Dois dias após eleição nos EUA, Trump Jr. disse que garantiria vitória do pai

CNN teve acesso exclusivo a mensagens em que o filho do ex-presidente afirmou ter o “controle operacional” para conseguir o segundo mandato do republicano

Donald Trump e Donald Trump Jr. durante evento do Partido Republicano
Donald Trump e Donald Trump Jr. durante evento do Partido Republicano Foto: Reuters

Ryan NoblesZachary CohenAnnie Grayerda CNN

Ouvir notícia

Dois dias após a eleição presidencial dos Estados Unidos em 2020, enquanto os votos ainda estavam sendo computados, o filho mais velho de Donald Trump enviou uma mensagem ao então chefe de gabinete da Casa Branca, Mark Meadows, dizendo que “temos controle operacional” para garantir que seu pai conseguisse um segundo mandato, com maiorias republicanas no Senado dos EUA e legislaturas em estados decisivos, apurou a CNN.

No texto, que não foi divulgado anteriormente, Donald Trump Jr. expõe ideias para manter seu pai no poder subvertendo o processo do Colégio Eleitoral, segundo a mensagem revisada pela CNN. O texto está entre os registros obtidos pelo comitê da Câmara dos EUA que investiga a invasão ao Capitólio em 6 de janeiro de 2021.

“É muito simples”, escreveu Trump Jr. para Meadows em 5 de novembro de 2020: “Temos vários caminhos, controlamos todos eles”.

Em um comunicado à CNN, o advogado de Trump Jr., Alan S. Futerfas, disse: “Após a eleição, Don recebeu inúmeras mensagens de apoiadores e outros. Dada a data, esta mensagem provavelmente se originou de outra pessoa e foi encaminhada”.

Imediatamente antes de sua mensagem para Meadows descrevendo vários caminhos para desafiar a eleição, Trump Jr mandou uma mensagem para então chefe de gabinete da Casa Branca dizendo: “Isto é o que precisamos fazer, por favor, leia e leve para todos que precisam ver, porque não tenho certeza de que estamos fazendo isso.”

A mensagem de 5 de novembro traça uma estratégia quase idêntica a que os aliados do ex-presidente tentaram realizar nos meses seguintes. Trump Jr. faz referência específica à apresentação de ações judiciais e à defesa de recontagens para impedir que certos estados indecisos certifiquem seus resultados, além de ter um punhado de casas estaduais republicanas apresentando listas de falsos “eleitores de Trump”.

Se tudo isso falhar, de acordo com o texto de Trump Jr., os legisladores do Partido Republicano no Congresso poderiam simplesmente votar para reinstalar Trump como presidente em 6 de janeiro.

“Temos controle operacional e alavancagem total”, diz a mensagem. “O segundo mandato deve começar agora.”

O texto de Trump Jr. é revelador em vários níveis. Mostra como os mais próximos do ex-presidente já estavam trocando ideias sobre como derrubar a eleição meses antes da insurreição de 6 de janeiro – e antes mesmo de todos os votos serem contados. Levaria mais dois dias até que os principais meios de comunicação declarassem Joe Biden o vencedor em 7 de novembro.

O texto também contribui para um crescente corpo de evidências de como o círculo íntimo de Trump estava ativamente engajado em discutir como desafiar os resultados das eleições.

Em 28 de março, o juiz David Carter, juiz federal da Califórnia, disse que Trump, juntamente com o advogado conservador John Eastman, lançou uma campanha “sem precedentes” para derrubar uma eleição democrática, chamando-a de “um golpe em busca de uma teoria jurídica”.

George Terwilliger, advogado de Meadows, se recusou a comentar esta história. Um porta-voz do comitê seleto da Câmara se recusou a comentar.

Estratégia planejada

Nas semanas que se seguiram às eleições de 2020, Trump e seus aliados acabaram entrando com mais de 60 ações judiciais malsucedidas em estados-chave, falhando em convencer os tribunais de que suas alegações sobre uma eleição roubada eram justificadas ou teriam descoberto qualquer evidência de fraude eleitoral generalizada.

Eles também pediram várias recontagens com base nas mesmas alegações infundadas de fraude eleitoral. Vários estados realizaram recontagens nos meses após a eleição, embora nenhum deles tenha revelado qualquer fraude substancial o suficiente para alterar o resultado da votação em qualquer estado.

Enquanto Trump Jr. estava promovendo publicamente várias teorias de conspiração de fraude eleitoral e lançando dúvidas sobre os resultados em estados como Pensilvânia e Geórgia, suas mensagens para Meadows revela que havia outras ideias sendo discutidas em particular.

Trump Jr. previa uma estratégia para substituir eleitores autênticos por eleitores republicanos falsos em alguns estados. Esse plano acabou sendo orquestrado e executado por aliados do ex-presidente e supervisionado por seu então advogado Rudy Giuliani.

Em mensagens para Meadows, Trump Jr. identifica duas datas importantes em dezembro que servem como prazos para os estados certificarem seus resultados eleitorais e obrigarem o Congresso a aceitá-los. Embora as datas sejam em grande parte cerimoniais, o filho do ex-presidente republicano parece apontá-las como potenciais fraquezas a serem exploradas ao lançar dúvidas sobre a legitimidade dos resultados eleitorais.

Em busca de eleitores de Trump

A mensagem de 5 de novembro de Trump Jr. para Meadows veio quando suspeitas de eleitores infiéis estavam começando a se infiltrar publicamente nas redes sociais conservadoras. Trump Jr. enviou o texto para Meadows às 12h51, apenas alguns minutos depois que o apresentador de rádio conservador Mark Levin publicar uma ideia semelhante e sugerir que as legislaturas estaduais têm a palavra final sobre os eleitores.

Se os secretários de Estado foram incapazes de certificar os resultados, Trump Jr. argumenta em seu texto para Meadows que eles deveriam aproveitar sua vantagem fazendo com que as assembleias estaduais controladas pelos republicanos “interviessem” e apresentassem listas separadas de “eleitores de Trump”, escreve ele.

“Os republicanos controlam a Pensilvânia, Wisconsin, Michigan, Carolina do Norte, etc., temos eleitores de Trump”, acrescenta Trump Jr..

O texto de Trump Jr., no entanto, refere-se a uma teoria legal não testada de que as casas do estado são a autoridade máxima nas eleições e podem intervir para apresentar uma lista de eleitores diferente daquela escolhida, quando na realidade este é um processo cerimonial e o resultado é essencialmente uma conclusão precipitada.

O Departamento de Justiça e o comitê da Câmara estão investigando a trama dos falsos eleitores no contexto do que se desenrolou em 6 de janeiro e do esforço mais amplo de Trump para derrubar a eleição.

A estratégia lançada por Trump Jr. é semelhante ao que foi descrito pelo ex-governador do Texas e secretário de Energia de Trump, Rick Perry, que enviou uma mensagem a Meadows em 4 de novembro sugerindo que três assembleias estaduais ignorassem a vontade de seus eleitores e entregassem os eleitores de seus estados a Trump.

Um porta-voz de Perry disse à CNN que o ex-secretário de Energia nega ser o autor do texto. No entanto, várias pessoas que conhecem Rick Perry confirmaram anteriormente à CNN que o número de telefone que o comitê associou a essa mensagem de texto é o número de Perry.

“Nós controlamos todos eles”

Trump Jr. também envia uma mensagem para Meadows dizendo que o Congresso poderia intervir em 6 de janeiro e derrubar a vontade dos eleitores se, por algum motivo, eles não conseguissem garantir votos eleitorais suficientes para inclinar o resultado a favor de Trump usando a estratégia baseada nos estados.

Essa opção, de acordo com o texto de Trump Jr., envolve um cenário em que nem Biden nem Trump têm votos eleitorais suficientes para serem declarados vencedores, levando a Câmara dos Deputados a votar por delegação partidária estadual, com cada estado recebendo um voto.

“Os republicanos controlam 28 estados, os democratas, 22 estados”, escreve Trump Jr.. “Mais uma vez Trump vence.”

“Ou temos um voto dos estados que controlamos e vencemos ou é decidido pelo Congresso em 6 de janeiro de 2021”, enviou em uma mensagem para Meadows.

Em uma série de memorandos no início de janeiro, o advogado conservador John Eastman propôs uma variação dessa ideia.

O memorando de Eastman estabeleceu um plano de seis etapas para o vice-presidente Mike Pence derrubar a eleição de Trump, que incluía descartar os resultados em sete estados porque supostamente tinham eleitores repetidos. Na verdade, nenhum estado apresentou uma lista alternativa de eleitores – havia apenas aliados de Trump alegando sem qualquer autoridade para serem eleitores.

Eastman, que foi intimado pelo comitê da Câmara e está lutando para manter alguns de seus registros em segredo dos investigadores, foi acusado por Carter de provavelmente se envolver em uma conspiração criminosa com Trump para derrubar a eleição.

“O Dr. Eastman tem um histórico impecável como advogado e respeitosamente discorda das conclusões do juiz”, disse seu advogado Charles Burnham em resposta à decisão do juiz.

Trump Jr. pressiona Meadows para demitir Wray do FBI

Trump Jr. termina suas mensagens de 5 de novembro pedindo uma série de movimentos para solidificar o controle de seu pai sobre o governo, colocando pessoas leais em cargos importantes e iniciando investigações sobre a família Biden.

“Demita Wray; demita Fauci”, ele escreve, referindo-se ao diretor do FBI, Christopher Wray, e ao conselheiro de Covid-19 da Casa Branca, Anthony Fauci. Trump Jr. então propõe tornar o ex-diretor interino da Inteligência Nacional Ric Grenell chefe interino do FBI e ter o então procurador-geral Bill Barr “como procurador especial para investigar a família criminosa de Biden”.

Como Trump se recusou a ceder nos dias e semanas após a eleição de 2020, surgiram rumores de que ele ainda estava pensando em demitir Wray, junto com vários outros altos funcionários com quem ele havia ficado frustrado.

Trump e seus aliados criticaram duramente Wray por não apresentar informações que alegavam ser prejudiciais aos inimigos políticos do presidente, incluindo Biden. A CNN informou anteriormente que a perspectiva de Trump para demitir Wray pairava sobre o FBI por semanas, datando de antes do dia da eleição.

Enquanto Wray permanece em seu cargo e Barr renunciou em meados de dezembro de 2020 sem nomear um promotor especial para investigar os Bidens, o texto de Trump Jr. ressalta o quão frágil era a situação no Departamento de Justiça logo após a eleição.

O mesmo vale para a recomendação de Trump Jr. de que Meadows substitua Wray por Grenell, alguém que não apenas não tinha as qualificações usuais para liderar o FBI, mas também tinha um histórico comprovado de cumprir ordens do ex-presidente.

Depois de cumprir um controverso período de três meses como chefe de inteligência interino de Trump, Grenell começou a campanha no final de 2020 para ajudar a promover as alegações infundadas de Trump de fraude eleitoral generalizada e apoiar seus desafios legais em um estado importante: Nevada.

Em 5 de novembro, Biden tinha uma pequena vantagem sobre Trump em Nevada, mas parecia prestes a ganhar os seis votos eleitorais do estado. No mesmo dia, funcionários de campanha de Grenell e Trump anunciaram que estavam entrando com uma nova ação para “parar a contagem de votos ilegais”, mas não forneceram evidências para apoiar as alegações de fraude desenfreada.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN