Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Bilionário ameaça retirar financiamento se universidade nos EUA não combater antissemitismo

    Ronald Lauder repudiou um evento sobre literatura palestina realizado na Universidade da Pensilvânia, que supostamente incluiria palestrantes com histórico de fazer comentários antissemitas

    Ronald S Lauder, Presidente do Congresso Judaico Mundial (WJC)
    Ronald S Lauder, Presidente do Congresso Judaico Mundial (WJC) Michael Kappeler/picture Alliance via Getty Images

    Matt Eganda CNN

    Nova York

    O bilionário Ronald Lauder, um poderoso financiador da Universidade da Pensilvânia (UPenn), importante instituição de ensino superior particular nos EUA, está ameaçando cortar as doações se não houver mais para combater o antissemitismo, segundo apurou a CNN.

    A ameaça de Lauder, um dos herdeiros da empresa de cosméticos Estée Lauder, marca as últimas consequências de doadores e ex-alunos alarmados com um festival literário palestino realizado no campus no mês passado, antes dos ataques terroristas do Hamas contra Israel.

    Mesmo antes do início do Festival de Literatura de Escritos da Palestina (Palestine Writes), os líderes da UPenn reconheceram que incluiria palestrantes com histórico de fazer comentários antissemitas.

    “A conferência colocou uma mancha profunda na reputação da Penn que levará muito tempo para ser reparada”, escreveu Lauder à presidente da UPenn, Liz Magill, na segunda-feira, em uma carta obtida pela CNN.

    Veja também: À CNN, porta-voz do Exército de Israel nega ataque a hospital em Gaza

    “Você está me forçando a reexaminar meu apoio financeiro na ausência de medidas satisfatórias para enfrentar o antissemitismo na universidade”, escreveu Lauder.

    O festival Palestine Writes criou uma reação que levou doadores proeminentes, incluindo o bilionário Marc Rowan e o ex-embaixador dos EUA Jon Huntsman, que prometeram cortar o financiamento.

    Rowan pediu a renúncia de Magill e o administrador Vahan Gureghian renunciou no final da semana passada.

    Lauder disse que tinha duas pessoas tirando fotos no festival Palestine Writes e mais duas que ouviam os palestrantes, que eram “antissemitas e visceralmente anti-Israel”.

    Os organizadores do festival Palestine Writes negaram que ele adotasse o antissemitismo, de acordo com o jornal estudantil da UPenn, The Daily Pennsylvanian.

    “Os ex-alunos são membros importantes da comunidade Penn. Ouço a sua raiva, dor e frustração e estou tomando medidas para deixar claro que estou, e Penn está, enfaticamente contra os ataques terroristas do Hamas em Israel e contra o antissemitismo”, disse Magill num comunicado na terça-feira (17).

    “Como universidade, apoiamos e incentivamos a livre troca de ideias, juntamente com um compromisso com a segurança da nossa comunidade e os valores que partilhamos e trabalhamos para promover”, disse Magill.

    “Penn tem a responsabilidade moral de combater o antissemitismo e de educar a nossa comunidade para reconhecer e rejeitar o ódio em todas as suas formas. Eu disse que deveríamos ter comunicado mais rápida e amplamente sobre nossa posição, mas que não haja dúvidas de que estamos firmes em nossas crenças.”

    Lauder, cuja fortuna é estimada em US$ 4,6 bilhões, segundo a Forbes, atua como presidente do Congresso Judaico Mundial, uma organização que visa proteger as comunidades judaicas em todo o mundo da discriminação.

    “Passei os últimos 40 anos da minha vida lutando contra o antissemitismo em todo o mundo e nunca, na minha imaginação mais selvagem, pensei que teria que lutar contra isso na minha universidade, na minha alma mater e na alma mater da minha família”, escreveu Lauder na carta.

    Lauder, que serviu como embaixador dos EUA na Áustria na década de 1980, formou-se na UPenn e ajudou a fundar o Instituto Lauder, um programa de negócios da Wharton que leva o nome de seu pai.

    Lauder disse que fez uma “viagem especial” à Filadélfia para se encontrar com Magill e persuadi-la a cancelar o festival Palestine Writes e fez dois telefonemas subsequentes nesse esforço.

    “O momento deste evento não poderia ter sido pior”, escreveu ele.

    Em sua carta, Lauder argumentou que os organizadores do evento vieram “quase exclusivamente” do Departamento de Artes e Ciências e exigiu que medidas fossem tomadas.

    “Deixe-me ser o mais claro possível: não quero que nenhum dos alunos do Instituto Lauder, os melhores e mais brilhantes da sua universidade, seja ensinado por qualquer um dos instrutores que estiveram envolvidos ou apoiaram este evento”, escreveu Lauder. “Sabemos quem eles são e o que fizeram.”

    Magill, presidente da UPenn, admitiu no fim de semana que a resposta ao Festival de Literatura de Escritos da Palestina foi inadequada.

    “Embora nos comunicássemos, deveríamos ter agido mais rapidamente para compartilhar nossa posição de forma forte e mais ampla com a comunidade da Pensilvânia”, disse Magill em comunicado no domingo.

    A líder da UPenn disse que sabe o quão “dolorosa foi a presença desses oradores” no campus para a comunidade judaica, especialmente durante o período mais sagrado do ano judaico.

    “A Universidade não endossou, e enfaticamente não endossa, esses palestrantes ou seus pontos de vista”, disse Magill.

    “Quero não deixar dúvidas sobre onde estou. Eu e esta Universidade estamos horrorizados e condenamos o ataque terrorista do Hamas a Israel e as suas atrocidades violentas contra civis”, disse Magill.

    “Não há justificativa – nenhuma – para estes ataques hediondos, que consumiram a região e estão incitando a violência noutras partes do mundo.”

    O Palestine Writes se descreve como o “único festival de literatura norte-americano dedicado a celebrar e promover produções culturais de escritores e artistas palestinos”.

    Um organizador disse à CNN que o festival pretendia celebrar a cultura e a literatura palestina.

    “Queríamos homenagear nossos ancestrais, celebrar nossa herança. Discutir nossos livros, falar sobre nossa situação. Falar sobre resistência, falar sobre política e poder e cultura e música e livros e comida e todas essas coisas”, disse Susan Abulhawa, diretora executiva do Palestine Writes Literature Festival, à CNN.

    Abulhawa, um autor que não é afiliado à UPenn, descreveu o evento como “glorioso” e “tão lindas pessoas choraram”.

    (Ramishah Maruf contribuiu para este texto)

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original