Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Colômbia lança expedição para naufrágio de 300 anos cheio de tesouros 

    Navio San José era principal embarcação espanhola no século XVIII e carregava ouro, prata e diamantes

    Destroços do navio San José encontrados na Colômbia
    Destroços do navio San José encontrados na Colômbia Colombia's Anthropology and History Institute/AP

    Heather ChenMichael Riosda CNN*

    A Colômbia lançou a fase inicial de uma expedição subaquática para explorar um navio de guerra espanhol que afundou no Caribe há mais de 300 anos e em que acredita-se que estejam artefatos que somam bilhões dólares – cujos direitos estão sob acalorada disputa.

    Descoberto em 2015 nas águas da costa da cidade portuária de Cartagena pelo governo colombiano, o San José é frequentemente chamado de “Santo Graal dos naufrágios”.

    Acredita-se que o navio de 62 canhões e três mastros – a mais importante e maior embarcação da frota espanhola – transportava ouro, prata, esmeraldas e outros bens valiosos das minas de Potosí, no Peru. O navio viajava do Panamá para a Colômbia quando afundou com 600 pessoas a bordo, em 8 de junho de 1708, durante uma batalha com navios britânicos na Guerra da Sucessão Espanhola.

    A primeira etapa da expedição se concentrará em capturar imagens do navio usando sensores remotos “não intrusivos”, disse o Instituto Colombiano de Antropologia e História (ICANH), acrescentando que os resultados da expedição inicial poderão abrir caminho para explorações subsequentes, o que inclui a recuperação de materiais arqueológicos do naufrágio.

    As imagens serão então utilizadas para construir um inventário das descobertas arqueológicas no fundo do mar.

    A ICANH também declarou o local da descoberta uma “área arqueológica protegida” nacional para “preservar o seu valor científico e arqueológico”.

    Os pesquisadores afirmam que também planejam usar uma embarcação subaquática com tecnologias de posicionamento acústico, bem como um veículo de operação remota com diversos sensores e ferramentas que possam descer até a profundidade do local.

    “Este governo está fazendo algo sem precedentes… explorando o naufrágio como uma possibilidade de compreender a história e a cultura”, disse o ministro da Cultura, Juan David Correa, em entrevista coletiva em Cartagena na quarta-feira (22), onde a expedição também foi lançada.

    Batalha legal de bilhões de dólares por direitos

    A descoberta do San José foi significativa para a Colômbia devido ao tesouro de artefatos culturais e históricos do navio – e às pistas que podem fornecer sobre o clima econômico, social e político da Europa durante o início do século XVIII.

    Mas também desencadeou uma batalha jurídica multibilionária.

    A Colômbia afirma que descobriu o San José pela primeira vez em 2015 com a ajuda de cientistas internacionais.

    Mas as suas reivindicações foram contestadas por uma empresa de salvamento marítimo com sede nos EUA chamada Sea Search-Armada (SSA), anteriormente conhecida como Glocca Morra, que argumenta que foram eles que descobriram o naufrágio no início da década de 1980.

    A SSA lançou uma batalha legal contra o governo colombiano no Tribunal Permanente de Arbitragem, alegando que tem direito a aproximadamente US$ 10 bilhões — metade do valor estimado do tesouro do naufrágio.

    O governo colombiano contesta as reivindicações da SSA.

    A perda do San José e da sua carga teria causado dificuldades financeiras aos comerciantes de toda a Europa e do Novo Mundo, de acordo com relatórios divulgados pela SSA.

    Este conteúdo foi criado originalmente em espanhol.

    versão original