Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    “Cenário de pesadelo”: furacão Otis atinge Acapulco, no México, com ventos de 265 km/h

    Fenômeno é o mais forte a atingir a costa leste do México e deve se dissipar na noite desta quarta-feira (25)

    Elizabeth WolfeAya ElamroussiRobert Shackelfordda CNN

    O furacão Otis atingiu o México, perto de Acapulco, na madrugada desta quarta-feira (25). De categoria 5, o sistema ofereceu risco de vida e proporcionou o que os meteorologistas alertaram que poderia ser um “cenário de pesadelo” para a costa sul do país, ameaçando causar catástrofes com ventos destrutivos, chuvas fortes e tempestades.

    O centro de Otis atingiu a costa do México por volta das 0h25 (horário local) com ventos de 265 km/h, disse o Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos.

    Em poucas horas, os ventos diminuíram para 210 km/h, disse o centro, com os ventos perigosos com força de furacão estendendo-se até 50 km do centro de Otis.

    Às 3h, o furacão já estava a cerca de 40 km ao norte-noroeste de Acapulco, segundo o centro.

    A tempestade deverá enfraquecer rapidamente à medida que avança para o interior e sobre os terrenos mais elevados do sul do México, onde deve se dissipará na noite desta quarta-feira.

    Na terça-feira (24), o presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador, implorou aos residentes do litoral do estado de Guerrero, que inclui a cidade de Acapulco, que procurassem abrigo e se mantivessem longe de rios, riachos e barrancos antes da chegada da tempestade.

    Um alerta de furacão está em vigor na costa de Punta Maldonado, a oeste de Zihuatanejo.

    “Esta é uma situação extremamente séria para a área metropolitana de Acapulco, com o núcleo do furacão destrutivo provavelmente chegando perto ou sobre aquela grande cidade na manhã de quarta-feira”, disse o centro de furacões na noite de terça-feira. “Não há registo de furacões nem perto desta intensidade nesta parte do México.”

    Acapulco é o lar de cerca de 800.000 pessoas.

    Os ventos perto do núcleo de Otis são “extremamente destrutivos”, alertou o centro de furacões na quarta-feira. Os andares superiores de edifícios altos correm maior risco de ventos fortes do que aqueles mais próximos do nível do solo, disse o centro.

    A previsão é de que o furacão crie tempestades que provavelmente provocarão “ondas grandes e destrutivas” e inundações potencialmente fatais em torno da área onde atingiu a costa.

    Além disso, são esperados até 200 mm de chuva até o final da semana, com algumas áreas registrando até 500 mm de precipitação. As fortes chuvas podem causar inundações repentinas e urbanas, bem como deslizamentos de terra em áreas de terreno mais elevado, alertou o centro de furacões.

    Otis se intensificou rapidamente ao longo da terça-feira, ganhando 130 km/h em um período de 12 horas. Ele se tirniy o furacão de intensificação mais rápida na história do Pacífico Oriental, de acordo com Phil Klotzbach, cientista pesquisador do departamento de ciências atmosféricas da Universidade Estadual do Colorado.

    Para contextualizar, a rápida intensificação dos furacões significa que os ventos máximos sustentados da tempestade aumentaram em pelo menos 55 km/h em 24 horas ou menos.

    Otis supera a força do recordista de 2015

    Antes de Otis, não havia registro de um furacão de categoria 5 no Pacífico Leste, segundo o banco de dados de furacões da NOAA. O mais forte havia sido o furacão Patricia em 2015, que atingiu o solo como um furacão de categoria 4 com ventos de 240 km/h.

    Ao contrário de Otis, que atingiu a costa perto de uma grande área urbana, Patricia atravessou um trecho montanhoso e escassamente povoado da costa, poupando Puerto Vallarta e Manzanillo.

    E embora Patricia tenha atingido a costa como uma tempestade de categoria 4, ela rapidamente degenerou e deixou um rastro estreito de graves danos, de acordo com o Centro Nacional de Furacões. Duas mortes foram relatadas como resultado direto da tempestade, disse o centro.

    Veja também: Brasileiros relatam drama com a chegada do furacão Idalia

    Veja também: Rostos esculpidos em pedras há 2 mil anos são expostos pela seca do rio Amazonas

    Com informações de Taylor Ward e Karol Suarez

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original