Conflito com polícia israelense deixa 31 palestinos feridos em Jerusalém

Testemunhas disseram que a polícia entrou no recinto após as orações da manhã e disparou balas de borracha e bombas de efeito moral contra uma multidão de cerca de 200 palestinos

Fiéis palestinos formam fila em checkpoint israelense de Qalandiya, para acessar Jerusalém e o complexo religioso Al-Aqsa, em 22 de abril de 2022, no mês sagrado do Ramadã
Fiéis palestinos formam fila em checkpoint israelense de Qalandiya, para acessar Jerusalém e o complexo religioso Al-Aqsa, em 22 de abril de 2022, no mês sagrado do Ramadã Anadolu Agency via Getty Images

Henriette ChacarSinan Abu MayzerAmar AwadAri Rabinovitchda Reuters

Em Jerusalém

Ouvir notícia

Pelo menos 31 palestinos foram feridos em confrontos com a polícia israelense no complexo da mesquita Al-Aqsa em Jerusalém na sexta-feira (22), disseram os médicos palestinos, na mais recente série de conflitos no local reverenciado tanto por muçulmanos quanto por judeus.

O serviço de ambulância do Crescente Vermelho Palestino disse que 14 palestinos haviam sido levados ao hospital, dois deles com ferimentos graves.

A polícia israelense disse que suas forças intervieram quando centenas de pessoas começaram a atirar pedras e fogos de artifício e se aproximaram do Muro Ocidental, onde se realizava o culto judaico.

Testemunhas da Reuters disseram que a polícia entrou no recinto após as orações da manhã e disparou balas de borracha e bombas de efeito moral contra uma multidão de cerca de 200 palestinos, alguns dos quais estavam jogando pedras. A polícia também atirou balas de borracha de perto em um grupo de jornalistas que documentaram os confrontos, disseram as testemunhas.

Um surto de violência em Israel e nos territórios palestinos ocupados nas últimas semanas levantou o medo de uma recaída em um conflito mais amplo, como a guerra de Gaza do ano passado.

Desde março as forças israelenses mataram pelo menos 29 palestinos nas batidas na Cisjordânia, disse o Ministério da Saúde palestino, e uma série de ataques mortais nas ruas árabes mataram 14 pessoas em Israel, disse a polícia e os médicos israelenses.

“Sérias preocupações”

Na última sexta-feira (22), mais de 150 palestinos e vários policiais israelenses foram feridos em confrontos semelhantes em Al-Aqsa, disseram os médicos palestinos e a polícia israelense.

A conduta das forças de segurança israelenses naquele dia “levanta sérias preocupações de que o uso da força foi generalizado, desnecessário e indiscriminado”, disse um porta-voz do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, em uma declaração.

As tensões este ano foram aumentadas em parte pelo mês sagrado muçulmano do Ramadã coincidindo com a celebração judaica da Páscoa, que traz mais visitantes muçulmanos e judeus ao complexo, o mais sagrado do judaísmo.

Os palestinos acusam Israel de restringir o culto muçulmano na mesquita de Al-Aqsa – o terceiro local mais sagrado do Islã e conhecido pelos judeus como o Monte do Templo – enquanto não fazem o suficiente para impor uma proibição de longa data à oração judaica ali. Israel rejeita esta acusação.

Como em anos anteriores, Israel está interrompendo as visitas judaicas durante os últimos dias do Ramadã, começando na sexta-feira, disse um oficial israelense. Tradicionalmente, a presença muçulmana no complexo aumenta durante os últimos dias do mês de jejum.

O complexo Al-Aqsa fica no topo do planalto da Cidade Velha de Jerusalém Oriental, que Israel capturou em uma guerra em 1967 e a anexou, em um movimento que não ganhou reconhecimento internacional.

Os palestinos querem que Jerusalém Oriental seja a capital de um Estado que eles procuram estabelecer na Cisjordânia ocupada e em Gaza.

Mais Recentes da CNN