Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Ataque ao Capitólio é símbolo da divisão da sociedade americana, diz especialista

    Em entrevista à CNN, Gunther Rudzit afirma que invasão, que completa um ano nesta quinta (6), arranhou a imagem dos Estados Unidos como grande líder e potência democrática do mundo

    Layane SerranoTiago Tortellada CNN

    Ouvir notícia

    A invasão do Capitólio em 6 de janeiro de 2021 era “praticamente inimaginável” para a sociedade americana, e é o símbolo máximo da divisão da população dos Estados Unidos, de acordo com o professor de Relações Internacionais da ESPM Gunther Rudzit.

    Em entrevista à CNN, o especialista afirmou que o acirramento das discussões políticas para a violência no país acontece desde o início da década de 2010, refletindo negativamente na imagem dos EUA.

    “Para a cultura americana, era algo praticamente inimaginável de acontecer, um presidente não aceitar os resultados da eleição e o povo marchar para reverter. O ataque arranhou a imagem americana como grande líder de potência democrática do mundo”, disse.

    De acordo com Rudzit, isso refletiu também no discurso que o atual presidente, Joe Biden, fez durante a cerimônia que marcou um ano do principal ataque à democracia do país norte-americano.

    O professor explica que não é comum um presidente americano fazer citações ou ataques a seus antecessores, mas Biden falou diversas vezes de Donald Trump, mesmo sem citar seu nome, a quem culpou pelos acontecimentos daquele dia.

    Para Rudzit, o partido republicano ainda está “dominado” por Donald Trump, o que pode interferir em qualquer responsabilização do ex-presidente pela insurreição de 6 de janeiro.

    Por fim, o professor alertou que a tensão política não é um problema exclusivo dos Estados Unidos, mas que está em todas as democracias ocidentais, segundo o especialista, o que é motivo de alerta.

    Veja a entrevista completa no vídeo acima

    Invasão completa um ano

    A invasão do Capitólio dos Estados Unidos, principal símbolo do poder político no país, na capital Washington, completa um ano nesta quinta-feira (6). Durante a sessão conjunta do Congresso que confirmaria a vitória de Joe Biden nas Eleições Presidenciais de 2020, em 6 de janeiro de 2021, centenas de apoiadores do então presidente, Donald Trump, marcharam para o prédio após meses alegando fraude nas votações, o que nunca foi comprovado e, pelo contrário, foi desmentido pelas principais autoridades dos EUA.

    No ataque, os agressores conseguiram superar momentaneamente a segurança do local, entrando no Capitólio, destruindo diversos objetos – muitos com significado histórico – e ameaçando de morte os congressistas.

    Mark Leffingwell, um ex-membro da Guarda Nacional que serviu no Iraque se declarou culpado, em 26 de outubro, de uma acusação de agressão a um policial do Capitólio dos EUA durante o motim de 6 de janeiro  / Foto: Stephanie Keith/Reuters

    O vice-presidente à época, Mike Pence, que comandava a sessão, membros do Congresso e jornalistas tiveram que se retirar às pressas, enquanto uma multidão escalava as escadarias do prédio e invadia os salões principais. A audiência foi retomada apenas nas primeiras horas do dia 7 de janeiro, confirmando a vitória de Biden.

    Vídeos de câmeras de segurança mostram os invasores armados com barras de ferro e sprays químicos atacando policiais. Áudios também revelam o desespero dos agentes de segurança com o avanço dos agressores no prédio.

    Confira a reportagem especial da CNN Brasil neste link.

    Mais Recentes da CNN