Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Coreia do Norte diz que premiê do Japão quer se encontrar com Kim Jong Un 

    Kim Yo Jong, irmã do líder norte-coreano, disse que o Japão terá que melhorar "relações bilaterais" antes de encontro com Fumio Kishida, segundo a mídia estatal KCNA

    Premiê do Japão, Fumio Kishida, fala à imprensa em Tóquio
    Premiê do Japão, Fumio Kishida, fala à imprensa em Tóquio Franck Robichon/Pool via Reuters (13.dez.23)

    Da Reuters Seul e Tóquio

    Kim Yo Jong, irmã do líder da Coreia do Norte Kim Jong Un, disse nesta segunda-feira (25) que o primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, recentemente transmitiu sua intenção de se encontrar com o líder norte-coreano em breve através de “outro canal”, informou a mídia estatal KCNA.

    No entanto, Kim Yo Jong disse que a melhoria das relações bilaterais entre os países dependerá da capacidade do Japão de tomar decisões políticas práticas.

    “O primeiro-ministro deveria saber que só porque ele quer e tomou uma decisão, isso não significa que ele pode ou que a liderança do nosso país irá encontrá-lo”, disse Kim, citado no relatório da KCNA em coreano.

    “O que está claro é que quando o Japão antagoniza a República Popular Democrática da Coreia e viola os seus direitos soberanos, é considerado nosso inimigo e irá se tornar parte do alvo”, acrescentou Kim.

    Questionado sobre as reportagens sobre o comentário de Kim, Kishida reiterou a importância de uma reunião de cúpula para resolver questões bilaterais, como a questão dos cidadãos japoneses sequestrados por agentes de Pyongyang há décadas.

    “É importante realizar uma reunião de alto nível para resolver a questão do sequestro e outros problemas. Como tenho dito, estamos abordando a Coreia do Norte de várias maneiras sob a minha supervisão direta”, disse Kishida numa sessão parlamentar.

    Mais tarde na segunda-feira, o principal porta-voz do governo do Japão, Yoshimasa Hayashi, disse que a afirmação da Coreia do Norte de que a questão do sequestro já foi resolvida é “totalmente inaceitável”, sublinhando potenciais obstáculos à alteração dos laços.

    Kishida disse que deseja manter conversações com o líder norte-coreano Kim Jong Un “sem quaisquer condições prévias” e está supervisionando pessoalmente os esforços para realizar a primeira cúpula de líderes desse tipo em 20 anos.

    Um funcionário do Ministério das Relações Exteriores da Coreia do Sul, que pediu para não ser identificado, disse que Seul está em negociações estreitas com Tóquio sobre uma série de questões relacionadas à Coreia do Norte, incluindo contatos entre o Japão e o Norte.

    A irmã de Kim, que atua no Partido dos Trabalhadores, no poder, disse no mês passado que Kishida poderá um dia visitar Pyongyang.

    “Se o Japão tomar uma decisão política para abrir um novo caminho para melhorar os laços com base no respeito mútuo e no comportamento respeitoso, é minha opinião que os dois países podem abrir um novo futuro”, disse ela, citando a KCNA.

    (Por Hyunsu Yim, em Seul, e Shinichi Uchida e Kiyoshi Takenaka, em Tóquio; edição de Michael Perry e Christian Schmollinger)