Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Confira 5 vezes que declarações russas divergiram de realidade na Ucrânia

    Enquanto suas tropas lutam no terreno na Ucrânia, a Rússia está travando uma guerra paralela de desinformação

    Tara Subramaniamda CNN

    Ouvir notícia

    Enquanto suas tropas lutam no terreno na Ucrânia, a Rússia está travando uma guerra paralela de desinformação. Mesmo antes de as forças russas cruzarem a fronteira, as autoridades russas estavam elaborando uma narrativa em desacordo com a realidade.

    Afirmar publicamente uma coisa enquanto a inteligência sugere outra não é incomum, mas a Rússia chegou ao ponto de insistir que suas ações não constituem guerra ou que não tem planos de impor forças, mesmo enquanto as tropas russas detonam explosões nas principais cidades ucranianas e tentativa de obter o controle de locais estratégicos.

    Mais recentemente, após um ataque a um hospital em Mariupol, uma cidade importante no sul da Ucrânia, as autoridades russas mudaram repetidamente sua narrativa.

    Primeiro, eles afirmaram que a Rússia nunca atacaria alvos civis, depois alegaram que era uma operação de bandeira falsa conduzida por rebeldes ucranianos, mas nunca assumiram a responsabilidade.

    Veja cinco exemplos de autoridades russas tentando essencialmente enganar as autoridades ocidentais e o público em geral em relação à Ucrânia.

    Hospital em Mariupol

    Declarações russas – Após o ataque de 9 de março que destruiu a maternidade e o hospital infantil de Mariupol, o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, sugeriu que civis não estavam presentes no momento.

    “Todas as mulheres em trabalho de parto, todas as enfermeiras, em geral, todos os funcionários foram expulsos de lá”, disse Lavrov em 10 de março.

    Realidade – Mulheres visivelmente grávidas estão presentes em vídeos e fotos do hospital após o ataque. O conselho da cidade de Mariupol disse que crianças, mulheres e médicos estão entre os 17 feridos no ataque.

    Autoridades ucranianas dizem que forças russas estão por trás do ataque, embora autoridades russas tenham insistido que não é o caso.

    Sem ataque

    Declarações russas – Em 10 de março, Lavrov negou abertamente que a Rússia tenha atacado a Ucrânia, dizendo: “a Rússia não tem planos de atacar outros países. Nós nem atacamos a Ucrânia”.

    Realidade – As declarações de Lavrov vieram mais de uma semana após a invasão inicial da Rússia na Ucrânia e quando as forças russas tentaram tomar o controle de várias cidades importantes da Ucrânia.

    Por exemplo, as autoridades descreveram a situação em Mariupol, que estava sitiada pelas forças russas, como “crítica” devido ao bombardeio pesado.

    E uma semana antes de Lavrov insistir que a Rússia não havia atacado a Ucrânia, um ataque russo atingiu um prédio de apartamentos em uma cidade ao norte de Kiev, deixando pelo menos 33 mortos.

    Uma operação limitada

    Declarações russas – Quando Putin despachou tropas russas para a região de Donbas, no leste da Ucrânia, em 22 de fevereiro, ele inicialmente a descreveu como uma missão de “manutenção da paz”.

    E em uma transmissão de TV na manhã de 24 de fevereiro, depois que as tropas invadiram a Ucrânia, Putin se referiu ao movimento como uma “operação militar especial”, insistindo que ele estava limitado à região de Donbass e afirmando que a Rússia “não planeja se impor sobre qualquer um.”

    Realidade –  A presença da Rússia na Ucrânia não é limitada. Suas forças abrangem a maior parte do país, cercando ou tentando cercar cidades-chave muito além do Donbas.

    Durante e logo após o discurso de Putin, repórteres no terreno notaram que explosões podiam ser ouvidas na capital de Kiev, bem como em Kharkiv, a segunda maior cidade da Ucrânia, e Odessa, uma cidade portuária importante – nenhuma das quais está no Donbas.

    Nesse mesmo dia, as forças russas assumiram o controle do aeroporto Hostomel, nos arredores da capital da Ucrânia.

    Em resposta à agressão dos EUA

    Declarações russas – Reprimindo os relatos de posicionamento agressivo de tropas russas na Ucrânia, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, sugeriu em uma entrevista em 11 de dezembro que qualquer movimento das forças russas era uma resposta à presença e movimentos militares dos Estados Unidos na região.

    “A Rússia está movendo suas forças dentro de seu território, e podemos mover nossas forças em qualquer direção que quisermos e mais perto das áreas que podem representar uma ameaça [e atualmente] vemos aviões de guerra dos EUA pousando na Ucrânia e equipamentos militares dos EUA se aproximando de nossas fronteiras”, disse Peskov.

    Realidade – Menos de uma semana depois, depois que o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky se reuniu com o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, para discutir o reforço militar da Rússia na Ucrânia e nos arredores, a Rússia anunciou que queria uma garantia juridicamente vinculativa de que a Otan desistiria de qualquer atividade militar na Europa Oriental e Ucrânia e encerrar um acordo de compartilhamento nuclear que permite que os EUA mantenham suas armas nucleares na Europa e usem aeronaves de membros europeus da Otan para entregar armas nucleares, se necessário.

    Essas propostas foram uma resposta ao que a Rússia vê como ameaças à sua própria segurança das relações da Ucrânia com a Otan e os países membros da organização.

    No entanto, os Estados Unidos fornecem ajuda à Ucrânia desde 2014, e aviões de guerra dos EUA pousando na Ucrânia com equipamentos militares não são incomuns.

    Algumas armas pequenas e munições dos Estados Unidos foram entregues à Ucrânia dias antes das declarações de Peskov como parte de um pacote de assistência de segurança previamente agendado e aprovado em setembro.

    As forças armadas dos Estados Unidos também ajudam a treinar tropas ucranianas, embora a CNN tenha relatado que o Pentágono não entraria em detalhes sobre cronogramas para operações ou desdobramentos, nem disse se algum cronograma mudou devido ao acúmulo de forças russas perto da Ucrânia.

    O Pentágono observou que os fuzileiros navais dos Estados Unidos operam em todo o continente para treinamento e exercícios.

    Sem planos de ataque

    Declarações russas –  Em 28 de novembro de 2021, Peskov disse à agência de notícias estatal TASS que “a Rússia nunca atacou, não está atacando e nunca terá planos de atacar ninguém”.

    Realidade –  Dias depois, um relatório de inteligência dos Estados Unidos alertou que a Rússia planejava atacar a Ucrânia no início de 2022, informou o Washington Post pela primeira vez.

    A inteligência dos Estados Unidos sobre os movimentos de tropas russas e a decisão de Putin de invadir provaram ser verdadeiras. Durante meses, a Rússia acumulou forças ao longo da fronteira, subjacente ao aspecto premeditado da invasão final em fevereiro.

    E nas semanas que antecederam a invasão, os Estados Unidos compartilharam amplamente que sua inteligência sugeriu que Putin invadiria em breve.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Mais Recentes da CNN