Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Casa Branca diz que não viu plano “crível” de Israel para proteger civis em Rafah

    ONU diz que consequências de operação em Rafah seriam catastróficas

    Fumaça durante ataque israelense em Rafah
    Fumaça durante ataque israelense em Rafah 14/3/2024 REUTERS/Bassam Masoud

    Sam Fossumda CNN

    A Casa Branca disse neste domingo (17) que ainda não viu um plano “credível” do governo de Israel sobre como protegeria as centenas de milhares de civis no sul da Faixa de Gaza se avançar com uma operação militar na cidade de Rafah.

    “Não apoiaremos, não podemos apoiar, uma operação em Rafah que não tenha um plano executável, verificável e realizável para cuidar de 1,5 milhão de pessoas que estão tentando encontrar refúgio em Rafah”, ressaltou o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional, John Kirby, no “Fox News Domingo”.

    Kirby destacou que o governo israelense afirmou ter um plano de evacuação chamado “ilhas humanitárias”, mas os EUA só estão abertos a “qualquer plano confiável para cuidar delas. Mas ainda não vimos isso”.

    Os comentários foram feitos depois que o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, disse que os planos operacionais para a ação em Rafah haviam sido aprovados.

    Quando questionado no programa “This Week” da ABC qual seria a resposta dos EUA se Israel se mudasse para Rafah da mesma forma que fez em outras partes de Gaza, Kirby disse: “Não quero avançar sobre onde estamos”.

    O chefe da Organização Mundial da Saúde e outras agências de ajuda humanitária alertaram contra uma potencial incursão em Rafah, dizendo que os palestinos que ali se abrigam já foram deslocados de outras partes do território e não têm nenhum lugar seguro para onde se mudar.

    A CNN noticiou anteriormente que os habitantes de Gaza que seguiram ordens de evacuação foram mortos por ataques israelenses, sublinhando a realidade de que as zonas de evacuação e os avisos dos militares não garantiram a segurança dos civis.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original