Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Sobe para 23 o número de mortos em ataque de mísseis russos na Ucrânia

    Dnipro, Uman e Ukrainka foram alvos da Rússia na madrugada desta sexta-feira (28), no ataque mais letal dos últimos 50 dias. Equipes de resgate procuram por crianças desaparecias em um dos edifícios atingidos

    Ataque de mísseis russos atingem prédio residencial em Uman, na região central da Ucrânia
    Ataque de mísseis russos atingem prédio residencial em Uman, na região central da Ucrânia Reuters

    Da CNN

    A Ucrânia acordou nesta sexta-feira (28) sob ataque de mísseis na ofensiva russa mais letal em quase dois meses. De início, foram contabilizadas 21 mortes nas cidades de Uman e Dnipro. Mais tarde, este número subiu para 23.

    Sirenes começaram a soar ainda de madrugada para alertar a população sobre ataques aéreos relatados nas cidades ucranianas Dnipro, Uman e Ukrainka, que fica a cerca de 45 quilômetros ao sul da capital Kiev.

    O ataque desta madrugada ocorre em um momento de tensão pela possibilidade de novas ofensivas russas e contra-ofensivas ucranianas, o que levaria a um agravamento da guerra. O último grande ataque russo havia sido realizado em 9 de março, quando autoridades ucranianas fizeram uma estimativa próxima a de hoje de mortes.

    Imagens recentes de satélite analisadas pela CNN mostraram que as forças russas esvaziaram uma base importante no norte da Crimeia, em uma indicação de movimentação para possíveis batalhas.

    Em Uman, na região central do país, um prédio residencial foi atingido por mísseis, pegou fogo e deixou ao menos 19 mortos, incluindo três crianças. Dezoito pessoas ficaram feridas.

    Segundo o ministro do Interior da Ucrânia, Ihor Klymenko, havia 46 apartamentos em um dos prédios atingidos, dos quais 27 foram totalmente destruídos. Ele disse que pode levar um dia para limpar todos os escombros.

    A CNN falou com uma mulher local, Liuda, cujo amigo morava no oitavo andar. Quando soube que o prédio havia sido atingido, Liuda correu até lá para descobrir que sua amiga havia sobrevivido, mas o marido dela havia sido hospitalizado e suas duas filhas, de 7 e 13 anos, ainda estavam desaparecidas.

    “As pessoas ainda estão presas sob os escombros [em Uman]”, disse presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, em um post em seu canal oficial no Telegram.

     As equipes de resgate ainda estão procurando por crianças desaparecidas sob os escombros do prédio de apartamentos. Os bombeiros estão tentando chegar aos andares inferiores do prédio bombardeado, onde acreditam que um menino e uma menina estão presos, disseram autoridades a uma equipe da CNN no local. 

    Os pais das duas crianças sobreviveram ao ataque e estão tentando ligar para os celulares das crianças. Uma ligação foi feita para um dos telefones, mas os socorristas não conseguiram ouvir nada. 

    A polícia local trouxe psicólogos e um centro de testes de DNA para ajudar as famílias locais. Uma escola perto do local da explosão está fornecendo abrigo e roupas para as famílias que perderam suas casas. 

    Em Dnipro, no sul da Ucrânia, um míssil atingiu uma casa, que matou uma mulher de 30 anos e uma criança de dois.

    Serhii Lysak, governador da região de Dnipropetrovsk, disse que a mulher se mudou para a casa dos pais devido à guerra.

    “Ela pensou que seria mais seguro. Mas agora foi reduzida a cinzas”, disse ele. Os pais da mulher estão hospitalizados, disse Lysak.

    O exército ucraniano disse ter interceptado 21 mísseis dos 23 disparados pela Rússia nesta sexta. Além disso, há registros de explosões em Kiev provacadas por drones e projéteis.

    Zelensky enviou condolências às vítimas dos ataques com mísseis russos em todo o país.

    “Este terror russo deve enfrentar uma resposta justa da Ucrânia e do mundo. E vai acontecer”, disse.

    Para o ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, os ataques noturnos são a “resposta de Moscou a todas as iniciativas de paz”.

    “Ataques com mísseis matando ucranianos inocentes durante o sono, incluindo uma criança de 2 anos, é a resposta da Rússia a todas as iniciativas de paz. O caminho para a paz é expulsar a Rússia da Ucrânia. O caminho para a paz é armar a Ucrânia com F-16 e proteger as crianças do terror russo”, disse Dmytro Kuleba no Twitter.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original