EUA: Biden deve indicar Antony Blinken para secretário de Estado

Blinken atuou no governo de Barack Obama como vice-secretário de estado e vice-conselheiro de Segurança Nacional

Jeff Zeleny, Dan Merica e Kylie Atwood, da CNN
23 de novembro de 2020 às 08:46 | Atualizado 23 de novembro de 2020 às 09:16
Antony Blinken trabalhou como conselheiro de Segurança Nacional do então vice-presidente Biden
Foto: Reprodução - 04.mar.2016 / Reuters

O presidente eleito Joe Biden deve indicar Antony Blinken para ocupar o cargo de secretário de estado dos Estados Unidos, disseram à CNN pessoas com conhecimento sobre o assunto. O democrata vai fazer a primeira rodada de anúncios para o gabinete na terça-feira (24).

Ron Klain, escolhido por Biden para ser chefe de gabinete da Casa Branca, disse nesse domingo (22) que o presidente eleito pretendia começar a revelar os nomes na terça. Blinken deve estar entre as primeiras indicações, em uma tentativa de Biden de enviar um sinal de que reconstruir as alianças dos EUA será uma das prioridades do governo.

Assista e leia também:
Twitter e Facebook vão transferir conta de presidente dos EUA para Biden
A alternância de poder nos EUA: veja todos os presidentes eleitos até hoje
Tentativas de Trump de reverter derrota nas urnas começam a colapsar

Blinken atuou no governo de Barack Obama como vice-secretário de estado e vice-conselheiro de Segurança Nacional. Ele também trabalhou como conselheiro de Segurança Nacional do então vice-presidente Biden. 

Antony Blinken (dir.) atuou no governo de Barack Obama como vice-secretário de estado e vice-conselheiro de Segurança Nacional
Foto: Reprodução - 08.ago.2014 / Reuters

Naquela época, ele desempenhou um papel central em grande parte da política externa da gestão Obama, incluindo a resposta à invasão da Crimeia pelos russos em 2014, a caçada para matar Osama bin Laden em 2011 e o combate aos jihadistas do Estado Islâmico.

1ª tarefa: reparar relações com aliados

Se for confirmado pelo Senado, Blinken terá a tarefa de reparar as relações com aliados próximos pelo mundo, muitos dos quais se irritaram com o estilo de confronto do atual presidente Donald Trump.

Ele também deverá comandar um Departamento de Estado dramaticamente alterado sob a gestão Trump, mudando a visão infundada promovida pelo republicano de que a agência fazia parte de um "estado profundo" que trabalhava contra o mandatário.

Antes de atuar no governo Obama, Blinken trabalhou como diretor de equipe dos democratas do Comitê de Relações Exteriores do Senado dos EUA, que era presidido por Biden.

Durante a gestão de Bill Clinton, Binken trabalhou como membro da equipe do Conselho de Segurança Nacional na Casa Branca, assistente especial do presidente, diretor sênior de assuntos europeus e diretor sênior para redação de discursos e planejamento estratégico. Ele era redator-chefe dos discursos de política externa de Clinton.

Um alto funcionário atual do Departamento de Estado disse à CNN que Biden "não poderia ter escolhido um nome mais forte para demonstrar seu comprometimento com a diplomacia e o corpo diplomático".

(Texto traduzido. Leia o original em inglês.)