Geórgia começa nova recontagem de votos a pedido de equipe de Trump

Após auditoria manual que confirmou vitória de Biden nas eleições, Geórgia fará nova recontagem - agora com máquina de varredura automática - a pedido de Trump

Por Kevin Bohn, da CNN
24 de novembro de 2020 às 00:41 | Atualizado 24 de novembro de 2020 às 06:16
Contagem de votos da eleição presidencial dos EUA em Atlanta, na Geórgia
Foto: Brandon Bell - 4.nov.2020/Reuters


A Geórgia realizará, a partir desta terça-feira (24), outra recontagem das cédulas presidenciais após um pedido de campanha de Trump no último sábado. A nova verificação dos votos não será manual, como a anterior, mas realizada por uma máquina de varredura automática. É considerado extremamente improvável que a recontagem mude a vitória de Biden no estado.

"Como a margem ainda é inferior a 0,5%, o presidente pode solicitar uma recontagem após a certificação dos resultados. Essa recontagem será realizada examinando novamente todas as cédulas de papel", disse o secretário de Estado da Geórgia, Brad Raffensperger, em comunicado após a primeira auditoria estadual dos resultados presidenciais ser concluída.

O presidente eleito Joe Biden, que foi declarado o vencedor na sexta-feira quando o estado certificou os resultados, tem 12.670 votos ou 0,2% de vantagem sobre o presidente Donald Trump na Geórgia.

Leia também:
Agência de governo dos EUA libera transição de Biden

Michigan confirma vitória de Biden após Trump pressionar para mudar resultado

A Geórgia já conduziu uma auditoria das cédulas presidenciais, ou seja, todas as cédulas na corrida presidencial foram contadas uma segunda vez de forma manual. Essa auditoria foi mais rigorosa do que a recontagem, que não será feita de forma manual e sim por uma nova varredura automática.

Sob a lei da Geórgia, a campanha de Trump teve dois dias úteis a partir da certificação de sexta-feira para solicitar a recontagem, que será financiada pelo contribuinte.

"Hoje, a campanha de Trump entrou com uma petição de recontagem na Geórgia. Nosso foco é garantir que todos os aspectos da Lei do Estado da Geórgia e da Constituição dos EUA sejam seguidos para que todos os votos legais sejam contados. O presidente Trump e sua campanha continuam a insistir em um recontagem honesta na Geórgia, que deve incluir correspondência de assinaturas e outras salvaguardas vitais ", disse a campanha de Trump em um comunicado.

"A recontagem da semana passada reafirmou o que já sabíamos: os eleitores da Geórgia escolheram Joe Biden para ser seu próximo presidente. Como disse o Secretário de Estado, não há razão para acreditar que haja erros ou fraudes generalizadas e a campanha de Trump não tem evidências para apoiar suas reivindicações infundadas", disse Jaclyn Rothenberg, a diretora de comunicações da Geórgia para a campanha de Biden. "Qualquer nova recontagem simplesmente reafirmará a vitória de Joe Biden na Geórgia pela terceira vez."

A comparação de assinaturas para cédulas de correio não éserá feita na recontagem, de acordo com o especialista em leis de campanha Jonathan Diaz. A comparação das assinaturas nos envelopes das cédulas de correio com as dos arquivos foi feita no início do processo.

A campanha de Trump reclamou de cédulas que não foram descartadas por causa de problemas de assinatura. Diaz afirma que "nenhuma recontagem vai mudar" a margem de mais de 12.000 votos.

"Não há nenhum motivo real para eles fazerem isso, a não ser para continuar a arrastar esse processo e causar mais atrasos", disse Diaz. "É uma espécie de absurdo", disse ele sobre o pedido de recontagem. "A guerra acabou."