Contra insegurança alimentar, Atlanta cria floresta de alimentos grátis

Espaço, o maior do tipo nos Estados Unidos, tem mais de 2.500 plantas medicinais e comestíveis livres de pesticidas e é mantido por mais de 1 mil voluntários

Carly Ryan, da CNN

Ouvir notícia

Quando uma fazenda inativa de nozes nos arredores de Atlanta, no estado norte-americano da Geórgia, fechou, o terreno passou por um rezoneamento e foi reservado para abrigar casas geminadas.

Mas a construção das moradias nunca saiu do papel e o Fundo de Conservação da cidade o comprou em 2016 para desenvolver um projeto inusitado: a maior floresta de alimentos grátis dos Estados Unidos.

Graças a uma doação do Serviço Florestal dos EUA e a uma parceria entre a cidade de Atlanta, o Fundo de Conservação e a Trees Atlanta, agora é possível encontrar quase 3 hectares de terra, com 2.500 plantas medicinais e comestíveis livres de pesticidas, a apenas 10 minutos do aeroporto de Atlanta – o mais movimentado do mundo antes da pandemia.

A floresta fica no bairro de Browns Mill, no sudeste de Atlanta, onde o supermercado mais próximo está localizado a 30 minutos de ônibus.

“O acesso a espaços verdes e alimentos saudáveis ??é muito importante. E isso faz parte de nossa missão”, diz Michael McCord, arboricultor e especialista em paisagismo comestível que ajuda a cuidar da floresta.

A floresta é parte do objetivo da cidade de Atlanta de fornecer alimentos saudáveis em um raio inferior a 1 quilômetro para 85% de seus 500.000 residentes até 2022, uma grande mudança de conceito já que, até 2014, era ilegal cultivar alimentos em lotes residenciais na cidade.

Projetos como a floresta alimentar são uma raridade e uma necessidade em Atlanta, já que 1 em cada 6 georgianos enfrenta insegurança alimentar, 1 em cada 3 residentes de Browns Mill vive abaixo da linha de pobreza e 1 em 4 moradores da cidade vive em desertos alimentares tão severos que alguns acham mais adequado para chamar o problema de “linha vermelha de supermercados”.

“Recebemos muitos alunos para expedições de campo e, para muitos deles, é a primeira vez em um jardim, fazenda ou floresta”, disse McCord. “Então, aqui eles podem experimentar tudo da agricultura urbana e silvicultura urbana em um dia. É realmente especial.”

Floresta de alimentos gratuitos em Atlanta, nos EUA
Floresta de alimentos gratuitos fica em Browns Mill, no sudeste de Atlanta, onde o supermercado mais próximo está localizado a 30 minutos de ônibus
Foto: Fundo de Conservação de Atlanta

A floresta agora é propriedade do departamento de parques e mais de 1.000 voluntários e vizinhos estão ajudando a plantar, regar e manter o local. Em um único dia, pode haver mais de 50 voluntários trabalhando na floresta.

O trabalho de manutenção da floresta feito por voluntários é uma prova da capacidade do projeto de construir uma comunidade, disse Carla Smith, vereadora de Atlanta que ajudou a iniciar o projeto.

“É realmente um parque para todos”, disse Smith. “Cada vez que vou, há uma comunidade que respeita e valoriza os alimentos saudáveis ??e frescos. Existe uma mentalidade de que as pessoas sabem que devem pegar apenas o que precisam.”

Embora tenha havido poucos problemas com as pessoas pegando mais do que precisam, os administradores florestais pedem que os membros da comunidade tenham prioridade quando os alimentos forem colhidos. Além disso, parte dos alimentos são colhidos pelos voluntários da floresta, não pelos visitantes, e depois distribuídos.

As iniciativas para facilitar o acesso aos alimentos nas cidades estão se popularizando nos EUA – existem pelo menos 70 florestas de alimentos gratuitos no país

Nas florestas de alimentos gratuitos em Seattle, Portland e Asheville, milhares de quilos de alimentos são colhidos a cada ano. Para McCord, isso é um sinal de que a agricultura urbana está indo na direção certa.

“Tudo relacionado a um parque é um momento de aprendizado, sejam árvores, trilhas, abelhas ou vegetais. Isso é o que é mais importante para mim – que estamos aumentando a consciência sobre sustentabilidade e agricultura.”

(Texto traduzido; leia o original em inglês)

Mais Recentes da CNN