Arcebispo Desmond Tutu, ganhador do Nobel da Paz, morre aos 90 anos

Primeiro arcebispo negro da Cidade do Cabo, Tutu ficou conhecido internacionalmente pela oposição não violenta ao apartheird

Larry MadowoJessie Yeungda CNN

Ouvir notícia

O arcebispo Desmond Tutu, o clérigo anglicano vencedor do Prêmio Nobel da Paz cujo bom humor, mensagem inspiradora e trabalho de conscientização pelos direitos civis e humanos o tornaram um líder reverenciado durante a luta para acabar com o apartheid em seu país natal, a África do Sul, morreu. Ele tinha 90 anos.

Em um comunicado confirmando sua morte neste domingo (26), o presidente sul-africano Cyril Ramaphosa expressou suas condolências à família e amigos de Tutu, chamando-o de “um patriota sem igual”.

“Um homem de intelecto extraordinário, integridade e invencibilidade contra as forças do apartheid, ele também era terno e vulnerável em sua compaixão por aqueles que sofreram opressão, injustiça e violência sob o apartheid e pessoas oprimidas e oprimidas em todo o mundo”, disse Ramaphosa.

Tutu estava doente há anos. Em 2013, ele foi submetido a testes para uma infecção persistente e foi internado várias vezes nos anos seguintes.

Por seis décadas, Tutu – conhecido carinhosamente como “o Arco” – foi uma das principais vozes na exortação do governo sul-africano ao fim do apartheid, a política oficial de segregação racial do país.

Depois que o apartheid acabou, no início dos anos 1990, e Nelson Mandela se tornou presidente do país, Tutu foi nomeado presidente da Comissão de Verdade e Reconciliação da África do Sul.

Seu trabalho de direitos civis e humanos rendeu homenagens proeminentes em todo o mundo. O presidente Obama concedeu-lhe a Medalha Presidencial da Liberdade em 2009.

Em 2012, Tutu recebeu uma doação de US$1 milhão da Fundação Mo Ibrahim por “seu compromisso vitalício de falar a verdade ao poder”. No ano seguinte, ele recebeu o Prêmio Templeton por seu “trabalho ao longo da vida no avanço de princípios espirituais como o amor e o perdão, que ajudaram a libertar pessoas em todo o mundo”.

Mais notavelmente, ele recebeu o Prêmio Nobel da Paz de 1984, seguindo os passos de seu conterrâneo, Albert Lutuli, que recebeu o prêmio em 1960.

O Nobel consolidou o status de Tutu como figura chave na África do Sul, posição que ele conquistou após os protestos contra o apartheid. Apesar da raiva sobre a política no país, bem como da desaprovação global generalizada – a África do Sul foi banida das Olimpíadas de 1964 a 1988 – o governo sul-africano esmagou a oposição, banindo o partido político Congresso Nacional Africano e prendendo seus líderes, incluindo Mandela.

Cabia ao clero tomar a dianteira em falar abertamente, disse o reverendo Frank Chikane, ex-chefe do Conselho de Igrejas da África do Sul e um colega Tutu.
“Chegamos ao estágio em que a igreja era uma protetora do povo, que era a voz do povo”, disse Chikane à CNN.

O caminho era rochoso

Na década de 1950, Tutu renunciou ao cargo de professor em protesto contra as restrições do governo à educação para crianças negras, a Lei de Educação Bantu. Ele foi ordenado em 1960 e passou os anos 60 e início dos anos 1970 alternando-se entre Londres e a África do Sul.

Em 1975, ele foi nomeado reitor da Catedral de Santa Maria em Joanesburgo e imediatamente usou seu novo cargo para fazer declarações políticas.

“Quando fomos nomeados, dissemos … ‘Bem, vamos viver em Soweto'”, disse ele à Academy of Achievement, referindo-se aos bairros negros de Joanesburgo. “E assim – começamos sempre fazendo uma declaração política, mesmo sem articulá-la em palavras”, complementou.

Não era um plano, embora desde cedo ele se inspirou em Trevor Huddleston, um padre e ativista anti-apartheid que trabalhou em uma favela em Joanesburgo nos anos 1950. Ao embarcar neste caminho, ele inspirou milhares de seus compatriotas – e mais ao redor do mundo.

“Desmond Tutu não tinha razão para agir como agiu, a não ser seu profundo senso de nossa humanidade compartilhada em trabalhar por um mundo no qual a justiça e o bem-estar de todos sejam uma expressão de sua liderança ética de compaixão”, escreveu o padre episcopal Robert V. Taylor na CNN em 2011.

Tutu acreditava que não tinha escolha, mesmo que o caminho fosse rochoso.

“Eu realmente ficaria bravo com Deus. Eu diria: ‘Quero dizer, como em nome de tudo que é bom você pode permitir que isso ou aquilo aconteça?'”, Tutu disse à Academy of Achievement. “Mas eu não tinha dúvidas de que, em última análise, a justiça boa e certa prevaleceria”, pontuou.

Tempos tumultuados

Desmond Mpilo Tutu nasceu em 7 de outubro de 1931, em Klerksdorp, uma cidade na província sul-africana de Transvaal. Seu pai era professor e sua mãe empregada doméstica, e o jovem Tutu tinha planos de se tornar médico, em parte devido a uma crise de tuberculose na infância, que o deixou internado por mais de um ano. Ele até se qualificou para a faculdade de medicina, disse em uma oportunidade.

Mas seus pais não podiam pagar as taxas, então o ensino o atraiu.

“O governo estava dando bolsas para pessoas que queriam se tornar professores”, disse ele à Academy of Achievement. “Tornei-me professor e não me arrependo disso”.

No entanto, ele ficou horrorizado com o estado das escolas negras da África do Sul e ainda mais horrorizado quando a Lei de Educação Bantu foi aprovada em 1953, que segregou racialmente o sistema educacional do país. Ele renunciou em protesto.

Não muito depois, o bispo de Joanesburgo concordou em aceitá-lo para o sacerdócio – Tutu acreditava que era porque ele era um homem negro com formação universitária, uma raridade nos anos 1950 – e assumiu sua nova vocação.

As décadas de 1960 e 1970 foram tumultuadas na África do Sul. Em março de 1960, 69 pessoas foram mortas no Massacre de Sharpeville, quando a polícia sul-africana abriu fogo contra uma multidão de manifestantes.

Lutuli, um líder do ANC que pregava a não violência, recebeu o Prêmio Nobel da Paz no final daquele ano – embora estivesse proibido de deixar o país – o governo finalmente o deixou ir por alguns dias para receber seu prêmio.

Mandela – então um ativista incendiário liderando um braço armado do ANC – foi preso, julgado e, em 1964, condenado à prisão perpétua. No início dos anos 1970, o governo forçou milhões de negros a se estabelecerem no que era chamado de “pátria”.

Tutu passou muitos desses anos na Grã-Bretanha, observando de longe, mas finalmente voltou para sempre, em 1975, quando foi nomeado reitor da Catedral de Santa Maria em Joanesburgo.

No ano seguinte, foi consagrado Bispo do Lesoto. Ele ganhou fama por uma carta de maio de 1976 que escreveu ao primeiro-ministro, alertando sobre distúrbios.

“O clima nos distritos era assustador”, disse ele à Academy of Achievement.

Um mês depois, Soweto explodiu em violência. Mais de 600 morreram na revolta.

Uma figura distinta

À medida que o governo se tornava cada vez mais opressor – detendo os negros, estabelecendo leis onerosas – Tutu tornou-se cada vez mais franco.

“Ele era uma das pessoas mais odiadas, particularmente pela África do Sul Branca, por causa da postura que assumiu”, disse o ex-membro da Comissão de Verdade e Reconciliação Alex Boraine à CNN.

“Sua autoridade moral (era) tanto sua arma quanto seu escudo, permitindo-lhe enfrentar seus opressores com rara impunidade”, acrescentou Chikane, colega do Conselho de Igrejas da África do Sul.

A África do Sul estava se tornando um país pária. Manifestantes nos Estados Unidos protestaram contra o investimento corporativo no país, e o Congresso apoiou a posição com a Emenda Rangel de 1987. As Nações Unidas estabeleceram um boicote cultural. Canções populares, como “Free Nelson Mandela”, do Special AKA, e “Sun City”, do Artists United Against Apartheid, deploraram da política do país.

Com suas vestes escarlates, Tutu tinha uma figura distinta enquanto pregava do púlpito agressivo – talvez nunca tanto quanto em seu discurso sobre o Prêmio Nobel em 1984.

Depois de revelar os preconceitos e desigualdades do sistema de apartheid, Tutu resumiu seus pensamentos. “Em suma”, disse ele, “esta terra, ricamente dotada de tantas maneiras, infelizmente carece de justiça.”

Haveria mais injustiças por vir: assassinatos, alegações de esquadrões de ataque, bombardeios. Em 1988, dois anos depois de ser nomeado arcebispo da Cidade do Cabo, tornando-se o primeiro negro a chefiar a Igreja Anglicana na África do Sul, Tutu foi preso enquanto apresentava uma petição anti-apartheid ao parlamento sul-africano.

Mas a maré estava mudando. No ano seguinte, Tutu liderou uma marcha de 20 mil pessoas na Cidade do Cabo. Também em 1989, um novo presidente, F.W. de Klerk, começou a flexibilizar as leis do apartheid. Finalmente, em 11 de fevereiro de 1990, Mandela foi libertado da prisão após 27 anos.

Quatro anos depois, em 1994, Mandela seria eleito presidente. Tutu comparou ter permissão para votar pela primeira vez a “se apaixonar” e disse – atrás do nascimento de seu primeiro filho – apresentar Mandela como o novo presidente do país foi o melhor momento de sua vida.

“Na verdade, eu disse a Deus, não me importo se morrer agora”, disse ele à CNN.

Posturas polêmicas

O trabalho de Tutu não foi concluído, no entanto. Em 1995, Mandela o nomeou presidente da Comissão de Verdade e Reconciliação para tratar das violações dos direitos humanos durante os anos do apartheid. Tutu “quebrou” na primeira audiência do TRC em 1996.

O TRC apresentou seu relatório ao governo em 1998. Tutu estabeleceu o Desmond Tutu Peace Trust no mesmo ano.

Ele voltou a lecionar, tornando-se professor visitante na Emory University, em Atlanta, por dois anos e, posteriormente, lecionando na Episcopal Divinity School em Cambridge, Massachusetts.

O ativista publicou um punhado de livros, incluindo “No Future Without Forgiveness” (1999), “God Is Not a Christian” (2011) e um livro infantil, “Desmond and the Very Mean Word” (2012).

Ele se aposentou do serviço público em 2010, mas não teve medo de assumir posições controversas.

Ele pediu um boicote a Israel em 2014 e disse que o ex-presidente dos EUA George W. Bush e o ex-primeiro-ministro do Reino Unido Tony Blair deveriam ser “obrigados a responder” no Tribunal Penal Internacional por suas ações em torno da guerra do Iraque.

Mas ele também se distinguia por seu senso de humor, personificado em uma risada característica, parecida com uma risadinha.

Enquanto visitava o “The Daily Show” em 2004, ele se separou das piadas de Jon Stewart. E ele zombou da entrevistadora de “On Being”, Krista Tippett, em 2014, repreendendo-a por não lhe oferecer as mangas secas – suas favoritas – que ela trouxera.

Apesar de todos os elogios e fama, no entanto, ele disse à CNN que não se sentia um “grande homem”.

“O que é um grande homem?” ele disse. “Só sei que tive oportunidades incríveis, incríveis … Quando você se destaca na multidão, é sempre porque está sendo carregado nos ombros de outras pessoas”, pontuou.

Apesar de todas as suas boas obras, ele acrescentou, pode ter havido outra razão para ele ter tantos seguidores.

“Eles me levaram apenas porque eu tenho um nariz grande”, disse ele. “E eu tenho esse nome fácil, Tutu”, finalizou.

Tutu deixa sua esposa, com quem estava junto há mais de 60 anos, Nomalizo Leah Tutu, com quem teve quatro filhos, Trevor, Theresa, Naomi e Mpho.

Robyn Curnow, da CNN, contribuiu para esta reportagem.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN