Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Eleições no Equador: saiba quem são os candidatos a presidente

    Campanha eleitoral ficou marcada pelo assassinato de Fernando Villavicencio, um dos postulantes ao cargo mais alto do Executivo

    Tiago Tortellada CNN

    em São Paulo

    O Equador realiza eleições presidenciais neste domingo (20). São oito chapas que disputam a Presidência e vice-Presidência no país sul-americano.

    A campanha eleitoral terminou na quinta-feira (17), marcada pelo assassinato de Fernando Villavicencio, um dos postulantes ao cargo mais alto do Executivo.

    Veja também — Análise: O peso do crime organizado na política sul-americana

    Para garantir a segurança dos eleitores, o país prepara um esquema com participação de cerca de 100 mil agentes, incluindo as Forças Armadas e a Polícia Nacional.

    Veja abaixo quem são os candidatos à Presidência do Equador.

    Yaku Pérez

    Yaku Pérez, candidato indígena à Presidência do Equador
    Yaku Pérez, candidato indígena à Presidência do Equador / Divulgação/Campanha Yaku Pérez

    O candidato Yaku Pérez Guartambel é líder indígena Kichwa Kañari, advogado, professor e autor de oito livros. É juiz do Tribunal Internacional dos Direitos da Natureza.

    Se denomina defensor da água, tendo conduzido processos judiciais para defesa da natureza nos Andes. Seu nome de nascimento era Carlos Pérez, mas alterou para Yaku (água em Kichwa).

    Ele é doutor em Jurisprudência pela Universidade de Cuenca e mestre em Direito Penal e Criminologia pela Uniandes. Também tem especializações em Direito Penal e Justiça Indígena e Direito ambiental.

    Pérez lecionou na Universidade Estadual de Cuenca, na Universidade de Azuay e na Universidade Politécnica Salesiana. Também tem Diploma Superior em Gestão de Bacias Hidrográficas, pela Universidade de Cuenca.

    Tendo liderado confederações e organizações indígenas no passado, foi eleito prefeito da província de Azuay em 2019.

    Em 2021, disputou a Presidência do Equador pelo partido indígena Pachakutik, alcançando cerca de 20% da votação nacional.

    Luisa González

    Luisa Magdalena González Alcívar, candidata à Presidência do Equador
    Luisa Magdalena González Alcívar, candidata à Presidência do Equador / Divulgação

    Luisa Magdalena González Alcívar é advogada especializada em economia internacional e desenvolvimento. Se formou na Universidade Internacional do Equador, e é mestre em Alta Direção pelo Instituto de Estudos Nacionais Superiores e em Economia Internacional e Desenvolvimento pela Universidade Complutense de Madri.

    Ela é uma ex-deputada até então pouco conhecida, sendo contra o aborto, inclusive em casos de estupro.

    Foi ministra do Trabalho e do Turismo, secretária-nacional do Parlamento Andino, secretária-nacional de Administração Pública e vice-ministra da Gestão do Turismo do Ministério do Turismo.

    É apoiada pelo ex-presidente do Equador Rafael Correa — que agora vive exilado em Bruxelas, depois de ter sido condenado por corrupção –, tendo sido secretária-geral da Presidência da República durante seu mandato. Também coordenou a agenda estratégica presidencial de Correa.

    González também foi cônsul geral e vice-cônsul do Equador em Madri e cônsul geral em Alicante, ambas cidades na Espanha.

    Christian Zurita

    Christian Zurita, que substituiu o candidato presidencial assassinado Fernando Villavicencio, concede entrevista coletiva em Guayaquil / 16/08/2023 REUTERS/Vicente Gaibor del Pino

    Christian Zurita é jornalista, tem 53 anos e nasceu em Quito, capital do Equador. Segundo perfil divulgado pelo partido Construye, trabalhou como jornalista investigativo, se especializando em questões de corrupção, crime organizado e narcotráfico.

    Entrou como candidato a Presidência ocupando a vaga de Fernando Villavicencio, que foi assassinado, a quem chamou de “amigo” e dividiu redações jornalísticas.

    Além disso, por 30 anos trabalhou em diferentes meios de comunicação, como Revista Vistazo, Teleamazonas, Diario Expreso e El Universo. Fundou também os sites MilHojas.is e PeriodismodeInvestigación.com.

    Neste último, em seu perfil, Zurita se define: “Jornalista indignado. Não há poder que não enfrente, nem questões que lhe sejam estranhas. Inimigo persistente das tiranias, crítico do jornalismo populista. Esquerdista redimido”.

    Ele também lista os reconhecimentos que recebeu, como o Prêmio Jorge Mantilla Ortega e o prêmio de jornalismo de dados da Associação Interamericana de Imprensa, por seu trabalho colaborativo regional.

    Também é coautor, junto com o jornalista Juan Carlos Calderón, do livro “El Gran Hermano”, pelo qual Rafael Correa, ex-presidente do Equador, foi levado a julgamento.

    Daniel Noboa

    Daniel Noboa Azin, candidato à Presidência do Equador
    Daniel Noboa Azin, candidato à Presidência do Equador / Divulgação/Campanha

    Daniel Roy-Gilchrist Noboa Azin nasceu em 30 de novembro de 1987, na cidade de Guayaquil. É filho do empresário e ex-candidato à Presidência da República Álvaro Noboa Pontón e de Annabella Azin, doutora em medicina.

    É ex-deputado, tendo presidido a Comissão de Desenvolvimento Econômico, Produtivo e Projetos de Microempresa. Foi eleito para o cargo legislativo como representante da província de Santa Elena.

    Noboa é formado em Administração de Empresas pela Stern School of Business, da Universidade de Nova York. Tem mestrados em Administração Pública e de Empresas, pela Kellogg School of Management; de Comunicação Política e Governança Estratégica, pela Universidade George Washingon, e um terceiro na Universidade de Harvard.

    Otto Sonnenholzner

    Otto Sonnenholzner, candidato à Presidência do Equador
    Otto Sonnenholzner, candidato à Presidência do Equador / Reprodução/Redes sociais

    O candidato Otto Sonnenholzner é economista pela Ludwig-Maximilians-Universität München e mestre em Administração Pública pela Harvard Kennedy School.

    Completou os estudos universitários na Schiller International University, com sede na Alemanha e na Espanha, onde se especializou em Economia Internacional.

    Já foi vice-presidente do Equador, tendo o nome aprovado pela Assembleia Nacional com 94 votos.

    Nasceu em 19 de março de 1983, tendo desenvolvido carreira como radialista. Foi gerente-geral da Rádio Tropicana de Guayaquil e presidente e membro da Associação Equatoriana de Radiodifusores.

    Também trabalhou como professor de Economia na Faculdade de Ciências Empresariais da Universidade Católica de Guayaquil.

    Xavier Hervas

    Xavier Hervas, candidato à Presidência do Equador
    Xavier Hervas, candidato à Presidência do Equador / Reprodução/Redes Sociais

    Xavier Hervas tem 50 anos, nasceu em 7 de outubro de 1972, em Guayaquil, capital do Equador. Estudou Engenharia de Produção Agroindustrial na Universidade de La Sabana em Bogotá, Colômbia. Cursou MBA e mestrado em Ciência Política.

    Fundou seis empresas nos setores econômicos de exportação, alimentos, agricultura, indústria, transporte e comércio.

    Segundo sua biografia, posicionou o brócolis equatoriano como “produto premium” em países como Japão, Alemanha, Estados Unidos, Bélgica, Reino Unido, Holanda Argentina, Chile, China, entre outros.

    Em 2021, disputou as eleições presidenciais do Equador pelo partido Izquierda Democrática, conseguindo 16,3% dos votos.

    Bolivar Armijos

    Bolivar Armijos, candidato à Presidência do Equador
    Bolivar Armijos, candidato à Presidência do Equador / Reprodução/Redes sociais

    Bolivar Armijos Velasco é fundador e ex-presidente do Conselho Nacional de Governos Paroquiais do Equador, liderando o setor rural com centenas de obras e projetos executados entre 2000 a 2019.

    Formado em Direito pela Universidade Técnica Luis Vargas Torres de Esmeraldas, é especialista em Governança, Gestão Política e Desenvolvimento Local, é coordenador nacional e porta-voz da bancada legislativa Unión por la Esperanza.

    Também é presidente do movimento Fuerza Rural y Productiva.

    Jan Topic

    Jan Topic, candidato à Presidência do Equador
    Jan Topic, candidato à Presidência do Equador / Reprodução/Instagram

    De acordo com perfil compartilhado à CNN pela equipe de Jan Topic, ele é um soldado profissional que integrou a Legião Estrangeira Francesa como franco-atirador, paraquedista, tendo participado de operações na África, Síria e Ucrânia.

    Entre as ações militares que atuou, estão a Primeira Guerra Civil Centro-Africana, em 2007; a guerra entre Djibouti e Eritreia, em 2008; a Segunda Guerra Civil na Costa do Marfim, em 2009; a guerra civil na Síria; e a guerra da Ucrânia, em 2022.

    É graduado em Economia e Matemática pela Universidade da Pensilvânia, com mestrado em Finanças Quantitativas pela Escola de Economia de Londres.

    Tem pós-graduação em Segurança Internacional na Escola de Extensão de Harvard e pós-graduação em Gestão Empresarial na Harvard Business School.

    Entre os principais pontos de sua campanha estão o combate à violência e pobreza, prometendo devolver “a paz” ao Equador. Em entrevista à CNN Espanhol, havia dito que “estamos a caminho de um Estado falido, se não tomarmos as medidas corretas”.