Biólogos encontram espécie de cobra que muda de cor no Vietnã

“A espécie tem aparência bastante única. Tão única, na verdade, que não identificamos imediatamente o que era”, afirmou pesquisador sobre espécie rara

Jessie Yeung,

da CNN

Ouvir notícia

 

Em 2019, cientistas americanos e vietnamitas estavam pesquisando a biodiversidade nas florestas e montanhas do Vietnã quando se depararam com uma cobra de aparência estranha.

Ela era escura e iridescente, suas escamas brilhavam em tons de azul e verde na luz do sol. As escamas eram pequenas, rugosas, e estranhamente padronizadas. Os cientistas experientes não tinham ideia alguma do que seria aquilo – e logo perceberam que estavam olhando para uma espécie ainda desconhecida.

“Aquele foi um momento realmente eletrizante”, disse Aryeh Miller, um dos pesquisadores e membro do conselho do Museu Nacional de História Natural Smithsonian, em Washington D.C., capital dos Estados Unidos, em texto publicado no site da instituição. “A espécie tem aparência bastante única. Tão única, na verdade, que não identificamos imediatamente o que era.”

Cobra iridscente
Achalinus zugorum, a nova espécie de cobra descoberta por cientistas no Norte do Vietnã, que reflete azuis e verdes em suas escamas
Foto: American Society of Ichthyologists and Herpetologists/Smithsonian

Os pesquisadores, do Smithsonian e da Academia de Ciência e Tecnologia do Vietnã, publicaram seus achados na revista científica Copeia, nesta segunda-feira (9).

Eles identificaram a serpente na província de Ha Giang, ao Norte do Vietnã, região fronteiriça com a China. Haviam algumas dicas no mistério proposto aos cientistas de desvendar a espécie da serpente através de sua aparência: notavelmente, ela não possuía fotorreceptores para luzes fortes em seus olhos, o que sugere que viveria debaixo da terra ou de folhas. Esses tipos de cobra são particularmente difíceis de encontrar, por conta de seus hábitos subterrâneos.

Leia também:
Quatro leões testam positivo para Covid-19 em zoológico da Espanha
Coala invade casa na Austrália e ‘escala’ árvore de Natal
Descoberta de ovos em Goiás dá esperança para uma das aves mais raras do mundo
De morcegos a visons: como doenças passam de animais para humanos?

Eles também logo perceberam que a espécie pertence a um gênero raro, o Achalinus, também conhecido como “cobras com escamas incomuns”, pois suas escamas são espalhadas na pele, ao invés de sobrepostas, como a maioria das serpentes. Até o momento, são conhecidas apenas 13 espécies do gênero, das quais seis são nativas do Vietnã.

“Em 22 anos supervisionando répteis no Vietnã, eu conheci apenas seis cobras de escamas incomuns”, disse Truong Nguyen, vice diretor do Instituto de Recursos para a Ecologia e a Biologia na Academia de Ciência e Tecnologia do Vietnã, no site do Museus Smithsonian. “Esse é um dos grupos de répteis menos estudados”.

Cobra Vietnã
A descoberta da espécie pode ajudar os cientistas a investigar a evolução das espécies de serpentes
Foto: American Society of Ichthyologists and Herpetologists/Smithsonian

Os pesquisadores esperam que essa serpente, a qual nomearam Achalinus zugorum, em homenagem ao curador aposentado de répteis e anfíbios do Smithsonian, possa ajudar em novas descobertas. O gênero Achalinus se separou na árvore evolutiva antes de outros grupos, significando que ele pode se comportar de forma bastante diferente de outras cobras – e podem carregar informações vitais sobre a evolução das serpentes.

Após a pesquisa inicial, os pesquisadores levaram a espécie ao Smithsonian, onde eles retiraram amostras e sequenciaram o DNA do animal. A cobra será enviada de volta para o Vietnã em breve.

Destaques do CNN Brasil Business:
Brasil ainda não sabe qual será o Orçamento de 2021 – e por que isso é ruim
Investir em dívida do Estado tem retorno alto, mas envolve risco; conheça opção
BMW a R$ 24 mil e Pajero a R$ 26 mil: Santander faz leilão de carros na quinta

No estudo, o grupo de pesquisa também destacou os perigos que ameaçam a biodiversidade e os ecossistemas do Vietnã, como o desmatamento, a abertura de pedreiras em áreas florestais e o plantio ostensivo de espécies vendáveis.

“Está acontecendo muito rapidamente, não conseguimos acompanhar,” disse Miller, o cientista do Smithsonian. “Algumas das espécies exclusivas desta região desaparecem mesmo antes de serem descritas.”

Descobertas como essa podem suprir mais informação para políticas de conservação e o gerenciamento de estratégias, o estudo adiciona – a única forma de “assegurar a sobrevivência a longo-prazo” dessas serpentes enigmáticas frente a ameaças existenciais.

(Texto traduzido. Leia o original em inglês).

Mais Recentes da CNN