Austrália se junta aos EUA e anuncia boicote diplomático às Olimpíadas de Pequim

Primeirro-ministro australiano afirmou que a decisão foi tomada devido à preocupações relacionadas aos "abusos e questões dos direitos humanos em Xinjiang"

Manifestantes protestam contra realização do evento
Manifestantes protestam contra realização do evento Reuters

Ben WestcottCaitlin McGeeda CNN

Ouvir notícia

A Austrália se juntará aos Estados Unidos em um boicote diplomático aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim em 2022, disse o primeiro-ministro Scott Morrison nesta quarta-feira (8).

Morrison disse que embora os atletas australianos ainda participem dos Jogos em fevereiro, o governo manterá os representantes oficiais em casa.

Em entrevista coletiva em Sydney, o líder australiano disse que “os abusos e questões dos direitos humanos em Xinjiang” foram algumas das preocupações levantadas pelo governo australiano com Pequim.

“Estou muito feliz em conversar com o governo chinês sobre essas questões, e não houve obstáculo para que isso ocorresse do nosso lado, mas o governo chinês consistentemente não aproveitou as oportunidades para se reunir conosco e resolver”, disse Morrison.

Há meses, ativistas pedem um boicote aos Jogos por abusos dos direitos humanos cometidos pelo governo chinês em Xinjiang e no Tibete e sua repressão política em Hong Kong.

Pequim foi acusada pelos EUA e outras nações ocidentais de prender mais de um milhão de uigures de maioria muçulmana em centros de detenção em Xinjiang, onde alguns ex-detentos afirmam que foram torturados, estuprados ou esterilizados à força.

A China nega as acusações, dizendo que os campos são centros de reeducação projetados para combater o separatismo e o terrorismo islâmico na região oeste do país.

A embaixada chinesa na Austrália criticou a decisão de de boicotar os Jogos e disse que isso não iria melhorar as relações já frias entre os dois países.

“Como todos sabemos, a culpa pela atual situação difícil das relações China-Austrália recai diretamente sobre o lado australiano”, disse o comunicado.

Embora o Comitê Olímpico Internacional (COI) tenha dito em janeiro que conceder a um país os Jogos não significava endossar seus “padrões de direitos humanos”, ativistas disseram que dar o evento de alto perfil à China acrescentou legitimidade às ações do Partido Comunista.

O anúncio de Morrison segue uma decisão do governo Biden de não enviar uma delegação oficial dos EUA aos Jogos – o primeiro país a confirmar um boicote diplomático.

A secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, disse que a ação dos EUA foi uma declaração contra o “genocídio em curso na China e os crimes contra a humanidade em Xinjiang”.

Atletas americanos ainda terão permissão para competir nos Jogos, mas o governo não enviará funcionários do governo. A mesma política se aplica aos Jogos Paraolímpicos de Inverno de 2022, programados para março.

Os EUA sediarão os Jogos Olímpicos de Verão de 2028 em Los Angeles, enquanto os Jogos de 2032 acontecerão em Brisbane, Austrália.

(Texto traduzido. Clique aqui para ler o original em inglês)

Mais Recentes da CNN