Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Bolsonaro participa de maior evento conservador dos EUA e deve encontrar Trump

    Conferência de Ação Política Conservadora (CPAC, na sigla em inglês), em Washington, capital do país

    Ex-presidente dos EUA Donald Trump, ao lado do ex-presidente brasileiro Jair Bolsonaro
    Ex-presidente dos EUA Donald Trump, ao lado do ex-presidente brasileiro Jair Bolsonaro Alan Santos/ PR

    Da CNN

    O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) participa, neste sábado (4), da Conferência de Ação Política Conservadora (CPAC, na sigla em inglês), em Washington, nos Estados Unidos, a partir das 16h (de Brasília), e deve se encontrar com o ex-líder do país Donald Trump.

    Conforme apuração da âncora da CNN Daniela Lima com um aliado de Bolsonaro, o ex-mandatário vai focar em “temas que unam os dois países”, como liberdade de expressão e terrorismo.

    Há expectativa que seja citado o atracamento dos navios de guerra do Irã no Rio de Janeiro, autorizados pelo governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), mesmo após pressão dos norte-americanos.

    A informação inicial da ida ao evento foi divulgada em 16 de fevereiro pelo jornal norte-americano “Washington Examiner”, sendo confirmada pela CNN com pessoas ligadas ao ex-chefe do Executivo brasileiro.

    O noticiário destacou o fato do ex-líder do Planalto ser apelidado de “Trump da América” e realizar afirmações semelhantes às do ex-presidente EUA sobre supostas irregularidades eleitorais.

    “É uma honra receber o ex-presidente Bolsonaro na CPAC e nossos participantes receberão sua perspectiva sobre o que está acontecendo na luta pela liberdade aqui e no Brasil”, declarou o presidente do evento, Matt Schlapp, à mídia dos Estados Unidos.

    O primeiro encontro entre Trump e Bolsonaro aconteceu em 2019, em Washington, quando ambos eram chefes de Estado. Eles trataram de estreitar laços e discutir questões como a crise na Venezuela, redução da barreira comercial e a entrada do Brasil na Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

    A última vez que ambos se viram foi em 2020, em uma reunião na casa do ex-presidente norte-americano em Mar-a-Lago, na Flórida.

    Bolsonaro está nos EUA desde dezembro do ano passado. Em entrevista recente ao Wall Street Journal, ele afirmou que pretende voltar ao Brasil em março.

    Entretanto, ressaltou o risco da prisão, dizendo que “pode aparecer do nada”. Além disso, o ex-líder brasileiro disse que ainda pretende ser o líder da direita nos próximos anos e o movimento não está morto.

    (*Publicado por Douglas Porto com informações de Kaio Teles e Leonardo Ribbeiro, da CNN)