Áustria volta a ter manifestações em massa contra vacinação obrigatória

Milhares de pessoas tomam as ruas de Viena contra as restrições impostas pelo governo após aumento de casos de Covid-19

Protesto de pessoas antivacina em Viena, Áustria
Protesto de pessoas antivacina em Viena, Áustria Foto: Michael Gruber/Getty Images

Lisi NiesnerElena Gyldenkerneda Reuters

Ouvir notícia

Milhares de pessoas, muitas delas partidárias da extrema-direita, protestaram na capital da Áustria, Viena, neste sábado (11) contra as restrições impostas pelo governo no combate ao coronavírus e a vacinação obrigatória.

Multidões barulhentas, aplaudindo, assobiando e batendo tambores, fluíram para a Praça dos Heróis no centro de Viena.

Muitos manifestantes agitaram bandeiras e carregaram cartazes com slogans como “não ao mandato da vacina” e “não é não”.

O governo conservador da Áustria deu detalhes, na quinta-feira (9 de dezembro), de seu plano para tornar as vacinas contra o coronavírus obrigatórias, dizendo que se aplicará a pessoas com 14 anos ou mais e que os que optarem por não tomar as doses enfrentam multas de até 3.600 euros (US$ 4.071) a cada três meses.

Cerca de 68% da população da Áustria está totalmente vacinada contra Covid-19, uma das taxas mais baixas da Europa Ocidental.

Muitos austríacos são céticos em relação às vacinas, uma visão encorajada pelo Partido da Liberdade, de extrema-direita, o terceiro maior no parlamento.

“Eu demonstro a liberdade de escolha se quero ser vacinado ou não. Acredito que essa deve ser uma decisão individual”, disse René após ouvir o líder de extrema-direita Herbert Kickl, que recentemente contraiu Covid-19.

“Penso que não devemos deixar o governo escapar impune do mandato da vacina. O que seguirá?”, acrescentou.

“Não sou contra a vacina ou outras decisões relacionadas à vacina, mas sou contra o mandato da vacina porque é uma vacina experimental que ainda não foi testada adequadamente”, disse Cosima, uma enfermeira, enquanto segurava um banner onde se lia “Prefiro ser despedido do que vacinado”.

O mandato da vacina, que deve ser aprovado pelo parlamento, deve começar em fevereiro e durar até janeiro de 2024. Dois partidos da oposição apoiam, sugerindo que será aprovado facilmente.

Haverá isenções para mulheres grávidas e pessoas que não puderem ser vacinadas por motivos médicos.

Mais Recentes da CNN