Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Departamento de Estado dos EUA apoia venda de munição para Ucrânia

    Pentágono afirmou que o pacote pode incluir munição de artilharia para obuses, tanques e lançadores de granadas

    Caixas de munição dentro de veículo militar ucraniano
    Caixas de munição dentro de veículo militar ucraniano 23/04/2022 REUTERS/Jorge Silva

    Susan HeaveyMike Stoneda Reuters

    Ouvir notícia

    O Departamento de Estado norte-americano usou nesta segunda-feira (25) uma declaração de emergência pela primeira vez durante o governo do presidente Joe Biden para aprovar uma potencial venda no valor de US$ 165 milhões em munição à Ucrânia para ajudar o país a se defender contra a invasão da Rússia, informou o Pentágono.

    O governo ucraniano pediu para comprar vários cartuchos da chamada munição fora do padrão, disse o departamento em comunicado, referindo-se a munições que não aderem aos padrões da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

    O Pentágono afirmou que o pacote pode incluir munição de artilharia para obuses, tanques e lançadores de granadas, como cartuchos de 152 mm para 2A36 Giatsint; 152 mm para canhões D-20; VOG-17 para lançador automático de granadas AGS-17; munição HE de 125 mm para cartuchos T-72 e 152 mm para 2A65 Msta.

    “À medida que as forças ucranianas gastam munição para defender seu país, suas necessidades diárias de reabastecimento continuam aumentando”, disse uma autoridade do Departamento de Estado.

    “Armazenamentos criticamente baixos de munição para seus sistemas em campo” estão entre as razões pelas quais a autoridade do Departamento de Estado disse que “existe uma emergência”.

    Uma declaração de emergência não é usada desde 2019, quando o governo Donald Trump informou aos comitês do Congresso que avançaria com 22 vendas militares para Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos e Jordânia.

    Mais Recentes da CNN