Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Como Alexei Navalny se tornou o “rosto” da oposição na Rússia

    Principal crítico de Vladimir Putin estava preso; anúncio de sua morte gerou comoção de líderes mundiais

    Da CNN

    Alexei Navalny foi o principal opositor do presidente russo, Vladimir Putin, por anos, denunciando supostos casos de corrupção no governo e criticando diretamente o chefe de Estado.

    Preso desde 2021, ele teve morte anunciada pelo serviço penitenciário da Rússia nesta sexta-feira (16). Segundo as autoridades, Navalny teve um mal súbito após uma caminhada.

    Também ressaltaram que médicos tentaram reanimá-lo por cerca de meia hora, mas sem sucesso, e que estão investigando o caso.

    Saiba mais sobre como Navalny se tornou o principal opositor de Putin abaixo.

    Luta contra a corrupção

    Alexei Navalny ganhou destaque em 2008, denunciando corrupção em empresas estatais da Rússia. Três anos depois, em 2011, apareceu como líder de protestos contra suposta fraude nas eleições parlamentares.

    Ele foi preso algumas vezes durante sua vida, incluindo em 2013, quando estava se preparando para disputar as eleições para prefeito de Moscou. Navalny negou as acusações que recebeu, dizendo que eram motivadas politicamente.

    Em 2017, um julgamento, que durou uma semana, o barrou de disputar outra eleição, desta vez para a Presidência, contra Vladimir Putin.

    No mesmo ano, Navalny foi atacado por um “fluido antisséptico verde”, que causou danos à visão do olho direito e deixou sua pele temporariamente verde.

    Um ano depois, em 2018, em entrevista a Matthew Chance, da CNN, o principal opositor de Putin contou o que o fazia continuar seguindo em frente.

    “A escolha é bem simples. Ou você fica com medo, ou você segue em frente. Eu escolhi seguir em frente há muito tempo. Eu não vou desistir do meu país, não vou desistir dos meus direitos civis”, explicou.

    Esses direitos foram usados para chamar seus milhões de seguidores nas redes sociais para protestar, o que o deixou sobre a mira do Kremlin.

    Em uma outra entrevista em 2018, ele afirmou que “corrupção não é apenas Putin, mesmo que ele seja a base. Ele é um homem que governa abertamente com a ajuda de da corrupção”.

    Envenenamento

    Em 2020, ele adoeceu repentinamente durante um voo na Rússia. Depois de apelo da comunidade internacional, ele teve transferência para a Alemanha liberada, onde descobriram que ele foi envenenado com um agente químico nervoso chamado Novichok.

    Uma investigação conjunta da CNN e do grupo Bellingcat descobriu que, por anos, o opositor de Putin foi rastreado por agentes do FSB, o Serviço Federal de Segurança russo. O Kremlin nega qualquer envolvimento no caso.

    Retomada da luta contra Putin

    Após a tentativa de assassinato e de ter ficado em coma induzido, Alexei Navalny retomou sua luta, dessa vez, com ainda mais vigor.

    Enquanto se recuperava na Alemanha, ele conduziu uma operação contra um agente do FSB, o convencendo a detalhar em uma chamada telefônica como o Novichok foi utilizado contra ele. O conteúdo foi postado em seu canal no YouTube.

    Pouco tempo depois, Navalny postou um vídeo do que seriam imagens do “palácio de Putin”, uma mansão no Mar Negro estimada em mais de um bilhão de dólares. Putin negou que a mansão fosse propriedade sua ou de sua família.

    Retorno a Moscou e prisão

    Em janeiro de 2021, ele retornou a Moscou, após receber o tratamento médico na Alemanha, sendo preso imediatamente, acusado de termos de liberdade condicional relacionadas a um caso de 2014.

    Navalny foi enviado a uma colônia penal, onde fez greve de fome por supostamente ser impedido de receber tratamento adequado.

    No final de 2023, a comunidade internacional levantou preocupação com o paradeiro do opositor russo. No meio de dezembro, autoridades da Rússia informaram que ele estava sendo transferido de prisão.