Diplomatas de EUA e Rússia não esperam grande avanço em negociação sobre Ucrânia

Reunião desta sexta-feira (21) entre Blinken e Lavrov não deve causar um esfriamento das tensões, avaliaram as autoridades

Secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, cumprimenta ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, antes de reuinião entre ambos em Genebra
Secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, cumprimenta ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, antes de reuinião entre ambos em Genebra 21/01/2022 Ministério das Relações Exteriores da Rússia/Divulgação via REUTERS

Simon LewisAlexander ErmochenkoMark Trevelyanda Reuters

Ouvir notícia

Os principais diplomatas de Rússia e Estados Unidos minimizaram a perspectiva de resolver rapidamente as suas diferenças em relação à Ucrânia. O diálogo entre as partes começou na Suíça nesta sexta-feira (21), com os americanos ainda acreditando que as tensões podem esfriar.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, apertou a mão do ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, no hotel Presidente Wilson, onde a reunião está sendo realizada, antes de se sentarem para conversar.

Lavrov disse a Blinken que não esperava um grande avanço nas conversas de Genebra.

(Nossas) propostas são extremamente concretas e esperamos respostas que sejam igualmente concretas”, disse Lavrov.

“Este é um momento crítico. Você tem razão: não esperamos resolver nossas diferenças aqui hoje”, disse Blinken, em seus comentários de abertura.

“Mas eu espero que possamos testar se o caminho da diplomacia, do diálogo, permanece aberto. Estamos comprometidos a caminhar por esse caminho, a resolver nossas diferenças de maneira pacífica e espero testar essas proposições”, acrescentou Blinken.

As esperanças de Washington de criar uma frente unida de oposição a Moscou ficaram mais complicadas pelos comentários do presidente norte-americano Joe Biden em entrevista coletiva na quarta-feira (19), quando ele disse que a Rússia “entraria” na Ucrânia e que Moscou pagaria caro.

“Os comentários do presidente Biden não ajudaram, mesmo que tenham sido corrigidos posteriormente”, disse Thomas Kleine-Brockhoff, vice-presidente do gabinete de Berlim do The German Marshall Fund dos Estados Unidos.

A Rússia concentrou dezenas de milhares de tropas em suas fronteiras com a Ucrânia. Estados ocidentais temem que Moscou esteja planejando um novo ataque ao país que invadiu em 2014 para anexar a península da Crimeia. A Rússia nega que esteja planejando um ataque, mas diz que pode tomar uma ação militar se uma lista de exigências não for cumprida, incluindo uma promessa da Otan de nunca admitir a Ucrânia na aliança militar.

Ao chegar para as negociações em um dia frio e tempestuoso em Genebra, o vice-ministro das Relações Exteriores russo, Sergei Ryabkov, foi questionado pela emissora CBS News se a Rússia estava intimidada pela Ucrânia. O chanceler respondeu: “Não temos medo de ninguém, nem mesmo dos EUA”.

Em Moscou, o Kremlim reagiu friamente à iniciativa do Parlamento russo de reconhecer duas regiões separatistas pró-Rússia no leste da Ucrânia como Estados independentes, dizendo que era importante evitar medidas que possam aumentar as tensões.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, afirmou que era importante não tentar ganhar pontos políticos em uma situação tão frágil.

O Kremlin não esperava que Blinken entregasse uma resposta por escrito às exigências da Rússia por garantias de segurança nesta sexta-feira, disse Peskov.

A Rússia quer que a Otan prometa que não aceitará a Ucrânia como membro, e que interromperá seu avanço em direção ao Oriente. A aliança liderada pelos Estados Unidos rejeitou o pedido.

Mais Recentes da CNN