Donald Trump pede a Putin que divulgue “sujeiras” sobre Biden e família

Ex-presidente falou sobre supostos negócios do filho de Joe Biden na Rússia e Ucrânia enquanto seu pai era vice-presidente

Ex-presidente dos EUA Donald Trump
Ex-presidente dos EUA Donald Trump REUTERS/Shannon Stapleton

Marshall Cohenda CNN

Washington

Ouvir notícia

Em uma nova entrevista publicada na terça-feira (29), o ex-presidente Donald Trump pediu ao presidente russo, Vladimir Putin, que divulgue qualquer informação prejudicial que tenha sobre a família Biden, em um pedido escancarado de assistência política doméstica do principal adversário dos Estados Unidos.

É o exemplo mais recente da disposição de Trump de solicitar e abraçar a ajuda política doméstica de potências estrangeiras – até mesmo de Putin, que atualmente comanda uma guerra sangrenta contra a Ucrânia.

Em entrevista ao JustTheNews, Trump fez uma alegação não comprovada sobre os negócios de Hunter Biden na Rússia e pediu a Putin que divulgasse qualquer informação que pudesse ter sobre a situação. Não está claro se existe algum material ou se o Kremlin tem acesso a ele.

“Acho que Putin saberia a resposta para isso”, disse Trump, referindo-se aos possíveis negócios de Hunter Biden na Rússia. “Acho que ele deveria liberar. Acho que devemos saber essa resposta.”

É verdade que Hunter Biden foi bem pago pelo trabalho de consultoria que fez em países estrangeiros, incluindo Ucrânia e China, enquanto seu pai – o presidente Joe Biden – era vice-presidente. O Departamento de Justiça tem uma investigação criminal em andamento sobre esses negócios e possíveis crimes financeiros.

Mas nenhuma evidência surgiu para apoiar as alegações de Trump de que os Bidens se envolveram em corrupção ou influenciaram a política dos EUA para ganho pessoal, e o presidente não foi implicado na investigação. Hunter Biden negou irregularidades e diz que será inocentado quando a investigação criminal terminar.

O apelo público de Trump a Putin remonta ao seu infame comentário de julho de 2016, no qual ele disse: “Rússia, se você estiver ouvindo”, e depois teria provocado Putin a hackear e-mails pessoais de Hillary Clinton. Foi o início de um esforço de um ano de Trump para aumentar suas perspectivas políticas com ajuda estrangeira.

Na semana passada, Trump entrou com uma ação contra Hillary Clinton e o Partido Democrata, acusando-os de criarem uma falsa ligação entre a campanha de Trump e a Rússia, desencadeando uma “investigação federal infundada” e um “frenesi da mídia”.

A campanha de Trump em 2016 também abraçou e capitalizou a operação de interferência eleitoral da Rússia contra Clinton. Por exemplo, a campanha regularmente reproduzia e-mails democratas que foram hackeados e vazados pelos militares russos, e membros do círculo íntimo de Trump também se encontraram durante a campanha com um agente russo que prometeu informações sobre Clinton.

Em 2019, Trump pressionou o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky a iniciar investigações de corrupção infundadas contra o então candidato Joe Biden e reteve quase US$ 400 milhões em ajuda militar dos EUA como parte do esquema. Este incidente levou ao primeiro impeachment de Trump.

E durante a campanha de 2020, alguns dos principais aliados de Trump colaboraram com um conhecido espião russo para divulgar desinformação sobre Biden e sua família, incluindo algumas das mesmas alegações de corrupção que Trump mencionado na nova entrevista.

O clipe de Trump pedindo ajuda a Putin foi publicado por um site de notícias fundado por John Solomon, um jornalista pró-Trump cuja cobertura anterior sobre os laços dos Bidens com a Ucrânia foi desacreditada. Ele disse à CNN que a entrevista foi gravada na segunda-feira em Mar-a-Lago.

 

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN