Chimpanzé macho mais velho dos EUA morre aos 63 anos

Expectativa média de vida da espécie na natureza é de 33 anos

O chimpanzé Cobby, do Zoo de São Francisco
O chimpanzé Cobby, do Zoo de São Francisco Foto: Reprodução/Marianne Hale/Instagram @sanfranciscozoo

Reuters

Ouvir notícia

Cobby, o chimpanzé macho mais velho dos Estados Unidos, um pacificador amado entre os primatas e um emissário animal para aqueles que visitam e trabalham no zoológico de São Francisco, morreu aos 63 anos. 

“Cobby era parte de São Francisco”, disse Tayna Peterson, da Sociedade Zoológica de São Francisco em nota. “Ele é insubstituível e nossos corações estão partidos.”

Os cuidadores do zoo “sentirão falta de como o animal dizia ‘boa noite’ a eles, com um chamado suave”, diz um comunicado do zoológico. 

Apelidado de “papai” por ser o membro mais velho e respeitado do bando de primatas, Cobby era lembrado como um mentor compassivo e carismático para os chimpanzés recém-chegados ao zoo, e era responsável pela introdução suave de outros machos ao grupo. 

“Cobby nunca viveu ao lado de outros machos até recentemente, e ele foi capaz de se tornar um exemplo nas relações entre machos, enquanto manteve laços fortes com as companheiras fêmeas, com quem vivia há muito”, continua a nota do zoo. 

Antes de ser enviado para o local junto de três fêmeas nos anos 1960, Cobby foi criado por humanos e era parte de espetáculos. Como resultado, ele também formou laços fortes com os cuidadores do zoo. 

A consideração dele pelos humanos se estendia aos visitantes do zoo, que se divertiam ao assisti-lo na Passagem dos Grandes Primatas, uma exibição com estruturas de escalada feitas para permitir que humanos e chimpanzés se vissem de perto. 

“Todos nós sentiremos falta de vê-lo, com a bela barba cinza dele, nos assistindo da plataforma mais alta da instalação”, disse o zoo. 

Cobby, que não deixou filhos, ultrapassou as expectativas ao viver até os 63 anos, antes de morrer no último sábado (5). A expectativa média de vida para os chimpanzés é de 33 anos na natureza e de 50 a 60 anos sob cuidado humano, disseram especialistas. 

Os chimpanzés são uma espécie ameaçada e um dos primatas que estão sob maior risco na África, com uma população silvestre de 100 mil a 200 mil indivíduos, devido a ameaças como caça, desequilíbrio no ecossistema e doenças, disse o zoo. 

Mais Recentes da CNN