É “improvável” que míssil russo atinja território da Otan, diz ministro britânico

Possível ataque não é "impossível", mas qualquer manifestação será vista como um "ato de guerra", acrescentou chefe da pasta da Saúde

Logos da Otan na sede da aliança militar em Bruxelas
Logos da Otan na sede da aliança militar em Bruxelas Yves Herman/Reuters

Reuters*

Ouvir notícia

Não é impossível que mísseis russos possam atingir território da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), mas é muito improvável, disse o ministro da Saúde britânico Sajid Javid nesta segunda-feira (14), acrescentando que a aliança responderia se isso acontecesse.

Questionado sobre a possibilidade de mísseis russos atingirem um território da Otan após um ataque a uma base de treinamento militar ucraniana perto da Polônia, Javid disse à rádio BBC: “Não é impossível, mas ainda acho que, neste estágio, é muito improvável”.

“Deixamos muito claro para os russos, mesmo antes do início deste conflito, mesmo que uma única biqueira russa entre em território da Otan, então será considerado um ato de guerra”.

No domingo, o Centro para a Manutenção da Paz e Segurança internacional em Yavoriv foi bombardeado por militares russos, disseram autoridades militares da região de Lviv.

O alvo do ataque fica a cerca de 25 quilômetros de distância da fronteira com a Polônia, o que reforça a tensão entre a Otan, grupo do qual a Polônia faz parte, e a Rússia.

A escalada do conflito com o Ocidente tornou-se mais clara no sábado (12), especialmente depois da Rússia ter ameaçado destruir carregamentos de armas internacionais que cheguem à Ucrânia.

Esse aviso, feito pelo vice-ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergei Ryabkov, aumenta o risco de um conflito direto entre Moscou e um país da Otan.

Aliados da Ucrânia, incluindo Reino Unido, Alemanha e Estados Unidos, estão enviando com urgência milhares de mísseis antitanque e antiaéreos para Kiev em resposta à agressão de Moscou

Ryabkov disse que a Rússia “avisou os EUA de que a entrega de armas que estão a organizar a partir de vários países não é apenas um movimento perigoso, é um ato que torna os comboios respectivos em alvos legítimos”, alertou Serguei Riabkov em entrevista ao jornal canal de TV Pervy Kanal.

Acompanhe ao vivo a cobertura especial da CNN sobre a guerra na Ucrânia.

*Com informações da CNN

Mais Recentes da CNN