Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Eleição ao Parlamento Europeu mostrou apoio à Ucrânia, diz Olaf Scholz

    Chanceler alemão avaliou resultados do pleito europeu em conferência em Berlim

    Volodymyr Zelensky e Olaf Scholz em coletiva de imprensa em Berlim
    Volodymyr Zelensky e Olaf Scholz em coletiva de imprensa em Berlim Reuters

    Leon MalherbeTanya WoodDaria Shamonovada Reuters

    Os eleitores da União Europeia mostraram um claro apoio aos partidos que apoiam a Ucrânia nas eleições parlamentares do bloco, disse o chanceler alemão Olaf Scholz nesta terça-feira (11).

    “As eleições europeias produziram resultados claros. Uma esmagadora maioria dos cidadãos apoia partidos que também concordam que a Ucrânia deve ser apoiada”, disse Scholz, ao lado do presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, numa conferência em Berlim.

    A Ucrânia espera reunir ajuda para proteger e reconstruir cidades destruídas, bem como prosseguir os seus esforços de adesão à União Europeia à medida que a guerra se arrasta.

    Kiev espera que a conferência de recuperação consolide as suas credenciais como futuro membro da UE, digno de enormes injeções de financiamento para a reconstrução – mesmo que as forças russas continuem a fazer avanços lentos no leste da Ucrânia.

    “A reconstrução do país exigirá investimentos maciços. Isto não será possível sem capital privado. Recorde-se que estamos a falar da reconstrução de um futuro Estado-membro da União Europeia”, disse Scholz.

    Falando ao lado de Scholz, Zelenskiy disse que a Rússia já destruiu infraestrutura energética suficiente para abastecer as cidades de Berlim e Munique juntas.

    Ele esperava sair da conferência com promessas de bilhões de euros para a defesa e acordos sobre a construção de um sistema energético novo e mais moderno.

    Questionado sobre o que espera da próxima conferência na Suíça, que visa angariar apoio para as propostas de paz de Kiev, Zelenskiy disse que o fato de ela acontecer já poderia ser considerado algo positivo, uma vez que se tornava mais difícil manter os países inertes à medida que a guerra se arrastava.

    “Esta reunião (em si) já é um resultado. Porque é muito difícil não perder aliados e países parceiros. E unir países que são parceiros e não parceiros é uma missão difícil por si só para a Ucrânia, quando a guerra continua por meses”, disse Zelenskiy.

    Zelenskiy também se dirigiu ao parlamento alemão durante a sua visita, onde o seu discurso foi boicotado por dois partidos, incluindo a Alternativa para a Alemanha (AfD), de extrema-direita, cujo apoio aumentou nas eleições europeias no fim de semana passado.