Anthony Fauci pede por outros decretos de obrigatoriedade da vacinação nos EUA

Combinação da variante Delta com falta de imunização em massa é perigosa, alertou médico

Anthony Fauci, conselheiro de Joe Biden, afirmou que EUA estudam formas de ajudar Brasil no combate à pandemia
Anthony Fauci, conselheiro de Joe Biden, afirmou que EUA estudam formas de ajudar Brasil no combate à pandemia Foto: Jonathan Ernst - 21.jan.2021/Reuters

Madeline Holcombeda CNN

Ouvir notícia

Milhões de americanos ainda precisam ser vacinados para retardar a propagação da Covid-19, e controlar a pandemia poderia necessitar de “muitos” outros decretos envolvendo a obrigatoriedade da vacinação, disse o Dr. Anthony Fauci.

Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergias e Doenças Infecciosas, afirmou que se mais pessoas não forem persuadidas a serem vacinadas por atos de autoridades sanitárias e “mensageiros políticos confiáveis”, podem ser necessários decretos adicionais de escolas e empresas.

“Acredito que isso vai mudar a situação porque não acho que as pessoas vão querer não ir trabalhar ou não ir para a faculdade. Não vão fazer isso”, disse Fauci à Jen Christensen, da CNN, durante uma entrevista na NLGJA, a Associação de Jornalistas LGBTQ, domingo de convenção.

“Gostaríamos que [a vacinação] acontecesse de forma totalmente voluntária, mas se isso não funcionar, você tem que ir para as alternativas”.

A combinação da variante altamente contagiosa Delta e de sobras de vacinas colocou os Estados Unidos em um “período muito difícil” da pandemia de Covid-19, disse Fauci.

Da população elegível nos EUA, que atualmente está limitada a pessoas com 12 anos ou mais, 63% estão totalmente vacinados, de acordo com os dados dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA.

Especialistas e autoridades sanitárias estão visando que a grande maioria da população seja imunizada para controlar a propagação.

Na semana passada, o presidente Joe Biden anunciou novas exigências relacionadas à vacinação, que incluem um decreto para que as empresas com mais de 100 funcionários exijam vacinação ou testes regulares para funcionários. O plano foi recebido com elogios e críticas.

As empresas que querem que os funcionários retornem ao trabalho e permaneçam no trabalho se beneficiarão das exigências de vacinas, disse o cirurgião geral dos EUA, Dr. Vivek Murthy.

O decreto também beneficiará os funcionários, acrescentou ele.

“Acredito que isso não só melhorará a saúde pública, mas dará às pessoas um pouco mais de paz de espírito”, disse Murthy à CNN Sunday.

Mas o governador do estado de Arkansas, Asa Hutchinson, argumentou que os requisitos podem ter um efeito contrário.

“Temos que superar a resistência”, disse Hutchinson no domingo na “Meet the Press” da NBC.

“Este é um vírus muito sério e mortal e estamos todos juntos na tentativa de conseguir um aumento do nível de vacinação na população. O problema é que estou tentando superar a resistência, mas as ações do presidente com um decreto endurecem a resistência”.

Enquanto o debate sobre os decretos continua, alguns hospitais estão sentindo o impacto do atraso nas taxas de vacinação.

O governador do Colorado Jared Polis deu o alarme na sexta-feira, dizendo: “Na verdade, temos a menor taxa disponível de UTI desde o início desta crise, em parte devido aos não vacinados com Covid e apenas outros tipos de trauma que sobem sazonalmente nesta época do ano”.

Polis disse que alguns hospitais de seu estado “estão chegando muito perto de seus limites de capacidade” e que “isso não estaria acontecendo se as pessoas fossem vacinadas”.

Mais Recentes da CNN