China mantém política de Covid zero enquanto tenta conter surto generalizado

Novos casos de Covid-19 atingem 19 das 31 províncias do país; surto começou após casos positivos em grupo de idosos vacinados de Xangai

Testes em massa são realizados em todo o país; na foto, cidadãos de Yantai, na província de Shandong, passam pelo procedimento
Testes em massa são realizados em todo o país; na foto, cidadãos de Yantai, na província de Shandong, passam pelo procedimento Barcroft Media via Getty Images

Jessie Yeungda CNN

Ouvir notícia

A China está lutando para conter um novo surto de Covid-19, considerado mais disseminado, desde a primeira onda de infecções que começou em Wuhan em 2019.

Embora surtos subsequentes tenham provocado um número total de casos mais alto, este novo surto se espalhou ainda mais, com 19 das 31 províncias da China – mais da metade do país – relatando casos desde meados de outubro, de acordo com o National Health Comissão (NHC).

Nesta quarta-feira (3), o NHC relatou 93 novos casos sintomáticos, a maior contagem diária em três meses. Cerca de 500 casos foram relatados em todo o país desde o início do surto, de acordo com o jornal estatal Global Times.

O número pode parecer pequeno em comparação com outros países do Ocidente, muitos dos quais ainda relatam dezenas de milhares de casos por dia. Mas é considerado enorme para a China, que se manteve fiel à sua abordagem rígida de “covid zero”, incluindo fortes controles de fronteira e longas quarentenas para chegadas internacionais.

Esta abordagem – que visa erradicar o vírus completamente dentro das fronteiras da China – significa que até mesmo alguns poucos casos são vistos como uma ameaça terrível.

O surto em curso começou em 16 de outubro quando casos positivos foram detectados entre um grupo de idosos totalmente vacinados de Xangai que viajavam ao norte da China.

Os casos rapidamente aumentaram e se espalharam pelas províncias do norte. Na semana seguinte, funcionários da Comissão Nacional de Saúde alertaram sobre “vários surtos locais espalhados” no norte e no noroeste do país que estavam “se expandindo rapidamente”.

As autoridades imediatamente entraram em ação, seguindo o manual que conteve com sucesso os surtos anteriores: testes em massa, bloqueios instantâneos, quarentenas, suspensões de viagens e vigilância.

As autoridades do país proibiram viagens através das províncias pelas regiões afetadas. Em um destino turístico popular, todos os residentes e turistas foram proibidos de deixar suas casas.

A capital Pequim apertou as restrições de entrada na cidade e puniu infratores, colocando-os em detenção criminal.

Várias cidades, incluindo Lanzhou, que relatou várias dezenas de casos, foram colocadas sob bloqueio, afetando milhões de residentes no total.

No entanto, o vírus se espalhou rapidamente, levantando questões sobre a efetividade da política de “Covid zero” – bem como a eficácia das respostas de emergência da China, já que os surtos chegam com mais frequência por períodos mais longos.

O primeiro surto da história na China, no início da pandemia em Wuhan, foi amplamente controlado em março de 2020, com os casos permanecendo baixos pelo resto do ano.

Embora houvesse surtos ocasionais, eles também foram rapidamente contidos. No final do ano, boa parte do dia a dia voltou ao normal, com negócios em funcionamento e retomadas as viagens domésticas.

Moradores se registram para fazer testes de detecção de Covid em Quanzhou, na província chinesa de Fujian / 13/09/2021 China Daily via REUTERS

Variante Delta

O ano de 2021 também trouxe a chegada da variante Delta, altamente infecciosa, que causou estragos em todo o mundo.

A Delta gerou surtos graves em muitos países asiáticos que, até então, continham o vírus relativamente bem – incluindo Austrália, Malásia, Bangladesh, Tailândia e Vietnã.

A variante mais contagiosa e o crescente conselho de especialistas internacionais em saúde de que a Covid-19 provavelmente se tornaria endêmica fez com que muitos desses países abandonassem a abordagem de “Covid zero” e, em vez disso, se adaptassem ao fato de ter de “viver com a Covid”.

Na China, os efeitos do Delta estão se tornando claros. Após seu longo período de relativa normalidade, o país registrou vários surtos apenas nos últimos meses, com pouco tempo entre eles para se recuperar.

E as preocupações persistem sobre a eficácia das vacinas chinesas, especialmente diante da variante Delta.

Vacinação na China

Quase 2,3 bilhões de doses foram administradas até terça-feira (2), e no final de outubro 76% da população estava totalmente vacinada, de acordo com o NHC, mas isso não impediu que os surtos se espalhem rapidamente.

Neste verão, a China experimentou um de seus surtos mais graves, impulsionado pela Delta. A variante foi detectada pela primeira vez em julho na cidade oriental de Nanjing.

Com isso, as infecções começaram a ser relatadas em dezenas de cidades e se espalharam por 16 províncias.

Após a rotina familiar de testes em massa, bloqueios, restrições de movimento e quarentenas obrigatórias, os casos caíram aos níveis normais no final de agosto.

Apesar do aparente sucesso, o surto durante o verão demorou mais para ser contido do que os surtos anteriores – e se espalhou muito mais rápido entre as cidades.

Moradores e autoridades tiveram apenas algumas semanas para recuperar o fôlego antes que outro surto surgisse em setembro na província de Fujian.

Desta vez, as imagens das rígidas medidas de contenção do governo – incluindo a separação de crianças de quatro anos de seus pais durante a quarentena – geraram preocupação e críticas internacionais.

China vacina estudantes universitários contra a Covid-19
China vacina estudantes contra a Covid-19 / Costfoto/Barcroft Media via Getty Images

Novos surtos de infecção por Covid-19 são recorrentes

Em 29 de setembro, as autoridades de saúde declararam que o surto de Fujian havia sido controlado. No entanto, menos de três semanas depois, surgiu o surto atual.

Apesar da frequência e duração crescentes de seus surtos, a China não dá sinais de mudar sua estratégia – mesmo enquanto se prepara para dois eventos de alto perfil: um encontro crucial das elites do Partido Comunista na próxima semana, depois os Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim em fevereiro próximo.

“Diante dos surtos contínuos de Covid-19, especialistas em saúde acreditam que a China não pode abandonar sua abordagem de tolerância zero por enquanto”, disse um editorial do Global Times nesta quarta, alertando que “suspender os controles rígidos levaria a um resultado catastrófico”.

(Este texto é uma tradução. Para ler o original, em inglês, clique aqui)

Mais Recentes da CNN