Banir Trump foi decisão certa, mas abre precedente perigoso, diz CEO do Twitter

Jack Dorsey diz que danos no mundo real ocasionado pelas falas virtuais do presidente dos EUA motivaram decisão da empresa

Conta de Trump está suspensa e não pode mais ser acessada
Conta de Trump está suspensa e não pode mais ser acessada Foto: Divulgação

Ouvir notícia

O CEO do Twitter, Jack Dorsey, defendeu a decisão de sua empresa de banir o presidente dos EUA, Donald Trump, ao mesmo tempo em que reconheceu que a mudança decorre de seu fracasso em promover conversas “saudáveis” e estabelece um “precedente perigoso”.

“Acredito que esta foi a decisão certa para o Twitter”, disse Dorsey em uma série de 13 postagens em sua plataforma, citando circunstâncias “extraordinárias e insustentáveis” depois que Trump incitou um motim no Capitólio dos Estados Unidos na semana passada.

“Não comemoro nem sinto orgulho por termos que banir @realDonaldTrump do Twitter, ou como chegamos aqui”, disse Dorsey. “Os danos offline como resultado da fala online são comprovadamente reais e o que impulsionou nossa política e aplicação acima de tudo.”

Nos últimos quatro anos, o Twitter foi fundamental para a presidência de Trump, um fato que também beneficiou a empresa na forma de incontáveis ??horas de engajamento dos usuários. 

A empresa adotou uma abordagem leve para moderar a conta do presidente norte-americano, muitas vezes argumentando que, como funcionário público, Trump deve ter ampla liberdade para falar. Mas a invasão no Capitólio fez o Twitter reconsiderar seu posicionamento.

Dorsey analisou as implicações da decisão em seus posts, admitindo que “ter que banir uma conta tem ramificações reais e significativas”. Remover usuários, disse ele, fragmenta a conversa pública e divide as pessoas.

“Embora haja exceções claras e óbvias, acho que a proibição é uma falha nossa em promover uma conversa saudável. E um momento para refletirmos sobre nossas operações e o ambiente ao nosso redor”, disse ele.

O CEO também abordou ações semelhantes tomadas por outras empresas de mídia social, como Facebook e Snapchat, para banir o presidente. Essas ações não foram coordenadas, disse Dorsey, mas representam um desafio para a indústria de tecnologia.

“A verificação e a responsabilização sobre esse poder sempre foi o fato de que um serviço como o Twitter é uma pequena parte da conversa pública mais ampla que acontece na Internet”, disse ele. “Se as pessoas não concordarem com nossas regras e aplicação, elas podem simplesmente procurar outro serviço de Internet.”

“Este conceito foi desafiado na semana passada, quando vários fornecedores de ferramentas fundamentais da internet também decidiram não hospedar o que consideraram perigoso”, continuou ele.

A Amazon tirou do ar o Parler, uma plataforma usada pela extrema direita, ao cancelar seu contrato de hospedagem na web.

Banir Trump reflete fracasso em promover conversas saudáveis, diz CEO do Twitter
CEO do Twitter, Jack Dorsey, afirmou que decisão de banir Donald Trump reflete fracasso em promover conversas saudáveis
Foto: Hannah McKay – 17.nov.2020/Reuters

A decisão de banir o presidente do Twitter teve consequências imediatas: Trump perdeu o acesso a mais de 88 milhões de seguidores e a mudança expôs a empresa a reclamações de censura dos republicanos. 

Os democratas criticaram o papel da mídia social em habilitar Trump e alertaram sobre uma nova legislação para regular a indústria de tecnologia.

Dorsey sugeriu em suas postagens que as ações da indústria de tecnologia também poderiam ter implicações de longo prazo.

“Este momento pode exigir essa dinâmica, mas a longo prazo será destrutivo para o propósito nobre e os ideais da internet aberta. Uma empresa que toma uma decisão de negócios para se moderar é diferente de um governo que remove o acesso, apesar de o sentido ser parecido”, disse Dorsey.

“Sim, todos precisamos analisar criticamente as inconsistências de nossa política. Sim, precisamos ver como nosso serviço pode incentivar a distração e danos. Sim, precisamos de mais transparência em nossas operações de moderação. Tudo isso não pode corroer uma internet global gratuita e aberta”, acrescentou.

(Texto traduzido; leia o original em inglês)

Mais Recentes da CNN