Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Ataque israelense mata 16 em escola da ONU em Gaza, diz ministério

    Local abriga refugiados palestinos; Israel afirma que local era usado por militantes do Hamas

    Palestinos procuram vítimas no local de ataques israelenses a casas no campo de refugiados de Al Shati, na Cidade de Gaza
    Palestinos procuram vítimas no local de ataques israelenses a casas no campo de refugiados de Al Shati, na Cidade de Gaza 22/06/2024REUTERS/Ayman Al Hassi

    Eyad KourdiKareem El DamanhouryLauren Izsoda CNN*

    Um ataque israelense matou pelo menos 16 palestinos e feriu outros 50 na escola Al-Jaouni da Agência da Onu para Refugiados Palestinos, a UNRWA, que abriga pessoas deslocadas no campo de al-Nuseirat, no centro de Gaza, disse o Ministério da Saúde palestino no sábado (6).

    A CNN não pode verificar de forma independente os números do ministério.

    Um homem deslocado na escola disse à CNN que crianças estavam entre os feridos.

    “Tinha balanço aqui, (crianças) brincavam. Qual foi a culpa deles? ele disse enquanto segurava sua filha. “Mal encontramos este lugar na escola, mas nem a escola é segura.”

    O vídeo obtido pela CNN mostra várias crianças feridas chegando a um hospital próximo após o ataque.

    Os militares israelenses disseram em comunicado no sábado que militantes operavam em estruturas localizadas na área escolar. “Este local serviu como esconderijo e infraestrutura operacional a partir da qual foram dirigidos e realizados ataques contra as tropas das FDI (Forças de Defesa de Israel) que operavam na Faixa de Gaza”, acrescentou o comunicado.

    A CNN não pôde verificar de forma independente a afirmação dos militares israelenses.

    A diretora de comunicação da UNRWA, Juliette Touma, disse à CNN que a UNRWA ainda não tem todas as informações, acrescentando que metade das instalações da UNRWA em Gaza foi atingida desde 7 de outubro.

    “Pelo menos 500 pessoas abrigadas nessas instalações foram mortas, muitas eram mulheres e crianças”, acrescentou.

    O Ministério das Relações Exteriores egípcio disse que “condenou nos termos mais fortes” o ataque ao edifício da UNRWA, que disse “abriga milhares de civis deslocados”.

    O Ministério dos Negócios Estrangeiros da Jordânia denunciou o ataque e o que chamou de “claro desrespeito de Israel pelas regras do direito internacional”, afirmando que as instalações humanitárias e os abrigos devem ser protegidos pelo direito internacional.

    A notícia chega no momento em que parecia que algum progresso estava sendo feito na libertação de reféns e nas negociações de trégua, há muito paralisadas. Um alto funcionário do Hamas disse à CNN que o grupo militante estava pronto para reconsiderar a sua insistência para que Israel se comprometesse com um cessar-fogo permanente em Gaza antes de assinar um acordo que daria início a uma trégua temporária e iniciaria um processo para libertar reféns.

    Entretanto, as manifestações quase semanais contra o governo israelense continuaram no sábado. Milhares de pessoas reuniram-se na Praça da Democracia de Tel Aviv para convocar novas eleições e a libertação de reféns, num contexto de descontentamento com a forma como o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu tem tratado questões como a guerra em Gaza.

    A polícia israelense afirmou num comunicado que dois manifestantes foram detidos na manifestação de Tel Aviv, alegando violações da ordem pública e comportamento inseguro, incluindo “acender fogueiras na estrada”.

    A polícia disse ter mobilizado grandes forças para manter a segurança e a ordem e dispersar a manifestação depois de os manifestantes se reunirem ilegalmente na estrada Menachem Begin e terem tentado bloqueá-la, apesar da aprovação inicial do protesto.

    Os manifestantes agitavam bandeiras israelenses e seguravam cartazes criticando Netanyahu, enquanto a polícia usava canhões de água para dispersar os manifestantes que bloqueavam o trânsito na rodovia Ayalon.

    “Depois que a maioria dos manifestantes se dispersaram naturalmente e à luz das violações da ordem por parte de um punhado de manifestantes, a polícia teve que declarar uma manifestação ilegal”, disse a polícia.

    “Durante a dispersão dos manifestantes, a polícia prendeu dois suspeitos”.

    A polícia alertou ainda que “agirá com tolerância zero para com aqueles que perturbam a ordem e não ouvirem as instruções dos polícias”.

    O presidente da Unidade Nacional de Israel e ex-ministro do gabinete de guerra, Benny Gantz, foi visto participando de uma manifestação pedindo o retorno dos reféns.

    As manifestações frequentemente semanais não mudaram o cenário político e Netanyahu ainda controla uma maioria estável no parlamento.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original