Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Como um gerente de loja indiano foi morto nos campos de batalha da Ucrânia

    Asfan Mohammed teve um destino improvável - um destino que a sua família nunca poderia ter imaginado quando Vladimir Putin ordenou a entrada de tropas russas na Ucrânia, em fevereiro de 2022

    Asfan Mohammed, visto em uniforme militar russo, em imagem cedida por seu irmão, Imran.
    Asfan Mohammed, visto em uniforme militar russo, em imagem cedida por seu irmão, Imran. Maomé Imran

    Vedika SudBrad Lendonda CNN

    Eles abriram a caixa em um domingo no final de março, vendo Asfan Mohammed pela primeira vez desde que ele partiu da Índia para a Rússia, quatro meses antes.

    Ele estava mais bem-vestido do que quando partiu – terno preto, camisa branca, gravata e sapatos substituindo o traje casual que ele usava quando a família e os amigos se despediram dele.

    Mas ele tinha de ser enterrado conforme as suas crenças muçulmanas. Seu corpo teria de ser preparado; as roupas limpas foram removidas.

    Foi então que Imran Mohammad, 41, viu a extensão do que aconteceu ao seu irmão de 31 anos enquanto lutava pelas Forças Armadas russas na Ucrânia.

    “Eu vi buracos na parte de trás do ombro, das costelas até a parte inferior das costas”, disse Imran à CNN.

    “Havia seis a sete buracos causados ​​por um ataque de drone. Ele rasgou seu corpo. Houve danos internos. Dois dentes foram quebrados.”

    Agora esta família unida em Hyderabad, no sul da Índia, também estava desestruturada. Um marido, pai e provedor se foram.

    O negócio de Imran também estava em ruínas, apodrecido pela negligência, pois ele concentrou todas as suas energias em descobrir o que aconteceu ao seu irmão no campo de batalha do conflito mais sangrento da Europa desde a Segunda Guerra Mundial.

    Imran anotou a hora.

    “Abri a caixa às 11h de domingo. Quando vi seu corpo pela primeira vez, percebi que ele não existia mais”, afirmou ele.

    “Meus esforços para procurar meu irmão, minha luta de dois meses por meu irmão, chegaram a um fim doloroso. Eu queria reagir olhando para o cadáver dele, mas simplesmente não consegui. Fiquei totalmente entorpecido.”

    Um sonho perdido

    Asfan teve um destino improvável – um destino que a sua família nunca poderia ter imaginado quando Vladimir Putin ordenou a entrada de tropas russas na Ucrânia, em fevereiro de 2022.

    Na época, o pai de dois filhos administrava uma loja de roupas, uma das quase 300 em toda a Índia da rede local Allen Solly, que vendia roupas infantis, smokings de casamento e quase tudo mais.

    Ele estava lá há oito anos, disse seu irmão.

    Não era o pior trabalho, mas Asfan queria mais para a esposa e os dois filhos pequenos. E ele sonhava em tirá-los de Hyderabad.

    “Ele queria trabalhar na Austrália”, onde moravam sua cunhada e a família dela, disse Imran. “Eles estavam ligando para ele e sua família para lá.”

    Mas isso significava que Asfan precisaria de uma pontuação alta no Sistema Internacional de Testes de Língua Inglesa (IELTS, na sigla em inglês), que avalia a proficiência de falantes não-nativos.

    “Ele participou do IELTS, mas não se saiu bem”, disse Imran. “Ele se sentiu desmotivado e tentou novamente.”

    Não funcionou, disse Imran.

    Os restos mortais de Asfran Mohammad são devolvidos à Índia em março / Maomé Imran

    Mas os vídeos no YouTube sobre oportunidades de emprego na Rússia deram novas esperanças a Asfan, e ele contatou uma agência de emprego, disse o seu irmão.

    “Ele iria trabalhar como motorista de táxi ou entregador na Rússia – esse processo estava em andamento”, disse Imran.

    “Então, alguns dias depois, os agentes disseram que havia vagas para empregos de ajudante e segurança no Exército russo. Os agentes garantiram-lhe que este era o melhor trabalho. Eles disseram que ele poderia obter um passaporte russo e um cartão nacional dentro de um ano, durante o qual você poderia circular pelos países vizinhos.”

    Asfan pensou que isso poderia ser um trampolim para a vida dos sonhos de sua família na Austrália, disse seu irmão.

    Em vez disso, a sua escolha o levou à paisagem frígida e marcada pelas batalhas da Ucrânia.

    Lavagem cerebral

    Asfan manteve seus planos em segredo da família e dos amigos até que fosse tarde demais para voltar atrás, de acordo com Imran, que afirmou que só soube que seu irmão estava partindo três dias antes de ir para a Rússia, em 9 de novembro do ano passado.

    Naquela época, Asfan havia pago mais de US$ 1.800 (cerca de R$ 9.500) aos recrutadores, que lhe pediram que não falasse com ninguém, nem mesmo com sua família, sobre sua intenção de viajar.

    “Eles fizeram tanta lavagem cerebral nele. Eles o avisaram que ele poderia ser deportado da Rússia, do aeroporto”, disse Imran. “Eu tentei o meu melhor para detê-lo.”

    Depois de um percurso com várias paradas que o levou por outras cidades indianas e pelos Emirados Árabes Unidos, Asfan chegou a Moscou no dia 12 de novembro.

    Um dia depois, ele assinou papéis – em russo, que não conseguia ler – comprometendo-o com o trabalho, disse seu irmão.

    “Ele confiava demais nos agentes”, disse Imran.

    Destroços em local destruído perto de Avdiivka, na Ucrânia / 19/2/2024 REUTERS/Thomas Peter

    Combatentes estrangeiros na Ucrânia

    Segundo algumas estimativas, a Rússia tem enviado milhares de homens estrangeiros para lutar na Ucrânia desde que Putin ordenou a invasão.

    Muitos deles são jovens do Sul da Ásia, atraídos pela perspectiva de emprego estável e salários mais elevados na Rússia.

    No Nepal, o proeminente legislador da oposição e antigo ministro dos Negócios Estrangeiros, Bimala Rai Paudyal, disse ao parlamento no início deste ano que entre 14.000 e 15.000 nepaleses estavam lutando nas linhas da frente, citando testemunhos de homens que regressavam da Ucrânia.

    O governo russo anunciou no ano passado um pacote lucrativo para combatentes estrangeiros ingressarem nas Forças Armadas do país, incluindo um salário mensal de pelo menos US$ 2.000 (cerca de R$ 10.000) e um caminho rápido para a cidadania russa – mas o Kremlin não disse quantos estrangeiros recrutou ao abrigo do plano.

    Nova Délhi tem fortes laços com Moscou que remontam à Guerra Fria e evitou condenar abertamente a invasão da Rússia, que continua sendo o maior fornecedor de armas da Índia.

    A Índia também se tornou um grande comprador de energia russa, reforçando os cofres de Moscou com um valor recorde de US$ 37 bilhões (cerca de R$ 190 bilhões) em compras de petróleo bruto só no ano passado e proporcionando receitas vitais às sanções da Rússia que atingiram a economia.

    Entretanto, a Índia, que não tem nenhuma lei que impeça os seus cidadãos de servirem nas Forças Armadas de um Estado estrangeiro, reconheceu que vários dos seus cidadãos têm lutado pela Rússia na Ucrânia.

    Numa declaração em fevereiro, o Ministério dos Negócios Estrangeiros indiano disse que conseguir uma dispensa antecipada das Forças Armadas russas para esses indianos era uma “prioridade máxima”.

    O ministério disse à CNN no mês passado que tem estado em contato contínuo com as autoridades russas para que isso aconteça.

    Mas para alguns, esses esforços chegariam tarde demais. Um porta-voz do ministério disse à CNN que pelo menos dois indianos morreram no conflito.

    No início de março, o Gabinete Central de Investigação (CBI) da Índia disse ter desmantelado grandes redes de tráfico de seres humanos que enganavam homens para empregos militares russos, tendo sido identificados 35 casos deste tipo.

    “Os cidadãos indianos traficados foram treinados em funções de combate e destacados em bases de frente na zona de guerra Rússia-Ucrânia contra a sua vontade”, disse o comunicado da CBI.

    Para a linha de frente

    Asfan não contou ao irmão quando seria enviado para a Ucrânia, disse Imran, mas entrou em contato em 1º de dezembro, quando se dirigia para o campo de batalha.

    Asfan estava procurando uma saída, disse Imran.

    “Ele me pediu para falar com os agentes”, disse Imran. “Eu prometi a ele que daria o meu melhor.”

    Foi a última vez que eles se falaram.

    “Os militares não tiveram contato com esses agentes”, disse Imran.

    “Esses corretores enganaram os rapazes e colocaram as suas vidas em perigo”, afirmou ele, referindo-se a Asfan e outros indianos enviados para a guerra.

    Semanas de incerteza e descrença

    Em 23 de janeiro, Imran recebeu uma mensagem de voz de um dos homens indianos destacados ao lado de Asfan.

    O homem, que disse ter sido ferido em combate, disse a Imran que encontrou Asfan, que também havia sido ferido, dentro de uma casa na Ucrânia, um dia antes.

    Imran disse que o homem lhe falou que não poderia pegar seu irmão “por causa dos drones ao seu redor”, mas informou sobre a condição de Asfan a uma equipe médica russa.

    As forças ucranianas usaram drones comerciais convertidos contra os seus oponentes russos, com efeitos devastadores nas linhas da frente, quer lançando granadas de cima, quer as usando como bombas controladas remotamente.

    Dois dias depois, Imran disse que visitou um membro do Parlamento para tentar conseguir que as autoridades indianas ajudassem o seu irmão ferido. Mas os apelos ao governo ficaram sem resposta.

    A Embaixada da Índia em Moscou acabou por responder que investigava o caso.

    Numa visita em 6 de março ao gabinete do seu deputado, Imran recebeu a notícia que temia.

    Asfran Mohammed, à direita, e seu irmão Imran são fotografados com os filhos de Asran antes de Asfran partir para a Rússia / Maomé Imran

    “Ligamos para o número de emergência da Embaixada da Índia [em Moscou]. Assim que mencionei o nome de Asfan ao telefone, me disseram que ele estava morto. Não tive forças para falar com eles”, disse ele.

    “Eu não queria acreditar no que eles estavam dizendo.”

    Ele ainda não tinha nenhuma prova visual da morte de Asfan, mas teve que transmitir o que descobriu ao resto da família.

    A esposa de Asfan “ficou inconsciente durante três horas”, disse Imran. “Ela chorou a noite toda.”

    A família de Asfan enterrou seu corpo, mas está marcada por uma guerra distante.

    Imran diz que lhe dói olhar para os filhos pequenos de seu irmão, que nunca conhecerão o pai. E ele diz que seu próprio futuro parece incerto.

    “Isso está acontecendo há quatro meses, 24 horas por dia”, disse ele. “Esta foi a pior fase que já passei. Não há mais vida pessoal. Não sobrou nenhuma amizade. Só tenho cuidado da minha família.”

    E um deles, seu irmão, desapareceu para sempre.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original