano.

    O líder do Hezbollah, Hassan Nasrallah, encontrou o vice-chefe do Hamas, Saleh Al-Arouri, e com o secretário-geral da Jihad Islâmica Palestina, Ziad Al-Nakhla, na quarta-feira (25).

    “Foi feita uma avaliação do que os partidos do eixo da resistência devem fazer nesta fase sensível para alcançar uma vitória real para a resistência em Gaza e na Palestina e para parar a agressão traiçoeira e brutal contra o nosso povo”, disse o Hezbollah num comunicado.

    Pode-se ter certeza de que acompanhantes da Brigada Quds do Corpo da Guarda Revolucionária Iraniana, o principal braço militar e de inteligência internacional de Teerã, estavam presentes. A brigada Quds treinou, financiou e orientou todos os três grupos durante muitos anos.

    Os grupos procurarão explorar os próximos movimentos de Israel na Faixa de Gaza como a sua própria “fase dois” dos ataques de 7 de outubro.

    Vídeo: Israel e Hezbollah amplificam confrontos no Líbano

    O Hezbollah já tem afastado as forças israelenses do seu foco exclusivo em Gaza com pequenos embates ao longo da fronteira sul do Líbano.

    Os EUA culparam o Irã por enviar representantes iraquianos para atingir bases logísticas americanas em Bagdá. O caldeirão do conflito continuou a ferver no Iêmen, com as tentativas dos Houthis, apoiados pelo Irã, de disparar mísseis contra Israel — eles foram abatidos pelos EUA.

    Os norte-americanos e muitos cidadãos europeus estão sendo instruídos a deixar muitos países do Oriente Médio próximos de Israel; até os australianos têm três aviões de prontidão para lidar com as evacuações.

    John Kirby, porta-voz do Conselho de Segurança Nacional dos EUA, disse na segunda-feira (23) que a administração estava “observando muito, muito de perto” os sinais de que grupos de milícias apoiados pelo Irã planejam intensificar os ataques às forças militares dos EUA estacionadas no Oriente Médio.

    Consumido pela raiva

    O Irã pode estar tentando desviar a atenção de Washington do teatro israelense, mas também pode estar a tentando incitar os EUA a mais conflitos.

    Esse é um confronto que os EUA estão tentando evitar. Biden, de acordo com reportagens da própria CNN, aconselha cautela nas negociações com o primeiro-ministro de Israel. Ele reforçou essas discussões privadas com advogados públicos.

    “Você não pode olhar para o que aconteceu aqui com mães, pais ou avós, filhos, filhas, crianças e até mesmo bebês e não gritar por justiça. A justiça deve ser feita. Mas eu aviso isso, enquanto você sente essa raiva, não seja consumido por isso”, disse ele.

    “Depois do 11 de Setembro, ficamos furiosos nos Estados Unidos. Embora tenhamos conseguido justiça, também cometemos erros.”

    Esses erros levaram à invasão do Iraque liderada pelos EUA, a uma crença generalizada de que o Islã estava sob ataque do Ocidente, ao caos no Oriente Médio, ao chamado Estado Islâmico e ao próprio califado e a ataques terroristas a nível mundial.

    Vídeo: Fizemos justiça após o 11 de Setembro, mas também erramos, diz Biden

    “Quando o presidente Biden alerta o governo israelense para não repetir os erros que cometeu no Afeganistão, ele está falando com base em uma experiência vivida significativa”, disse Karin von Hippel, diretora do Royal United Services Institute e ex-conselheira dos militares dos EUA no combate ao terrorismo.

    “Como todos sabemos agora, os EUA reagiram de forma exagerada após o 11 de Setembro e perderam grande parte da boa vontade inicialmente gerada no rescaldo imediato, quer isso tenha sido em termos da “guerra escolhida no Iraque” e das suas consequências, quer da expansão da guerra no Afeganistão.”

    Essa é a sabedoria convencional.

    Martin Sherman, chefe do Instituto de Estudos Estratégicos de Israel e defensor de longa data de uma linha mais dura contra os rivais ou inimigos regionais do seu país, discorda.

    Ele acredita que Israel deveria entrar na Faixa de Gaza, e com força.

    “Não creio que os árabes alguma vez cheguem realmente a um acordo com Israel. O mínimo pelo qual Israel pode lutar é ser muito temido e o melhor que pode esperar é ser aceito a contragosto”, disse ele.

    Os soldados das forças israelenses posicionados nos seus pontos de reunião para o que pode ser uma grande batalha na Faixa Gaza também podem se perguntar se, daqui a alguns anos, os seus filhos poderão estar de volta lá novamente, atacando para serem “muito temidos”.

    Veja também: Tanques de Israel invadem Faixa de Gaza

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original